Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
19.03.18
ED. 5828

Sangue de Marielle Franco realça o caos da cidade do Rio de Janeiro

À exceção da fatalidade trágica, nada é o que parece ser no assassinato da vereadora Marielle Franco. A militante, com histórico exemplar na defesa de direito das minorias, era uma voz contrária à intervenção federal e militar no Rio de Janeiro. Sua morte, paradoxalmente, fará com que a ação das Forças Armadas seja intensificada na cidade, liberando os recursos que o comandante do Exército Brasileiro, general Eduardo Vilas Bôas, vinha reiteradamente pleiteando. Até agora, a intervenção é um copo com moeda de centavo no fundo.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, aspirante a candidato à Presidência da República, mostrou que sua sensibilidade política é nanica. Ele tem sentado em cima do orçamento todas as vezes em que chegam pedidos por mais numerário para a intervenção. O RR apurou que o Palácio do Planalto exigiu urgência na transferência de verbas. Elas deverão ser capazes de custear o deslocamento para o Rio de tropas de outras regiões, o que não estava previsto.

Porém, os militares não irão tocar opânico na cidade, conforme desejam distintas tribos de ativistas e reacionários. Como disse o general Braga Neto, chefe da intervenção federal no Rio, a ação será sentida aos poucos. Agora, o que acontecerá é um reforço do efetivo e a aquisição de novos equipamentos. O aparato e a visibilidade do Exército vão se tornar maiores. A inteligência das três Forças Armadas cooperará na busca do assassino da vereadora.

Mas que não se espere uma caça como a feita pela Aeronáutica ao atirador Alcino e o motorista de táxi Climério após o atentado contra Carlos Lacerda. Os militares não se guiarão pela Lei de Talião. Duas razões contraditórias parecem ter motivado o assassinato da vereadora Marielle Franco. Na primeira, ela seria alvo de milícias e grupos de extermínio, julgando que o homicídio poderia deslocar o foco da sua ação criminosa para a busca da autoria do atentado. Na segunda hipótese, ativistas reacionários teriam praticado o assassinato para forçar uma ação militar mais intensa.

Querem o Exército barbarizando nas ruas. No lamentável episódio tudo é o que não é. Às 15h35 de ontem, o Google registrava 861 mil resultados santificando Marielle e 135 mil resultados sobre a nubência da parlamentar com Marcinho VP e a sua ligação com o Comando Vermelho, comprovadamente uma informação falsa. Nas praias de Ipanema, meninas douradas usavam bottons nos biquínis com fotos dos seus rostinhos sorridentes ladeado dos dizeres: “Marielle presente”. Ao contrário das palavras de ordem, o extermínio da vereadora não foi um atentado à democracia, tal como eleição sem Lula não é uma fraude.

Sua morte também não deflagrará homicídios em série e até justiçamentos conforme amedrontados ativistas faziam crer ontem no Facebook. O presidente Michel Temer, com seu senso de oportunidade, teria dito: “Atiraram no nosso peito, mas não atingiram o nosso coração: agora vamos com tudo”. Na manhã de ontem, um policial militar, de folga, foi morto no Rio, após troca de tiros, em Bangu. Não consta que os ministros da Segurança Pública, Defesa, Gabinete de Segurança Institucional (GSI) ou os Comandos Militares tenham tomado qualquer providência para criação de auditoria, corregedoria ou fiscalização excepcional da munição em poder das polícias, que repetidas vezes corre para o crime como as águas para o mar. Caetano Veloso compôs velozmente uma canção sobre a líder popular. Faz mais de 80 horas que Jair Bolsonaro está mudo em relação ao assunto. O sorriso de Marielle ainda embeleza as bancas de jornais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.03.18
ED. 5828

Produtores de laranja se espremem contra Citrosuco, Cutrale e Louis Dreyfus

Os produtores de laranja, notadamente de São Paulo, estão se mobilizando em mais uma tentativa de criar uma entidade que congregue agricultores e os grandes exportadores de suco. O objetivo é fazer um contraponto ao notório poder da trinca Citrosuco (Votorantim e Fischer), Cutrale e Louis Dreyfus. As conversas, sobretudo no âmbito da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo, vêm se intensificando desde o fim do ano passado. O que está em jogo, neste caso, é uma tentativa do lado mais fraco da cadeia – os citricultores – em ganhar maior poder de barganha na negociação de preços com os produtores de suco de laranja. Os primeiros rabiscos do projeto surgiram em 2014, no que seria o Conselho dos Produtores e Exportadores de Suco de Laranja (Consecitrus). Mas, três anos depois, após muito bagaço e pouco caldo, o Cade reprovou a criação da entidade por causa dos conflitos entre suas metades. Os produtores acusam a CitrusBR de ter feito uma série de manobras e imposto várias condições para inviabilizar a criação do Consecitrus. Procurada, a CitrusBR afirmou que “a representação dos produtores é um assunto privado dos citricultores, e não cabe à representação das indústrias interferência”. Garantiu ainda lamentar o “arquivamento do Consecitrus e que em nenhum momento colocou qualquer tipo de condição” para o surgimento da entidade.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.03.18
ED. 5828

A toque de caixa

Assessores do governador Geraldo Alckmin trabalham dia e noite para que o “chefe” anuncie formalmente a venda de 49% da holding controladora da Sabesp na primeira semana de abril. Será um de seus últimos atos no governo. A operação poderá gerar algo em torno de R$ 5 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.03.18
ED. 5828

Cabo eleitoral

O vice-governador de Minas Gerais, Antonio Andrade (MDB), chamou para si a missão de convencer Josué Gomes da Silva a disputar uma vaga no Senado. Andrade rompeu com Fernando Pimentel e pretende disputar o governo de Minas, com Josué ao seu lado no palanque já nas prévias do partido. Seu adversário será o deputado federal Rodrigo Pacheco.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.03.18
ED. 5828

Refogado bilionário

A Telefônica também tem sua “Agenda 15”. Está reembalando uma série de projetos já anunciados com o objetivo de engordar seu plano de investimentos e colocar sobre a mesa um valor superior a R$ 26 bilhões. A cifra serve como “objeto de pressão” sobre o governo, no momento em que os espanhóis travam uma queda de braço com a Anatel por conta de multas da ordem de R$ 2 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.03.18
ED. 5828

Leilão da Infraero

O governo bateu o martelo: vai realizar em maio o leilão das participações da Infraero nos aeroportos de Brasília e de Belo Horizonte. Cerca de R$ 3 bilhões devem aterrissar nos cofres da União.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.03.18
ED. 5828

Ponto final

Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Telefônica e 3G Capital.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.