Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
06.05.16
ED. 5363

Paulo Skaf é candidato a pato do governo Temer

 Paulo Skaf corre o risco de virar o pato da gestão Michel Temer. Virtualmente nomeado para a Pasta do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – o dote pela virulenta campanha a favor do impeachment –, Skaf poderá se tornar um náufrago do governo, ou, melhor dizendo, um “sem pasta”. Consta que Moreira Franco, o Cardeal Mazarin da era Temer, fez pessoalmente uma sondagem aos maiores industriais do país sobre a importância dada ao Ministério do Desenvolvimento. Os empresários, em sua maioria, afirmaram que se trata de um conceito ultrapassado, plenamente substituível por um Ministério do Planejamento forte, dividindo com a Pasta das Relações Exteriores a organização e fomento do comércio internacional. O Ministério do Desenvolvimento se tornaria ainda mais desnecessário na medida em que o próprio Moreira pretende relançar os grupos executivos setoriais da indústria, experiência desenvolvimentista que tanto sucesso fez no governo de Getulio Vargas. Como é preciso cortar ministérios, a pasta prometida ao presidente da Fiesp seria candidata à extinção.  Com uma só cajadada, Temer se livraria da presença de um fundamentalista na Esplanada dos Ministérios. Skaf é um osso duro de roer até mesmo para os ultraliberais. As medidas de choque que propôs com o objetivo de zerar o déficit primário de R$ 96 bilhões projetado para este ano não encontram eco sequer no próprio Temer, seu maior fiador político. Pelos mesmos e por outros motivos, Skaf também falará no vazio dentro da equipe econômica, leia-se, sobretudo, Henrique Meirelles, Romero Jucá e José Serra, que acreditam em estratégias consistentes e cautelosas e não em choques econômicos no estilo dos regimes de exceção. Com um fator extra que faz toda a diferença: se Meirelles e Serra têm aspirações eleitorais, como tudo leva a crer, não serão doidos de fazer uma política de terra-arrasada no social, na linha do que propõe Skaf. Não bastasse a desagradável obsessão, a falta de consistência e antipatia que provoca por onde passa, o “Risco Skaf” vai além do seu ideário.  Não obstante seu desabrido apoio ao afastamento de Dilma Rousseff, entre os próprios aliados de Michel Temer seu desembarque no ministério é visto com reservas. Se um dos objetivos de Temer é montar uma equipe sem ilibações, a nomeação de Skaf leva para dentro do governo a ameaça de uma “Lava Fiesp”. O iminente titular da Pasta do Desenvolvimento usou e abusou da entidade para fazer a campanha pelo impedimento e se credenciar como um ministeriável do novo governo. Estimase que a Fiesp teria desembolsado mais de R$ 5 milhões em um só dia com anúncios nos grandes jornais do país a favor do impeachment. A origem do funding para a ostensiva e dispendiosa campanha ainda é uma incógnita. Pairam suspeitas de que a casa da indústria paulista tenha usado recursos do Sistema S, leia-se Sesi e Senai – um cesto onde entram subsídios públicos, por meio de repasses do governo federal, e dinheiro do próprio trabalhador. Não é o melhor cartão de visitas para um novo ministro. No quesito ética, Temer já tem passivos demais em seu futuro governo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Segundo ato

 A venda da Fiagril para a chinesa Hunan Dakang Pasture – informação antecipada pelo RR na edição de 18 de fevereiro – deverá ter um segundo tempo. Além da aquisição de 57% dos antigos sócios controladores, os asiáticos querem fisgar parte das ações em poder da Amerra Capital. A gestora norte-americana possui 25% da companhia agroindustrial. Procurada pelo RR, a Fiagril não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Eternidade

 A título de curiosidade: pelo pedido de Rodrigo Janot ao STF, Aécio Neves terá 90 dias para prestar depoimento sobre as denúncias de participação em um esquema de propina em Furnas. Como o inquérito se baseia também na delação feita por Alberto Youssef em agosto do ano passado, significa dizer que, na melhor das hipóteses, Aécio vai depor mais de um ano após as primeiras denúncias.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Garupa

 A Yamaha está em conversas adiantadas com a chinesa Zongshen para comprar o que sobrou da antiga Kasinski. O interesse dos japoneses se concentra na rede de revenda e na fábrica na Zona Franca de Manaus. Tudo, claro, a preço de ocasião. As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto:  Yamaha e Kasisnki.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Catequese

 Depois de gravar um reclame comercial com o pastor Marco Antonio Feliciano destinado à população evangélica, Michel Temer deverá estrelar um filmete com Paulinho da Força, endereçado aos “trabalhadores do Brasil”. Tanto num caso quanto no outro, produções assinadas por Eduardo Cunha. – Em tempo: mais do que o PRB, a quem o cargo foi oferecido, o novo ministro da Ciência e Tecnologia terá a bênção do próprio Feliciano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Garage sale

 A Raízen e a Copersucar têm interesse em ativos da CanaVialis, empresa de pesquisa desativada pela Monsanto. No pacote, equipamentos e patentes na área de biotecnologia. A Copersucar nega a negociação. A Raízen não fala sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Lusco-fusco

 Problema que vai cair no colo de Michel Temer: o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) está revendo suas projeções para o nível dos reservatórios nas hidrelétricas do país nos próximos seis meses. Se a situação persistir, serão acionadas mais de 80% das térmicas, a um custo superior a 60% ao das hidrelétricas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Bilhete de ida

 O senador Paulo Paim é um dos parlamentares que aguarda a poeira baixar para sair do PT. O neoverde Álvaro Dias já lhe abriu as portas do PV.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Energia eólica

 A Statoil Energy Ventures, braço da petroleira norueguesa, negocia a compra de um pedacinho da Copel Renováveis. O alvo do fundo nórdico é a operação de energia eólica da estatal paranaense.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.