Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
22.03.18
ED. 5831

Credores da Itapemirim se tornam passageiros da agonia

A Itapemirim mudou de motorista, mas não de destino. Entre os mais de dois mil credores, cresce o temor de que a companhia acabe trafegando sem freio rumo à falência. Até o momento, os empresários paulistas Sidnei Piva de Jesus e Camila de Souza Valdivia, que compraram a Itapemirim de Camilo Cola, não teriam aportado os recursos prometidos para a reestruturação do grupo, da ordem de R$ 200 milhões. As negociações com os credores tampouco avançaram.

Outra curva brusca: no fim do ano passado, os administradores da recuperação judicial foram subitamente afastados. Em meio a tantos ziguezagues, Sidnei e Camila estariam se movimentando para passar o negócio adiante. Segundo informações filtradas de um dos bancos credores, a Itapemirim teria sido oferecida a empresários de ônibus de São Paulo. Outro caminho aventado seria a transferência do controle aos credores.

Procurada, a Itapemirim não se pronunciou. A conturbada situação lança mais interrogações sobre o processo de recuperação judicial da Itapemirim, que acumula uma dívida de R$ 1,3 bilhão. Ao mesmo tempo, a passagem de Sidnei Piva e Camila Valdivia pela empresa é tão cercada de mistérios quanto sua entrada no negócio – a dupla chegou a ser processada por herdeiros de Camilo Cola por supostamente não ter quitado valores referentes à compra da companhia.

Mesmo credores e concorrentes da Itapemirim pouco sabem sobre a trajetória empresarial de Sidnei e Camila, novatos em um setor fechado, no qual antiguidade é posto. Há dúvidas também sobre a capacidade financeira de ambos. Sem os aportes, os planos de modernização e ampliação da frota ainda não saíram do papel. Nos últimos meses, o número de viagens canceladas teria crescido devido à falta de ônibus em condições operacionais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

O looping da Embraer

O presidente Michel Temer já ultrapassou a linha dos 50% de probabilidade de vetar a compra da Embraer pela Boeing. Sua inspiração é a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de impedir a compra da Qualcomm pela Broadcom, de Cingapura. Os analistas do mercado de aviação, entretanto, acham que a motivação é puramente eleitoral. Trump pelo menos alega questões de segurança nacional. Se reeleito, o Temer em estado puro bem poderia recuar e permitir o negócio. Mas aí o timing já teria passado. Digamos, no entanto, que o presidente deixe rolar o barco e a Boeing compre a Embraer: os norte-americanos, então, terão de torcer para que Ciro Gomes não venha a se eleger. O candidato do PDT já disse que “a Embraer, eu vou tomar de volta”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Sem açúcar e sem afeto

As denúncias contra o ex-ministro Delfim Netto na Lava Jato põe em risco a sua permanência no board da Biosev, braço sucroalcooleiro da Louis Dreyfus. As normas de compliance do grupo francês são extremamente severas para casos dessa natureza.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Sem graça

O discretíssimo octogenário Julio Bozano, lenda viva da banca nacional, não acha nenhuma graça na agitação do sócio Paulo Guedes com a campanha de Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Sinal dos tempos

A Porto Seguro estaria se recusando a fechar novos contratos de seguro de veículos na Baixada Fluminense e em alguns bairros do Rio. Em 2017, os roubos de carros no estado subiram 16%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Papel passado

Em um determinado momento da gestão Murilo Ferreira, na Vale, a compra ou associação com a Suzano foi aventada no Conselho de Administração da companhia. O projeto tinha como alvo a posterior aquisição da Eldorado. A história, como se sabe, conduziu os participantes para direções distintas. No entanto, a compra da Fibria pela Suzano é uma prova de que o destino escreveu certo por linhas tortas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Risco “Juquinha” paira sobre o PR

Má notícia para o PR e, em especial, o ex-deputado Valdemar da Costa Neto: condenado a 10 anos por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, o ex-presidente da Valec, José Francisco das Neves, o “Juquinha”, estaria negociando sua delação premiada. A gota d’água teria sido a nova denúncia apresentada pelo Ministério Público contra sua mulher, Marivone Neves, já condenada em outro processo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Hapvida sai à caça de planos de saúde

O empresário cearense Candido Pinheiro Lima – tratado por seus pares como “o Edson Bueno do Nordeste”, em alusão ao fundador da Amil – vai partir para a consolidação de operadoras de planos de saúde na região. Fôlego financeiro não lhe faltará: os recursos virão do IPO da sua companhia, a Hapvida, programado para abril – a expectativa é de uma captação entre R$ 3 bilhões e R$ 3,5 bilhões. Um dos alvos, segundo o RR apurou, seria a Smile Saúde, que atua em Alagoas e na Paraíba. A Hapvida mira também na Unimed Norte-Nordeste, que tem enfrentado percalços – no início deste mês, a ANS chegou a suspender a comercialização de planos de saúde da operadora por irregularidades no atendimento e nas coberturas garantidas. A Hapvida é a maior empresa do setor no Nordeste, com mais de três milhões de vidas e receita da ordem de R$ 3 bilhões/ano. Pinheiro Lima ataca para se defender: seu objetivo é reforçar a posição da companhia em seu habitat no momento em que as grandes operadoras nacionais expandem sua atuação no Nordeste. Não por acaso: dos 13 estados que fecharam o ano de 2017 com crescimento do número de associados a planos de saúde, seis são do Nordeste.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Fronteiras fechadas

Os planos do diretor de investimentos da Petros, Daniel Lima, de aportar recursos em ativos no exterior têm esbarrado na resistência do Conselho Deliberativo. A fundação vem de um déficit acumulado superior a R$ 27 bilhões. Os conselheiros acham que não é hora para arroubos de grandeza.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Movimentação

A Joá Investimentos, de Luciano Huck, está se movimentando para comprar startups no Vale do Silício.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Pinga-pinga

A Agência Francesa de Financiamento, que apoia projetos em países em desenvolvimento, fechou um empréstimo de 60 milhões de euros à baiana Embasa e negocia acordos similares com a Copasa, de Minas Gerais, e a Saneago, de Goiás.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Tem peixe na área

Romário está buscando o apoio do PSB a sua candidatura ao governo do Rio. A sigla flerta com Eduardo Paes, mas o ex-prefeito é uma incógnita por conta da Lava Jato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.18
ED. 5831

Ponto final

As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Biosev, Porto Seguro, Hapvida e Joá Investimentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.