Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
06.12.17
ED. 5760

Geraldo Alckmin busca o seu próprio “Plano Real”

O governador de São Paulo e virtual candidato tucano à Presidência da República, Geraldo Alckmin, pretende buscar no passado o seu mote de campanha. Alckmin quer um “Plano Real” para chamar de seu. A ideia é comprar o pacote fechado: o programa junto com os economistas integrantes do governo.

Como que no túnel no tempo, veríamos de novo espalhados pelo aparelho de Estado os “pucnianos” Pedro Malan, Edmar Bacha, Pérsio Arida, Elena Landau, entre outros. Todos em versão retrô, mas com alta carga simbólica. A exceção ficaria por conta de Gustavo Franco, que não pertence mais ao time por vontade própria e se filiou ao Partido Novo. Segundo a fonte do RR, a ideia é do próprio Alckmin. Fernando Henrique Cardoso, que não dá conselho a ninguém, certamente gostaria da autoria.

Ele foi consultado e aprovou imediatamente. O Plano Real versão 2.0 complementaria o governo Temer, concluindo o ajuste das contas públicas e as reformas estruturantes, mas trazendo a agenda da produtividade, que permaneceu intocada durante todo os planos de ajuste do regime civil. Alckmin já esteve no quartel do Real 2.0, a Casa das Garças.

Foi iniciar as primeiras conversas. O think thank tucano se considera diferenciado de todas as outras instituições que produzem conhecimento, a exemplo da FGV, Insper e USP. Os “pucnianos” acham que criaram uma grife e são uma boutique. Um novo Plano Real só seria crível com a assinatura deles. Sem as garças ou marrecos, soaria como fake. Com a péssima fase que o PSDB atravessa, talvez seja mesmo uma boa iniciativa resgatar a única coisa que lhe sobrou: um passado de transformações venturosas da economia do país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.12.17
ED. 5760

Sobrou para os fundos de pensão

Se a Lava Jato parece ter entrado em slow motion, a Operação Greenfield vai ganhar um gás. Ainda neste mês, o novo diretor da Polícia Federal, Fernando Segovia, deverá designar mais dois delegados para reforçar o grupo de trabalho que investiga desvios de recursos na Previ, Funcef, Petros etc. No momento, há apenas uma delegada destacada para o caso. A expectativa na própria PF é que o reforço permitirá à Greenfield avançar sobre fundos de pensão que ainda não foram devidamente revirados pela Operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.12.17
ED. 5760

Segunda chamada

A HTC, fabricante de smartphones de Taiwan, prepara seu retorno ao Brasil. Já teria, inclusive, iniciado conversações com uma das grandes operadoras de telefonia celular do país. A HTC deixou o Brasil em 2012, depois de algum barulho e nenhum resultado. Desta vez, traz a reboque um gigantesco parceiro: em setembro, o Google se associou à empresa em um negócio de US$ 1,1 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.12.17
ED. 5760

Como tirar a Odebrecht?

A norte-americana SMG, que administra arenas em oito países, fez chegar ao governador Pezão seu interesse pelo Maracanã. O problema é como tirar a Odebrecht do gramado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.12.17
ED. 5760

Porta fechada

Marcio França, vice-governador de São Paulo, trabalha noite e dia contra a possível entrada do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa no PSB. Por ele, o partido mergulha de cabeça na campanha de Geraldo Alckmin.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.12.17
ED. 5760

Ponto final

Os seguintes citados não retornaram ou não comentaram o assunto: Banco ABC Brasil, Emerson Fittipaldi, Carlyle e Polícia Federal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.