Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
27.01.17
ED. 5548

Sócios da JHSF querem distância do “Risco Auriemo”

Há uma intentona em curso na JHSF, uma das maiores administradoras de shopping centers do país. Sócios da companhia exigem que José Auriemo Neto se afaste imediatamente da presidência do Conselho de Administração, ao menos até que todas as investigações das quais é alvo sejam concluídas. A pressão vem dos mais diversos lados: desde o BTG, acionista minoritário da companhia e hoje, depois de tudo que passou, paranoico com sua imagem corporativa, à israelense Gazit-Globe, uma das maiores gestoras de shoppings do mundo e sócia da JHSF no Cidade Jardim.

Passa também por gestoras que se uniram a Auriemo em fundos de participações criados para empreendimentos específicos, caso da Rio Bravo, vendida recentemente por Gustavo Franco à chinesa Fosun. Segundo o RR apurou, a Gazit-Globe já teria cogitado até se desfazer da sua participação de 33% no Cidade Jardim. Procurada, a companhia israelense nega a venda. O fato é que o grupo responde a rígidas normas de compliance nos 20 países em que atua, incluindo os Estados Unidos.

É a ditadura do “diga-me com quem andas que eu te direi quem és”. Os sócios do empresário compartilham o receio de serem atingidos pelos recorrentes escândalos judiciais que cercam Auriemo. O castigo pode vir tanto pela esfera criminal quanto pelo bolso, devido ao potencial impacto destrutivo das acusações sobre os negócios e o próprio valor de mercado da JHSF.

É sintomático que José Auriemo tenha fechado um acordo de delação no âmbito da Operação Acrônimo e assumido as doações ilegais para campanha política, uma nítida estratégia jurídica para preservar suas empresas. A manobra, no entanto, não apaga a sequência de escândalos que cercam o empresário e a JHSF. As acusações respingam até no ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

Em 2010, logo após deixar o cargo de Secretário Municipal de Transportes, Moraes advogou para a JHSF em um processo contra a própria Prefeitura de São Paulo. Ao que consta, rodopiou na porta giratória entre a gestão pública e a iniciativa privada sem cumprir quarentena. À época, a JHSF enfrentava dificuldades na obtenção do alvará para a construção do Shopping Metrô Tucuruvi. O projeto saiu do papel, a companhia até já vendeu o shopping, em 2013, mas as suspeitas persistem. No ano passado, investigadores da Acrônimo encontrou pagamentos de R$ 4 milhões feitos, entre 2010 e 2014, pela JHSF ao escritório de Moraes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Ajustes deixam Vale na medida certa

A gestão do presidente da Vale, Murilo Ferreira, merece no mínimo uma nota oito. A medição do RR é fortemente influenciada pelo êxito no corte geral de despesas. Para dar uma ideia do fio da tesoura, em uma das áreas mais complicadas para compressão dos custos, o Centro Corporativo da companhia, Ferreira conseguiu uma redução de 80% em relação ao dólar/tonelada. O resultado está precificado na valoração da Vale, que saiu de US$ 16 bilhões, em 2015, para US$ 40 bilhões, neste ano. Mas a boa-nova, boa-novíssima, é que Ferreira já sinalizou que as demissões acabaram. Parece outra companhia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

A longa espera pelo Cade

O presidente da BM&F Bovespa, Edemir Pinto, está perdendo as esperanças de que o Cade julgue a fusão da Bolsa com a Cetip no prazo estipulado de 240 dias, ou seja, até a última semana de fevereiro. O receio é que o órgão antitruste use a prerrogativa de estender o processo de análise da operação por mais 90 dias. Caso se confirme, a medida praticamente aniquilaria todo o planejamento feito pela BM&F para concluir ainda neste ano o complexo processo de integração dos sistemas operacionais das duas empresas. Isso tudo, claro, se a fusão for aprovada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Legislação trabalhista ainda é um voo às cegas

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos ainda não chegou a uma conclusão se o saldo do Programa de Proteção ao Emprego (PPE) é negativo ou positivo para o trabalhador. O Dieese vem discutindo com as centrais e sindicatos as mudanças que virarão de ponta cabeça a legislação do trabalho, e todos também estão bastante divididos. A questão central é se a flexibilização das leis trabalhistas terão efeito positivo sobre o emprego ou prejudicarão a absorção de trabalhadores e implicarão queda do salário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

“Seu Brandão”

Um dos mais esperados depoimentos biográficos, o do presidente do Conselho do Bradesco, Lázaro Brandão, vem aí sob a forma de livro. O título é “Senda de um executivo brasileiro”. O depoimento foi dado aos pesquisadores Celso Castro e Sérgio França, do CPDOC, o Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação Getúlio Vargas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Fim de mandato

A trajetória profissional de Danielle Dytz Cunha, filha de Eduardo Cunha, sofreu um duro baque. Antes concorridíssima, a publicitária encerrou suas atividades de assessoria e consultoria a parlamentares.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Fome de mudança

Chega de intermediários: o Advent entregou a um de seus diretores, Newton Maia Salomão, o comando da IMC, que reúne seus ativos na área de fast food. Há muito que os norte-americanos andam insatisfeitos com o resultado da operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Aluga-se

Mais um sinal da crise no mercado imobiliário: um quarto dos imóveis da carteira do CSHG II, fundo de real estate do Credit Suisse no Brasil, está vago.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

A queridinha do UBS

É bem verdade que a ação do Magazine Luiza subiu mais de 500% em 2016. Mas, nos últimos dias, o UBS viu algo na empresa que o resto do mercado ainda não conseguiu enxergar. Só isso explica os seguidos lotes de ações que os suíços vêm comprando desde a semana passada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Lava Jato em plenário

O site jurídico Jota avançou em relação às hipóteses publicadas ontem pelo RR, levantando a possibilidade de que não apenas o sorteio do novo relator, mas todos os julgamentos da Lava Jato sejam levados a plenário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Decantação

A Petros prepara uma dança das cadeiras no board das empresas de que participa, com a indicação de conselheiros profissionais. Está faltando a Previ.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Recordar é viver

Em 23 de novembro, o RR noticiou que a ajuda do governo federal ao Rio Grande do Sul estava condicionada à venda do Banrisul. Dito e feito.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Ponto final

Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: JHSF, Petros e UBS.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.