Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
17.04.17
ED. 5600

Rumo Logística vende bilhetes para o seu capital

O empresário Rubens Ometto vai buscar parceiros para viabilizar o plano de investimentos da Rumo Logística, que prevê o desembolso de R$ 8 bilhões até 2020. A ideia original de trazer um sócio exclusivamente para a Malha Sul, uma das concessões do grupo, começa a dar lugar a um projeto mais amplo, que passa pela capitalização da própria holding. Ometto trabalha com duas possibilidades: uma oferta de ações em bolsa ou a venda direta de uma participação para um investidor.

Se uma operação restrita à Malha Sul tem potencial para a captação de aproximadamente R$ 2 bilhões, conforme estimativas do grupo, a negociação de parte do capital da Rumo poderia elevar essa cifra para algo próximo de R$ 5 bilhões. Seja qual for o trajeto escolhido, toda a operação está ancorada na renovação antecipada das concessões da Rumo Logística. Após diversos ziguezagues nas negociações com o governo, ou melhor os governos de Dilma Rousseff e Michel Temer, a expectativa da companhia é que a prorrogação da licença da Malha Paulista saia até junho, quando o TCU dará o parecer final após o pronunciamento da ANTT.

Segundo fonte do próprio Tribunal de Contas, a extensão será aprovada, assim como um acordo para o pagamento de valores atrasados referentes à concessão. A cifra da ordem de R$ 1 bilhão é alvo de uma disputa jurídica entre a empresa e União. Na teia de trilhos que compõe sua rede, a Rumo vai se dedicar ainda à renovação antecipada da concessão da Malha Sul, herdada com a incorporação da América Latina Logística, em 2015. O atual contrato vence em 2027, mas, a exemplo da Malha Paulista, pode ser estendido até 2057, conforme o edital original de privatização da rede ferroviária federal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

É tempo de “harmonia” na BR Malls

A Dynamo, que tomou as rédeas da BR Malls, não perdeu a oportunidade de dar uma estocada no executivo Carlos Medeiros, ex-todo-poderoso da empresa. Em relatório encaminhado a investidores na última terça-feira, afirmou que o Conselho de Administração da gestora de shoppings tem agora uma “composição mais harmônica e está preparado para pensar estrategicamente o futuro da BR Malls.” Na empresa, ninguém tem dúvidas quanto ao alvo da indireta mais do que direta. Medeiros saiu recentemente do board por pressão da Dynamo e de sua aliada, a Squadra Investimentos. Em maio, deixará a presidência da BR Malls, cargo que ocupa há mais de dez anos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Os inimigos de German

German Efromovich terá de enfrentar dois duros adversários para levar adiante a fusão entre a Avianca Holdings e a Avianca do Brasil. O fundo abutre Elliot, credor da companhia colombiana, e o investidor salvadorenho Roberto Kriete, sócio e desafeto de Efromovich, se mobilizam para barrar a operação. Um quer receber seus créditos primeiro; o outro luta para não ser diluído na fusão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Prestígio em SP

José Yunes, o amigo de Michel Temer, tem usado de seu prestígio para ajudar um banco médio sediado em São Paulo a encontrar um sócio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Caixa cheio

Vem dinheiro novo por aí. O novo fundo que o Carlyle está montando para a América Latina já teria captado mais de US$ 500 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Avibras busca munição no BNDES

Ao menos um setor da economia não tem mais motivos para atirar contra o BNDES e sua contida política de crédito. Que o diga a Avibras, que saiu na frente e já mantém gestões com o banco para ter acesso à linha de crédito recém criada pela instituição com o objetivo de financiar exportações da indústria de defesa. A companhia tem novos pedidos engatilhados para o fornecimento dos lançadores de foguetes Astro II e Astros 20, notadamente para países da Europa e do Oriente Médio.

O valor potencial dos contratos gira em torno dos US$ 200 milhões – cada equipamento custa, em média, de US$ 8 milhões a US$ 10 milhões. O BNDES é peça-chave da estratégia do governo para aumentar a inserção da indústria bélica brasileira no mercado global, que inclui um esforço integrado das representações diplomáticas. A Avibras é muito bem cotada no exterior, sobretudo na produção de munição de fragmentação, que tem alto poder destrutivo.

O Brasil não assinou a Convenção sobre Munições Cluster (CMM), de 2008 – mais de cem países baniram a fabricação deste tipo de projétil. Não por acaso, a Avibras está sempre na linha de tiro de organizações antiarmamentistas. Recentemente a Anistia Internacional anunciou ter encontrado munição de fragmentação da empresa brasileira em ataques do Exército da Arábia Saudita contra o Iêmen.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

O apartidário MBL monta sua chapa

O Movimento Brasil Livre (MBL) que se diz, ou se dizia, apartidário e sem fins eleitorais começa a colocar suas cartas na mesa para 2018. Já existem articulações para um apoio à virtual candidatura de Flavio Rocha, herdeiro da Lojas Riachuelo, ao governo de São Paulo. Além disso, o MBL tem a meta de fazer uma bancada de dez a 20 parlamentares.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Um esqueleto na paisagem carioca

Nos cálculos do Mubadala, que herdou o “prédio-fantasma” de Eike Batista, o Hotel Glória precisa, por baixo, de uns R$ 100 milhões para ressuscitar. Dinheiro não falta ao fundo. O problema são as gélidas taxas de ocupação da rede hoteleira no Rio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Vidas secas

A arrastada negociação entre a Sabesp e a Prefeitura de Guarulhos em torno de uma dívida de R$ 3 bilhões avançou alguns metros na semana passada. Ambas assinaram um protocolo de intenções para a elaboração de um plano de equacionamento do passivo. Há dois anos, a Sabesp presta serviços à Prefeitura sem ver a cor do dinheiro. Procurada, a empresa confirmou o acordo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Sobrevoando

O grupo espanhol Aena está sobrevoando o aeroporto de Viracopos, controlado pelo Triunfo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.04.17
ED. 5600

Fato raro na Usiminas

Entre um round e outro da disputa entre Techint e Nippon Steel, uma boa notícia para a Usiminas. Segundo projeções da companhia, o Ebitda do primeiro trimestre poderá bater nos R$ 350 milhões, contra R$ 50 milhões em março de 2016. Obra e graça do aumento dos preços do aço.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.