Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
05.10.17
ED. 5719

BR Insurance luta para evitar o próprio sinistro

A BR Insurance nasceu com a pretensão de ser uma das maiores distribuidoras de seguros do Brasil. Hoje, tenta garantir uma apólice de vida para si própria. Os principais acionistas, à frente Edgar Safdié, filho do banqueiro Edmond Safdié, estariam à procura de um comprador para a companhia – criada em 2010 a partir da fusão de quase três dezenas de corretoras de seguros. Segundo o RR apurou, Pátria Investimentos e o norte-americano Carlyle chegaram a manter interlocução com os acionistas da empresa. No entanto, as conversas não avançaram. E como haveriam de avançar em meio à atual situação da companhia?

A BR Insurance chacoalha entre disputas societárias e as graves denúncias que pesam contra Safdié. No final de agosto, minoritários da BR Insurance, entre os quais fundos de pensão canadenses e uma gestora britânica, registraram uma denúncia judicial contra os acionistas controladores, acusando-os de gestão fraudulenta e estelionato. Não vão parar no primeiro tiro. De acordo com a fonte do RR, pretendem pedir à Justiça e à CVM o afastamento dos administradores indicados por Safdié e seu sócio Marcelo Faria de Lima – ambos detêm 35% da BR Insurance. Para isso contam com o apoio de uma parcela dos corretores que participam do capital, com 26%. Procurada pelo RR, a empresa não se pronunciou.

As acusações contra Edgar Safdié se cruzam com o escândalo que abalou o governo Temer. A Polícia Federal investiga a suposta participação do empresário no esquema de propina envolvendo a JBS e o deputado Rodrigo Rocha Loures. Seria ele o personagem citado no questionário de 82 perguntas enviado pela PF ao presidente Michel Temer em junho, – “Vossa Excelência tem alguém chamado ‘Edgard’ no universo de pessoas com quem se relaciona com certa proximidade?”

Edgar Safdié nega ser o “Edgard” a quem Rocha Loures se referia, nos grampos da JBS, como “homem de confiança do presidente”. O que o filho de Edmond Safdié não pode negar é a crise que ameaça o futuro da BR Insurance. A empresa, que captou R$ 645 milhões em seu IPO, em 2010, desandou. Nos últimos dois anos, teve um prejuízo acumulado de mais de R$ 200 milhões. A receita caiu 30% em 2016. A ação da BR Insurance chegou a valer R$ 477; hoje, não passa dos R$ 16. Fosse em outros tempos, Edgar daria uma passadinha na sala do general Golbery do Couto e Silva, diretor do Banco Cidade de São Paulo, do seu “papi”. Se Golbery não quisesse dar uma mão, andaria um pouquinho mais até a sala do Brigadeiro Delio Jardim de Matos, também diretor. E assim por diante. Época boa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

Primeira página

Sérgio Moro e Deltan Dallagnol têm um encontro público marcado no dia 24. Vão participar de evento no jornal Estado de S. Paulo sobre a Operação Mani Pulite, fonte de inspiração da força tarefa da Lava Jato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

Ecos do passado

Recomenda-se não convidar Ilan Goldfajn e Armínio Fraga para almoçarem juntos. Melhor um café. Ou – quem sabe? – um lanchinho. Tudo rápido, bem protocolar. São os ecos do passado…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

O círio do capitão

Grupos de direita se organizam nas redes sociais para acompanhar Jair Bolsonaro em suas viagens pelo Brasil. Um teste da capacidade de mobilização dos “Bolsomaníacos” está previsto para hoje, em Belém, onde o pré-candidato desembarca para participar do Círio de Nazaré.

_____________________________________________________________________________

Em tempo: nas mídias sociais, os seguidores se dão ao cuidado de pedir que os paraenses não usem cartazes com dizeres na linha “Bolsonaro presidente” para evitar problemas com a Justiça Eleitoral. Coisa de profissional.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

Coelho Filho sai na frente

A mudança do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, do PSB para o PMDB abriu uma ferida no maior núcleo regional do governo Temer na Esplanada dos Ministérios: a chamada “República de Pernambuco”. Coelho Filho assumiu uma posição privilegiada para ser o nome do PMDB na disputa pelo governo pernambucano, o que fecharia as portas para um eventual apoio do partido a um dos três outros ministros candidatáveis: Mendonça Filho (DEM), da Educação, Bruno Araújo (PSDB), das Cidades, e Raul Jungmann (PPS), da Defesa. Uma coisa é ter o apoio explícito do próprio Michel Temer, o presidente dos 3% de popularidade – o que ninguém faz questão; a outra é perder a chance de ter ao lado uma máquina como o PMDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

“Turma do guardanapo” ronda Aécio Neves

Há uma nova flecha apontada contra Aécio Neves. Segundo informações filtradas do Ministério Público, a Operação Calicute se debruça sobre as relações do senador com Georges Sadala. Conhecido por integrar a “Turma do Guardanapo” – referência ao grupo de empresários amigos do peito de Sérgio Cabral –, Sadala também esticou
seus tentáculos Minas Gerais. Uma de suas companhias, a Gelpar, fez parte do consórcio Minas Cidadão – responsável por implementar as Unidades de Atendimento Integrado (UAIs). A licitação ocorreu em junho de 2010, dois meses após Aécio ter deixado o cargo de governador. Os procuradores investigam se essa data é o atestado de que nada de errado ocorreu ou uma conveniente “coincidência”. Consta que o contrato para a instalação das UAIs girou em torno de R$ 300 milhões. Segundo a fonte do RR, o MPF investiga a denúncia de que parte dos recursos teria sido desviada como caixa 2 para a campanha de aliados de Aécio. O RR fez várias tentativas de contatos com empresas de Sadala, mas não obteve retorno até o fechamento da edição.

__________________________________________________________________________

A assessoria do senador Aécio Neves ressaltou que a licitação das UAIs “não ocorreu na administração do então governador”. Informou ainda que o “contrato teve aval do Banco Mundial e incluiu cláusula de verificação por auditoria externa, tendo ainda o edital da licitação sido submetido ao Ministério Público.” Registrou que os serviços prestados pelo consórcio Minas Cidadão “representaram uma economia de 30% sobre os custos da execução direta pelo estado”. Por fim, a assessoria de Aécio Neves afirmou que nenhuma das empresas do consórcio vencedor fez doação para o PSDB ou seus candidatos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

Despedida na Magnesita

A GP está se desfazendo do que restou da sua participação na Magnesita, após a venda da empresa para a austríaca RHI.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

E-commerce Luiza

Com o caixa aditivado pela recente oferta de R$ 1,5 bilhão em ações, o Magazine Luiza pretende fazer miséria no e-commerce, com a compra de empresas e plataformas digitais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

Ziguezague

A espanhola Acciona entrou na disputa por uma participação na concessionária que administra a BR-050, entre Minas e Goiás. A operação pertence à MGO Rodovias, que reúne quase uma dezena de empreiteiras de médio porte. Procurada, a Acciona disse “não confirmar a informação”, embora “esteja avaliando o mercado”. A MGO não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.17
ED. 5719

Ponto final

Os seguintes citados não retornaram ou não comentaram o assunto: Pátria, Carlyle, Galvão Engenharia, GP e Ministério Público.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.