Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
19.10.17
ED. 5728

Setubal e Moreira Salles juntam suas pepitas na “Itaúpar”

Os clãs dos Setubal e dos Moreira Salles planejam trilhar o mesmo percurso feito pelo Bradesco há cerca de 20 anos. Pretendem montar uma empresa de participações com ativos parrudos, projeto que teria como ato seguinte a abertura do capital em bolsa. Quem viu o filme da Bradespar já conhece o enredo. O Bradesco comprou ações da Vale, CPFL e Net.

Aos poucos se desfez das duas últimas e manteve somente a mineradora em carteira. Os Setubal, por meio da Itaúsa, e os Moreira Salles, por intermédio da Cambuhy, já controlam a Alpargatas. Os dois clãs teriam interesse em ingressar no capital da Braskem. Se os Moreira Salles entrarem no monopólio dos Odebrecht, estariam fazendo um caminho em direção ao passado.

O patriarca, Walther Moreira Salles, foi um dos sócios da Petroquímica União. As duas famílias são detentoras também, separadamente, da Duratex e da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), esta última uma joia da coroa dos Moreira Salles. Procurada, a Cambuhy não quis se pronunciar. A Itaúsa negou o projeto. Está feito o registro. Não custa lembrar que o presidente da Itausa, Alfredo Setubal, já disse que a empresa atravessa um momento comprador. A dúvida é quais desses ativos seriam empacotados dentro da “Itaúpar”. Mas tudo indica que o interesse é firme.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Autopista da propina

O doleiro Adir Assad, um dos 158 delatores da Lava Jato até o momento, teria encaminhado ao MPF documentos para comprovar o pagamento de propina em obras do Rodoanel em São Paulo. São planilhas e extratos bancários de movimentações de contas no exterior. As acusações atingem a Odebrecht e o ex-diretor da estatal Dersa Paulo Vieira de Souza, o “Paulo Preto”. Mas atingem, sobretudo, o senador José Serra. Em sua delação, Assad afirmou que parte dos recursos desviados foram destinados a Serra, então governador de São Paulo. O senador já negou qualquer relação com o doleiro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Fantasmas do passado despertam na BR

A abertura dos guardados da BR Distribuidora vai revelar pequenas e grandes pilantragens. Uma delas chega a ser divertida. Uma companhia aérea, a Pop Airlines, procurou a BR para obter querosene de aviação. A empresa foi devidamente analisada e seu pleito autorizado. A BR, então, aprovou uma linha de financiamento de R$ 10 milhões no Bradesco para a Pop. Passado um tempo verificou-se que a empresa aérea não existia. E os recursos liberados haviam sido sacados, sabe-se lá por quem. O processo ainda se encontra em aberto na BR. E a Pop deve andar voando por aí.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Base aliada

O Carlyle dedica-se a costurar uma coalizão no varejo. Os partidos são a Tok&Stok, que tem os norte-americanos como acionistas, e a Etna, do empresário Nelson Kaufman. A aliança daria a origem à maior rede de móveis e decoração do país, com vendas acima de R$ 2 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Apollo alça voo

O fundo americano Apollo, que já tem negócios em educação no país, vai entrar firme na compra de escolas de idiomas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Passando a chave

A Queiroz Galvão planeja passar adiante a QGDI, seu braço de investimentos imobiliários.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Em meio ao amplo sistema circulatório de Aldemir Bendine, os procuradores de Curitiba têm se empenhado em percorrer as veias que levam a Marcio Lobão, presidente da Brasilcap e filho do senador Edison Lobão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa

Se é por estratégia comercial, excesso de rigor ou , pouco importa, o fato é que a decisão da Petrobras de não vender gás para a Âmbar, térmica da J&F Investimentos, está custando caro ao consumidor. Na semana passada, a Aneel, autorizou a entrada em operação da térmica de Araucária ao custo de R$ 636 o megawatt/hora (MWh) – a petroleira, por sinal, é sócia da usina, com 20%. Está longe de ser o pior dos casos.

O Custo Marginal de Operação (CMO) do sistema chegou a R$ 860,84 o MWh. Ou seja: todas as termelétricas que trabalhem até este preço podem ser ligadas. Enquanto isso, a térmica da Âmbar em Cuiabá, que tem um custo de produção bem inferior, de R$ 511, está parada por falta de gás desde que a Petrobras rompeu unilateralmente o contrato de fornecimento do insumo, em junho. Procurada, a estatal reafirmou a versão de que suspendeu o acordo por “violação de cláusula contratual que trata da legislação anticorrupção”.

Estima-se que a interrupção da usina custe cerca de R$ 60 milhões por semana ao Sistema Interligado Nacional. Ou 1% a menos nos reservatórios de água das hidrelétricas do Sudeste – o que não é pouca coisa. A conta já começa a parar onde sempre para. Na última terça-feira, quatro distribuidoras de energia anunciaram em bloco o reajuste de suas tarifas. Os maiores aumentos médios vieram da EDP São Paulo e CPFL Piratininga, respectivamente, de 24,3% e 17,2%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

O Google tem cada uma

O presidente Michel Temer é o “garoto propaganda” de José Yunes. Ao menos para os sempre afiados algoritmos do Google. Ao se pesquisar o nome do escritório de Yunes, o site de buscas exibe com destaque à direita da página, em forma de anúncio publicitário, a ficha da firma e uma foto do advogado ao lado de Temer à mesa de um restaurante. Curioso…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

O fadeout de “Lindinho”

A ala do PT fluminense que defendia a candidatura de Lindbergh Faria ao governo do Rio – à frente a ex-governadora Benedita da Silva – murchou de vez. No partido, a percepção é que até a reeleição de Lindbergh ao Senado corre sério risco. Há quem defenda que “Lindinho” troque o duvidoso pelo certo e parta para uma candidatura de segurança à Câmara dos Deputados. Mesmo porque foro privilegiado não é artigo para se jogar fora.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Rio dois mil e nunca mais

Carlos Arthur Nuzman está preso, e outras heranças malditas da Rio 2016 vão se acumulando. Recém-criada, a Autoridade de Governança do Legado Olímpico nasce como um arremedo de órgão público. Não tem escopo de trabalho definido, orçamento assegurado e muito menos garantia de apoio financeiro do governo para a gestão das instalações do parque olímpico. Não se sabe sequer se existe.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Dança das cadeiras

Tem deputado forte da bancada ruralista querendo a cadeira do presidente da Embrapa, Mauricio Lopes. Como o Planalto não anda negando pedido de aliado…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Self service

O apoio da bancada paulista para impedir a abertura de processo contra o presidente Michel Temer vai custar toneladas e toneladas de asfalto. Temer comprometeu-se com Geraldo Alckmin a liberar os recursos para a construção do trecho norte do Rodoanel. Dos R$ 620 milhões previstos, por ora o governo federal soltou apenas R$ 87 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.10.17
ED. 5728

Ponto final

Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: BR, Carlyle, Etna e Apollo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.