Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos

 Extra! Extra! O chanceler José Serra tem fritado em banha fervente o ministro da Educação, José Mendonça Bezerra Filho, aquele que recebeu propostas de Alexandre Frota para melhoria do setor. Diz que Bezerra ignora a potencial contribuição da iniciativa privada e defende que as universidades deixem de ser caixa preta e tenham governança e transparência igual à das companhias abertas em bolsa.  Extra! Extra! Serra tem feito campanha junto a Michel Temer para que ele se empenhe na obstrução do projeto que regulariza os jogos de azar. Engajar o presidente da República contra o jogo é complicado, basta ver a sua vizinhança de muro. Entre os favoráveis à jogatina estão os pesos-pesados Geddel Vieira Lima, Eliseu Padilha e Blairo Maggi. O chanceler, com seu cabedal de ex-ministro da Saúde, acha que as doenças, vícios e casos de morte provocados pela indústria do jogo não compensam os ganhos de arrecadação. Até porque a receita para o Estado será baixa. Pelo menos é o que diz ele.  Extra! Extra! José Serra faz intriga que Henrique Meirelles entende tanto de ajuste econômico quanto o louro José, papagaio da apresentadora Ana Maria Braga. O ministro da Fazenda não estaria buscando receitas extraordinárias para redução do déficit durante o gap até a PEC do teto produzir seus efeitos. Vocifera que Meirelles trouxe a Previdência Social para debaixo da asa da Fazenda para simplesmente não fazer nada, quando essa é a mãe de todas as reformas. E envenena o ministro-banqueiro criticando como tolice o seu desdém público sobre o aumento de impostos, principalmente a Cide, que é transitória e ele vai ter de acabar usando mesmo.  Extra! Extra! O elétrico Serra confronta o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho. O chanceler resolveu trazer para si um projeto por ora engavetado pelo colega de Esplanada dos Ministérios: a construção de uma hidrelétrica binacional com a Bolívia. O empreendimento, avaliado em R$ 15 bilhões, recebeu ressalvas do ministro Fernando Coelho por conta das exigências de Evo Morales de compartilhamento do controle da usina, mas com funding composto por recursos de financiamento público e privado brasileiros. Serra, no entanto, defende que o projeto seja tratado como política de Estado e inserido nos planos de integração com países vizinhos. Ele olha para o tabuleiro “diplomático energético” de forma mais ampla.  O ministro das Relações Exteriores pretende usar a usina como moeda de troca para garantir o sinal verde da Bolívia à expansão da hidrelétrica de Jirau. A ampliação depende do aumento do reservatório e do alagamento das margens do Rio Madeira no lado boliviano. Por isso, Serra já atropelou Fernando Coelho e recentemente tratou do assunto com o embaixador do Brasil em La Paz, Raymundo Magno. A estratégia é levar o projeto para ser discutido diretamente com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e levado por ele para o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A BM&F Bovespa suspendeu negociações para entrar no capital de instituições congêneres na Colômbia e Argentina. A Bolsa brasileira está revendo seus planos de internacionalização no esforço para pagar os R$ 9 bilhões em dinheiro pela compra da Cetip. Nessa linha, já vendeu a participação de 4% que detinha no CME Group, dono da Bolsa Mercantil de Chicago . • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Bovespa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Galvão Engenharia é um case entre as empresas do setor que logo no início do Lava Jato optaram por saldar suas dívidas. O ovo de Colombo foi a securitização dos atrasados da Petrobras e a negociação desses passivos com os bancos credores. Quando fez as operações, o deságio sobre os débitos da estatal ainda estava baixo. Quem esperou a Lava Jato turbinar já não conseguiu reestruturar suas dívidas com o mesmo modelo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.07.16
ED. 5408

Vaga certa

 Os russos da EuroChem garantiram ao ministro dos Transportes, Maurício Quintella, que irão participar do próximo leilão de terminais portuários, previsto para esse ano. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: EuroChem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O governo avança na definição do público alvo do seu ajuste fiscal. Depois das mulheres e velhos pobres, agora chegou a vez dos inválidos e doentes. Espera-se que não alcance a maternidade.   Aliás, segundo a Casa Civil as pessoas que sofrem de invalidez “não precisam correr ao posto do INSS para avaliar sua situação”. Como diria Dilma Rousseff, podem ir devagar, devagarinho.   Por outro lado, o próprio Michel Temer se articula com Renan Calheiros para acelerar a votação, no Senado, do aumento do soldo das Forças Armadas.  Por fim, o RR quer ver as tais medidas impopulares de ajuste cacarejadas pelo governo serem aplicadas aos nababos do país, que aqui gorjeiam cevados a subsídios pétreos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.07.16
ED. 5408

Reprise?

 Entre as grandes empresas com processo em andamento no Carf, o temor é que a prisão do conselheiro João Carlos Figueiredo Neto force o Conselho a suspender, mais uma vez, a pauta de julgamentos. Em 2015, por conta da Zelotes, o Carf ficou parado de março a dezembro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.07.16
ED. 5408

“Doce” rapina

 O norte-americano NML Capital, fundo abutre que atazanou a Argentina há cerca de um ano, está sobrevoando usinas sucroalcooleiras em recuperação judicial no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.07.16
ED. 5408

Bug do milênio

 A Microsoft tem apresentado resultados abaixo da linha d´água no Brasil. A receita segue na faixa de US$ 2 bilhões há dois anos. E deve piorar porque as vendas de smartphones têm caído 25%. A conta não fecha mesmo após os cortes radicais adotados pela presidente da subsidiária, Paula Bellizia, que vendeu a única fábrica no país e deletou milhares de empregos. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Microsoft.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.07.16
ED. 5408

Joint venture em formação

„• A Total negocia com a Qatar Petroleum a formação de uma joint venture no Brasil. O objetivo é investir em blocos de petróleo nas bacias de Campos e Santos, incluindo os 23% que os árabes já têm no bloco BC-10, controlado pela Shell • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Total e Qatar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.