Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
28.12.16
ED. 5526

Austríaca RHI entra no radar da Lava Jato

A Lava Jato está triscando na austríaca RHI, que acaba de se unir à Magnesita para criar a maior fabricante de refratários do mundo. O Ministério Público do Rio, que colabora com a força tarefa de Curitiba nas investigações relacionadas a Sérgio Cabral, apura as circunstâncias dos benefícios tributários concedidos pelo governo do Rio à RHI Refratários Brasil Ltda. Segundo investigações preliminares, a empresa teria recebido 11 isenções fiscais desde agosto, quando a situação nas contas públicas do estado já era calamitosa.

Ressalte-se que o grupo austríaco não tem qualquer site de produção no Rio. Seu próprio centro de decisões no país está sediado em Belo Horizonte. Procurado pelo RR, o governo do Rio disse que não poderia revelar a “quantidade de incentivos” concedidos à RHI “em razão do sigilo fiscal”. A Secretaria de Fazenda informou que a RHI Refratários Brasil “encontra-se enquadrada no Tratamento Tributário Especial (TTE), criado para empresas tipicamente importadoras que utilizam os portos fluminenses”. A RHI, por sua vez, confirmou que possui “Regime Especial de diferimento parcial de ICMS na importação de produtos pelo Estado do Rio.”

Esse Regime Especial, segundo a companhia, “foi diferido em 29 de Julho de 2016 com base na Resolução SEFAZ no 726 de 19 de fevereiro de 2014”. A empresa negou, no entanto, que tenha recebido isenções fiscais do governo fluminense. A RHI disse ainda não ter conhecimento de qualquer investigação sobre seus negócios no Brasil no âmbito da Lava Jato. O fio da meada que o Ministério Público está desenrolando leva a 2011, quando as relações entre a RHI e autoridades do Rio se intensificaram.

Nesse ano, durante o governo de Sérgio Cabral, a empresa anunciou um investimento de 85 milhões de euros na construção de uma fábrica em Queimados, na Baixada Fluminense. A companhia chegou a comprar o terreno, por sinal outro trecho nebuloso na biografia dos austríacos no país. Conforme o RR publicou na edição de 14 de setembro de 2011, a RHI pagou à época R$ 11,7 milhões pela propriedade que, cinco dias antes, segundo registros em cartórios locais, havia sido negociada por apenas R$ 2,5 milhões. O empreendimento foi continuamente adiado.

Em 2012, segundo informação confirmada pela própria companhia ao RR, a RHI suspendeu a instalação da fábrica. Os procuradores têm motivos para acreditar que nem em um século o projeto sairia do papel. A percepção é que a fábrica da RHI nunca passou de um holograma.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

A mais prioritária das obras da Odebrecht

Escutem o que diz a pitonisa: a Odebrecht vai renascer. A empresa tem tradição de reverter grandes escândalos, a exemplo dos casos PC-Collor e Anões do Orçamento. Não há episódio que sirva de paralelo à Lava Jato, é verdade. Mas nada foi feito em nenhuma empresa brasileira comparável ao plano de mobilização e motivação do corpo de colaboradores, à grandiosidade da operação de comunicação e à mega estrutura de compliance que será tocada por Sérgio Foguel.

Foguel está na Odebrecht há 25 anos, sempre lidando com a área de desenvolvimento humano e organizacional. Trata-se de um quadro altamente ideológico – um dos criadores do Instituto Millenium -, com excelente formação acadêmica. Foi resguardado em uma estufa na companhia e escolhido a dedo por Emilio Odebrecht para comandar a teia de controles que está sendo implantada na companhia.

A sobrevivência da Odebrecht não suporta ações fora do superlativo. De uma certa forma, foi assim nos outros escândalos e situações-limite. Agora o multiplicador é maior. Mas, como dizem os orientais, em toda a adversidade existe uma oportunidade. Na cauda do turbilhão de horrores que se abateu sobre a empresa, há um lado positivo, submerso, que não dá manchetes nas mídias.

A companhia baiana tem feito um ajuste severo, com corte de gastos, melhoria de processos e reestruturação do perfil da dívida. Uma das etapas da estratégia de recuperação da imagem é divulgar os passos do seu calvário de autocrítica e as medidas amplas e rigorosas de compliance. A cada ajoelhada no milho, uma entrevista, release, nota ou comunicado mostrando arrependimento e a disposição de seguir as melhores práticas de conformidade.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

BRF no mundo 1

A BRF pretende anunciar nos primeiros dias de 2017 a entrada de um novo investidor no capital da Sadia Halal, seu braço no Oriente Médio. O valor da operação poderá passar dos US$ 400 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

BRF no mundo 2

A propósito: a BRF vai replicar o modelo “subsidiária e sócio local” na China. Ressalte-se que a companhia já tem uma ligação com a Cofco, gigante do agronegócio. Recentemente, comprou uma participação minoritária na Cofco Meat, operação de suínos do grupo chinês.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

Dosimetria

Após tirar Mauro Borges da presidência da Cemig, o governador Fernando Pimentel foi aconselhado por seus assessores a pisar no freio e suspender as mudanças que faria na Gasmig. Afastar o presidente da estatal, Eduardo Andrade, significaria romper de vez com o vice-governador e desafeto político Antonio Andrade (PMDB), pai do executivo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

Brookfield e Abertis em estradas opostas

A Brookfield fez uma nova proposta à espanhola Abertis para deixar o capital da Arteris, dona de nove concessões rodoviárias no país. O modelo passa pelo spin off da companhia: cada sócio seguiria seu caminho com parte dos ativos. Não é de hoje que Brookfield e Abertis se desentendem sobre o plano de expansão da Arteris. Com o tanque cheio de dólares, o grupo canadense defende que a concessionária parta para novas aquisições. Mas encontra pela frente uma cancela chamada Abertis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

Pilatos

O governador Geraldo Alckmin, responsável pela indicação de Alexandre de Moraes para a Pasta da Justiça, não está disposto a interferir para mantê-lo no cargo caso ele entre no liquidificador da reforma ministerial. Alckmin acha que já se desgastou demais com o afilhado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

Réveillon em Bangu

Os advogados de Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo vão tentar até o último instante um habeas corpus para que o casal passe o réveillon em casa. Apenas por dever de ofício. É pouco provável que um juiz de plantão tome uma decisão contrária à dos titulares do TRF da 2a Região, que já negaram outros dois pedidos de soltura.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

Ponto final

Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: BRF e Arteris.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.