Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
08.09.16
ED. 5450

Carlyle e Guilherme Paulus em clima de fim de viagem

 O clima entre o Carlyle e Guilherme Paulus, os dois principais sócios da CVC , está de mal a pior. Se antes, ambos divergiam sobre os planos de investimentos para a expansão da operadora de turismo, agora o pomo da discórdia tem a ver com a rede de atendimento. A influência de Paulus na empresa é cadente, verdade seja dita, principalmente após a recente oferta de ações que reduziu ainda mais o seu quinhão societário. Mas o empresário possui o capital simbólico de ter sido o fundador da CVC. O encolhimento no número de pontos de venda no Rio de Janeiro, com a decisão de 22 lojistas de saírem da rede da operadora de turismo, acendeu ainda mais a chama das desavenças em função do impacto na receita. Não é para menos. O número equivale a 30% do total de pontos de venda no estado, o terceiro maior mercado da companhia, atrás de São Paulo e de Minas Gerais. A debandada tem grande potencial de inflamar a relação entre a direção da operadora de turismo e a sua rede de revenda justamente em um momento no qual o setor sofre com o baixo crescimento da demanda. Há um risco de que outros lojistas sigam o roteiro do que está acontecendo no Rio de Janeiro.  Guilherme Paulus estaria creditando à atual gestão da CVC, comandada pelo Carlyle, uma política asfixiante com os lojistas, com direito a metas de desempenho draconianas. A empresa tem exigido expansão de, pelo menos, 10% nas vendas de cada ponto, o mesmo de dois anos atrás, quando o crescimento do setor era de 20%, e independentemente do endereço de atuação, o que torna o negócio assimétrico. A definição dos locais de abertura de lojas também é um problema porque a CVC tem permitido o funcionamento de algumas lojas perto uma da outra, o que acaba gerando concorrência entre elas. O Carlyle não tem dado ouvidos ao sócio e segue usando o torniquete. A operadora de turismo, inclusive, ameaça aplicar multas e até recorrer à Justiça com a alegação de rompimento do contrato de franquia desses lojistas. O Carlyle estaria pagando para ver o que Paulus, lojistas e quem mais for podem fazer. Está em pleno comando da situação e aposta que os resultados virão com a prevista recuperação da demanda no fim do ano. • Procuradas, as seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: CVC.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Operação Greenfield, deflagrada pela Polícia Federal na última segunda-feira, começa com o nome trocado. Deveria se chamar “Operação Investimentos Maduros”. A obsessão pelas estatais Petrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica e Correios, e seus respectivos fundos de pensão, assim como o desejo de achar algum petista envolvido em qualquer tramoia, acaba por dirigir a investigação para desequilíbrios atuariais ou irregularidades no trade. Melhor seria se a PF colocasse a lente na pilha de associações de rentabilidade inaceitável, revolvendo os investimentos de M&A, onde se encontram as piores e inexplicáveis participações das fundações. É lá que está o mapa das propinas. É pesquisa para mais de 30 anos.  No governo FHC despachar o mico para os fundos de pensão virou lugar comum. É bem verdade, nem tudo foram urtigas: houve aquisições positivas, como a Vale. Mas uma grande parcela das compras foi de companhias em situação lastimável, que vêm sugando as reservas dos fundos até hoje. Em algumas delas, as fundações, mais especificamente a Previ, não poderiam participar por determinação estatutária. E mesmo assim entravam ilegal e desarvoradamente no capital de empresas deficitárias. O RR não vai nominar nem uma das centenas de companhias passíveis de um “Lava Fundos”. Mas o mercado todo sabe. Tanto quanto sabia das propinas das empreiteiras em obras públicas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16
ED. 5450

Onipresença

 A Ultrapar está rastreando aquisições na Argentina e no Chile. O negócio deverá ser feito em parceria com a Warburg Pincus. A companhia de private equity, com sede em Nova York, participou da disputa pela AleSat, vendida para a Ultrapar. Se tivesse se antecipado um pouquinho, a dupla teria levado na bacia das almas os postos da antiga Peres Companc, na Argentina, vendidos pela Petrobras Energia. • Procuradas, as seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: Grupo Ultra.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16
ED. 5450

Bilhete premiado

 A Bonaire – que reúne Sistel, Petros, Sabesprev e Funcesp – já teria acertado com a State Grid a venda da sua participação na CPFL ao preço de R$ 25 por ação. Procurada, a empresa informa que ainda vai se reunir para deliberar sobre a operação. O valor é o mesmo que os chineses pagaram à Camargo Corrêa. A Bonaire tem 15,1% da distribuidora paulista.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16
ED. 5450

Natureza tucana

 Além da tentativa de privatização da Cesp, o governo de Geraldo Alckmin iniciou estudos para a venda de uma parte da Sabesp .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16
ED. 5450

Fora dos palanques

 Marta Suplicy e Celso Russomano, que disputam a Prefeitura de São Paulo, pediram ao presidente Michel Temer que grave um depoimento para seus respectivos programas eleitorais. Por essas e outras Temer já avisou que se manterá fora dos palanques.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16
ED. 5450

O gordo e a loira

 Sonho de consumo do GNT para 2017: ter Marilia Gabriela e Jô Soares dividindo um programa de entrevistas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16
ED. 5450

Guarda florestal

 Nos últimos dias, em meio à votação final do impeachment, Ronaldo Caiado reforçou o esquema de segurança em suas fazendas em Goiás. Segundo uma fonte bem próxima ao senador, coisa de quem esperava – e até torcia – por alguma quizumba.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.16
ED. 5450

Linha de fundo

 A relação entre a CBF e a Samsung, patrocinadora da seleção brasileira, é uma bola prestes a sair pela linha de fundo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.