Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
28.07.16
ED. 5421

Sócios do Teuto brigam até o último comprimido

 A Pfizer e a família Melo, sócios no laboratório Teuto, não se entendem nem quando estão de acordo. Há cerca de dois meses, os norte-americanos e os herdeiros do empresá- rio Valterci Melo acertaram uma trégua e decidiram vender em conjunto o controle da farmacêutica goiana. O que parecia ser o ponto final de uma conflituosa relação iniciada em 2010 acabou se revelando um novo round nessa contenda societária. Acionistas majoritários, com 60% do capital, os Mello vêm tentando alijar os norte-americanos das negociações. Segundo o RR apurou, a Pfizer tem conhecimento de que a família, assessorada pelo BTG, estaria mantendo conversações paralelas com candidatos à compra do controle integral do laboratório. De acordo com uma fonte que acompanha as negocia- ções, há tratativas bem avançadas com a Cimed , grupo que atua na produção e distribuição de medicamentos. Outro pretendente seria o Aché, um dos maiores laboratórios farmacêuticos nacionais.  A Pfizer não abre mão da venda em conjunto do controle do Teuto, com o óbvio intuito de melhorar a precificação do ativo, notadamente da sua participação minoritária. É o que recomendaria qualquer bom manual. No entanto, a relação entre a multinacional e os herdeiros de Walterci Melo, morto em 2014, nunca foi marcada exatamente pela lógica e pelo jogo cooperativo. Muito pelo contrário. Os norte-americanos têm suas razões para manter um pé atrás em relação aos sócios. A multinacional já teria acusado a família Melo de maquiar os nú- meros do Teuto e inflar artificialmente o Ebitda da empresa para se beneficiar na eventual venda do controle para a própria Pfizer. Isso porque, ao acertar a aquisição dos 40% do laboratório goiano, a companhia norte-americana ficou com uma opção de compra do restante das ações, a ser exercida até 2017. Pelo contrato, nesse caso a precificação do Teuto equivaleria a 14,4 vezes a geração de caixa da companhia. Ou seja: quanto maior o Ebitda, mais a multinacional teria de pagar pela fatia dos controladores. Por conta disso, a Pfizer sempre confiou desconfiando dos números apresentados pelos Melo. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Teuto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.07.16
ED. 5421

Petros é um fio solto no capital de Belo Monte

 O aumento de capital do consórcio Norte Energia, controladora da usina de Belo Monte, provocou um racha na Petros. Segundo o RR apurou, o conselho deliberativo da fundação seria contrário à participação do fundo de pensão na chamada de capital. A diretoria executiva, comandada por Henrique Jäger, defende a operação. O aporte, ressalte-se, já foi aprovado pelos acionistas do consórcio e deverá se consumar nos próximos dias. O valor não foi oficialmente divulgado, mas estima-se que fique em torno dos R$ 300 milhões. Procurada pelo RR, a Petros não confirmou se participará ou não do aumento de capital e nem informou sobre o prazo para o anúncio da decisão.  O naco que caberia à Petros, dona de 10% de Norte Energia, seria da ordem de R$ 30 milhões. Dito assim, soa como uma ninharia. No entanto, não é de hoje que a presença da fundação em Belo Monte é contestada por conselheiros, em razão da sequência de aportes de capital exigidos pelo empreendimento. A própria chamada de capital em curso é um paliativo. No curto prazo, Belo Monte precisa de aproximadamente R$ 2 bilhões para honrar compromissos. Não é o porto mais seguro para um fundo de pensão com um déficit atuarial de R$ 16 bilhões, um rombo que exigirá, conforme já anunciado, o aumento da contribuição dos próprios trabalhadores e aposentados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.07.16
ED. 5421

Ficha limpa

 A norueguesa Statkraft , controladora da Desenvix Energia Renováveis, quer empurrar a Funcef para fora do negócio e ficar com sua participação de 18,6%. O objetivo é virar de vez a página da velha Desenvix. Ressalte-se que a Statkraft está fazendo uma auditoria em todos os contratos firmados pelo antigo controlador, a encalacrada Engevix. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Statkraft.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.07.16
ED. 5421

Motor desligado

 A Toyota empurrou para 2017 a decisão sobre produzir o modelo Corolla na fábrica de Sorocaba. E olha que o investimento em questão era uma mixaria para os padrões do setor: algo em torno de R$ 30 milhões. Consultada, a Toyota confirma que o projeto “foi adiado”. Para as atuais condições do mercado, a produção do Corolla na fábrica de Indaiatuba, também em São Paulo, dá e sobra. E como sobra…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.07.16
ED. 5421

Em nome do pai

 O PMDB já pensa na “eleição” de 2017. Eunicio de Oliveira diz pelos quatro cantos do Congresso ter a garantia de Michel Temer de que será candidato único do partido à presidência do Senado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.07.16
ED. 5421

Aposta dupla

 A PSA, de Cingapura, decidiu abrir o cofre no Brasil. Na disputa para a compra de uma participação no Sepetiba Tecon, da CSN , o grupo asiático vai participar também da próxima rodada de licitações da Antaq, prevista ainda para este ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.07.16
ED. 5421

Soldados em deficit

 O Exército mantém de prontidão um contingente extra de soldados para suprir os quase inevitáveis desfalques da Força Nacional de Segurança. A pouco mais de uma semana da Olimpíada, o efetivo da corporação que atuará no Rio ainda é uma incógnita. Dos dez mil homens previstos inicialmente, apenas três mil foram enviados pelos governos estaduais. No entanto, por restrições orçamentárias, a expectativa é que apenas dois mil soldados permaneçam na cidade ao longo de todo o evento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.07.16
ED. 5421

Carrosel holandês

 Candidatos à gestão do Maracanã, Flamengo e Fluminense tentam atrair a Amsterdam Arena para jogar no seu time. Sem um grande parceiro, vai ser difícil a dupla Fla-Flu encarar essa partida.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.