Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
22.11.16
ED. 5500

BRF e Minerva são um prato só no cardápio de Abilio Diniz

Abilio Diniz está debruçado sobre mais uma grande operação de M&A: a fusão entre a BRF e a Minerva Foods. A ligação societária já existente entre as duas companhias é um combustível para os planos de Diniz. A BRF detém uma participação relevante na concorrente: 12% do capital votante. O empresário conta ainda com outro importante trunfo: o apoio do Saudi Agriculture and Livestock Investment (Salic), gestora de recursos da família real saudita que administra mais de US$ 180 bilhões em ativos. Em dezembro do ano passado, o Salic desembolsou cerca de R$ 740 milhões para ficar com 19,95% das ações ordinárias da Minerva. Ou seja: juntos, Diniz e o fundo árabe somam quase 32% das ONs, mais do que qualquer outro investidor isoladamente. Significa dizer que a família Vilela de Queiroz, fundadora da empresa e maior acionista individual por meio da holding VDQ, está imprensada entre o rochedo e o mar. Procuradas, BRF e Minerva não quiseram se manifestar.

 A fusão entre BRF e Minerva Foods daria origem a uma companhia integrada da cadeia de proteínas, com presença na produção de carne bovina, suína e no setor de laticínios. Tomandose como base os resultados do ano passado, a nova empresa nasceria com um faturamento superior a R$ 40 bilhões, um Ebitda combinado da ordem de R$ 6,7 bilhões e fábricas em mais de duas dezenas de países. Os dois grupos carregam ainda uma dívida líquida somada de aproximadamente R$ 15 bilhões – R$ 11,5 bilhões referentes à BRF. Curiosamente, ainda que a empresa de Abílio Diniz tenha um nível de alavancagem mais confortável, é a Minerva que apresenta uma curva de endividamento descendente. Nos últimos 12 meses, sua relação dívida líquida/Ebitda caiu de preocupantes 4,8 vezes para 3,2. No caso da BRF, tal proporção subiu de 1,4 para 2,3 no mesmo intervalo, por conta das seguidas aquisições feitas pela companhia no período.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.16
ED. 5500

Uma tradução diferente do governo Trump

 Nem tudo que vem de Mario Garnero merece crédito. Mas se há um assunto que ele domina com autoridade é geopolítica, especialmente a norte-americana. O empresário brasileiro com mais acesso a ex-presidentes dos Estados Unidos joga água fria nas previsões catastróficas que pululam no mercado a reboque da eleição de Donald Trump. Para Garnero, o candidato das promessas polêmicas dará lugar a um presidente pragmático, um caçador de resultados. Diferentemente do que muitos pregam, o empresário não espera mudanças substanciais nas relações econômicas com os Estados Unidos. Ele acredita que a manutenção e até mesmo a expansão dos acordos comerciais entre os dois países dependerá mais da solução da grave crise econômica brasileira do que de questões exógenas.

 Mario Garnero tem especial habilidade em psicografar governos republicanos. Coincidência ou não, seus principais relacionamentos políticos e empresariais na América se aninham no partido, um naipe que vai de George Schultz, ex-secretário de Estado e do Tesouro, a Ronald Reagan e, sobretudo, o clã dos Bush – houve um tempo em que George Bush era figurinha carimbada dos convescotes empresariais que a Brasilinvest, de Garnero, costuma organizar mundo afora. Acredite quem quiser: foi ele que fez a aproximação do governo Lula com George W. Bush a pedido de José Dirceu. Garnero também tocava de ouvido com o vice-presidente Dick Cheney. Não se pode, portanto, desprezar seu feeling em relação à política externa do novo governo norte-americano. Garnero aposta suas fichas que Trump não adotará medidas excessivamente protecionistas capazes de causar estrago no tabuleiro do comércio internacional. Em outras palavras: candidato é candidato e presidente é presidente. Até parece que fala em nome do departamento de estado norte-americano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.16
ED. 5500

Queiroz Galvão

 As negociações com a força-tarefa da Lava Jato para a delação de Ildefonso Colares e Othon Zanoide de Moraes Filho, ex-Queiroz Galvão, envolveriam principalmente a usina de Belo Monte. Os dois carregam um baú de boas histórias sobre o projeto. Procurada, a Queiroz Galvão afirma “desconhecer qualquer acordo de delação.”

•••

 Recordar é viver: em suas famosas gravações, o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado já alertava sobre a catástrofe que a Queiroz Galvão poderia provocar no PMDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.16
ED. 5500

Cavalo de pau

Honda e Yamaha travam um duelo às avessas. Entre janeiro e outubro, ambas amargaram uma queda próxima dos 28% na venda de motocicletas em relação a igual período em 2015. A disputa seguirá no photochart até dezembro, quando esse índice deverá superar os 30%. Procurada, a Honda confirmou as perdas acumuladas até outubro. Já a Yamaha afirmou que suas “previsões de venda seguem a tendência do mercado”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.16
ED. 5500

Em família

• Prestes a deixar o PSC em busca de um partido do tamanho das suas pretensões, o presidenciável Jair Bolsonaro quer levar consigo parte da modesta bancada de oito deputados da sigla. Por ora, de certo mesmo só um desertor: o rebento Eduardo Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.16
ED. 5500

“Netflix” da bola

 A Globo tem planos de comercializar em sua plataforma digital, o Globo Play, parte do seu vasto acervo de transmissões esportivas nas últimas três décadas.

• Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Globo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.16
ED. 5500

Baixa altitude

 Nas últimas semanas, a Helibras fez novas demissões em sua fábrica de Itajubá (MG) nas áreas de produção e manutenção de aeronaves. Em um ano e meio, a fabricante de helicópteros cortou cerca de 250 postos de trabalho, entre demissões diretas e dispensas incentivadas.

• Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto:  Helibras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.