Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
27.09.17
ED. 5713

Sebrae-RJ é um teste da força a distância de Sérgio Cabral

Quantas vidas tem Cesar Vasquez, diretor-superintendente do Sebrae-RJ e cunhado do ex-governador Sérgio Cabral? Sua reconhecida capacidade de resiliência no cargo será colocada à prova mais uma vez no dia de hoje. Em reunião extraordinária marcada para às 9h30, o Conselho Deliberativo vai julgar o pedido de destituição de Vasquez. O executivo é acusado de ter cometido sucessivas irregularidades no comando do Sebrae-RJ, onde tem o condão de administrar um orçamento de R$ 225 milhões.

Na reunião, será votado também o afastamento do diretor de Produto e Atendimento, Armando Augusto Clemente, e do diretor de Desenvolvimento, Evandro Peçanha Alves. De acordo com os estatutos do Sebrae -RJ, é necessária a concordância de 11 dos 15 conselheiros para a destituição de membros da diretoria. O resultado é uma incógnita até mesmo para os versados nos assuntos da entidade. Vasquez tem uma enorme confiança no poder de fogo do seu protetor. Não é a primeira vez que o Conselho vota sua destituição. Na última vez, o ex-governador, mesmo encarcerado, mostrou sua força. Terá sido a última?

Conforme antecipou o RR na edição de 26 de abril deste ano, auditoria realizada pela Deloitte apontou uma série de irregularidades na gestão de Cezar Vasquez. Segundo o relatório produzido pela consultora, as movimentações suspeitas teriam somado cerca de R$ 10 milhões, a maior parcela referente à contratação de empresas terceirizadas e patrocínios a eventos. Em abril, o Conselho Deliberativo chegou a solicitar o cancelamento de um dos acordos suspeitos, com a empresa de TI ProBid.

Mesmo com alguns ferimentos, Vasquez bambeou e, mais uma vez, não caiu. A diretoria executiva rejeitou o pedido, alegando riscos jurídicos à entidade. Há denúncias ainda de que a ProBid teria contratado uma empresa com participação acionária de filhos do diretor do Sebrae-RJ Armando Clemente. Em carta enviada à presidente do Conselho Deliberativo, Carla Pinheiro, a entidade negou a acusação.

Procurado pelo RR, o Sebrae-RJ não quis se pronunciar. Outra acusação envolve o próprio filho de Cesar Vasquez, Francisco Cabral Vasquez. Segundo a fonte do RR, Francisco participou de dois eventos no exterior ligados ao Projeto de Empreendedorismo Musical Estrombo, criado pelo Sebrae-RJ. Em ambos os casos, teria viajado às custas da entidade na condição de pessoa física. O estatuto só permite o apoio a viagens de empreendedores vinculados a pessoas jurídicas. Será um projétil com calibre suficiente para atravessar o colete que mantém Vasquez no cargo há sete anos?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Brasileiros e brasileiras…

Michel Temer pretende fazer uma conferência à nação para anunciar uma série de resultados positivos do seu governo. A ideia é uma apresentação no Congresso, com transmissão em rede nacional. O nome cogitado para a efeméride é “O Brasil progrediu”. Tudo com base em números e mais números favoráveis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Plano emergencial

Na esteira da grave crise na segurança, o governador do Rio discute com o ministro da Educação um plano emergencial para a construção e reforma de escolas em áreas carentes. Alguém se lembra do nome dos dois?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Outras engenharias

A delação do ex-vice-presidente da Caixa Econômica Fabio Cleto afunda ainda mais a Carioca Engenharia na Lava Jato. Segundo Cleto, a companhia teria funcionado como uma espécie de hub das propinas pagas por construtoras e concessionárias públicas do Rio a Eduardo Cunha. Recolhia o pedágio, que depois seguia direto para contas de Cunha na Suíça.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Na Norte-Sul, Steinbruch tem um culpado

A família Steinbruch deverá colocar mais pólvora no contencioso com a Triunfo Participações. Segundo o RR apurou, o Banco Fibra, controlado pelo clã, pretende entrar na Justiça com um pedido de indenização milionária contra o grupo, seu sócio na Tiisa Infraestrutura e Investimentos, por sua vez responsável pela construção de um trecho da ferrovia Norte-Sul. Acionista minoritário do consórcio, com 12,5%, o banco cobra da Triunfo o ressarcimento pelos prejuízos causados pela interrupção das obras e pelo bloqueio de R$ 56 milhões nas contas da Tiisa, a pedido do Ministério Público Federal (MPF) e do Tribunal de Contas da União (TCU). Ambos investigam denúncias de superfaturamento no projeto. A contenda entre os Steinbruch e a Triunfo estourou no início do ano, com a paralisação das obras. O Banco Fibra já solicitou a contratação de uma auditoria externa para passar um pente fino na contabilidade do consórcio e apurar as denúncias de corrupção. O escândalo envolve também ex-dirigentes da Valec, a começar pelo notório ex-presidente da estatal José Francisco das Neves, o Juquinha, já condenado a 10 anos de prisão. Para todos os efeitos, a contratação de empresas terceirizadas, assim como a relação com a Valec, estava na alçada da Triunfo Participações. Em tempo: quem dera Benjamin Steinbruch tivesse uma Triunfo para acusar dos malfeitos na construção da Transnordestina, a cargo da CSN.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Os diamantes e as delações são eternas

A situação de Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo – condenados, respectivamente, a 45 anos e 18 anos de prisão – vai piorar mais alguns quilates. Segundo o RR apurou, a joalheria Antonio Bernardo está prestes a fechar um acordo de leniência com o Ministério Público Federal. O pacote inclui ampla documentação sobre as vendas fechadas para o casal Cabral, ao valor total de R$ 3,8 milhões. Consultada, a empresa informou que “sempre colaborou com a Justiça e atendeu a todas as obrigações a ela imputadas.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Prêmio de consolação para a Eztec

A venda da Torre B da EZ Towers, em São Paulo, teve um gosto meio amargo para Ernesto Zarzur, dono da incorporadora Eztec. Zarzur começou pedindo cerca de R$ 750 milhões pelo empreendimento de 26 andares encravado na cobiçada região da Berrini. Cerca de um ano depois, foi convencido por sócios e conselheiros – e, sobretudo, pela falta de comprador – a baixar o sarrafo e aceitar a oferta de R$ 650 milhões da Brookfield.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Parece até quebranto

A Casa da Moeda vai dar um “presentão” aos defensores da sua privatização. Segundo o RR apurou, projeções internas indicam um déficit operacional na casa dos R$ 20 milhões em 2017. Seria o primeiro prejuízo em 16 anos. Consultada, a Casa da Moeda diz que “ainda não é possível afirmar se haverá déficit ou não”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Silas Malafaia – 2018

O pastor Silas Malafaia foi sondado pelo PSC para concorrer à Presidência. Seria um nome à altura de Jair Bolsonaro, que acaba de deixar a sigla.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Rearrumação

O presidente da Tok & Stok, Luiz Fazzio, entregou aos acionistas da rede varejista um novo plano de negócios. Segundo o RR apurou, seus pilares são e-commerce, e-commerce e e-commerce, com o indefectível fechamento de lojas físicas. Na empresa, a grande pergunta é o day after: os atuais acionistas, a família Dubrule e o Carlyle, vão ou ficam?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.09.17
ED. 5713

Ponto final

As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Carioca, Banco Fibra, Triunfo e Tok & Stok.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.