Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
12.01.16
ED. 5285

Libações monetárias e obsessões perigosas

 Em um ambiente de desequilíbrio político-institucional, a autonomia preconizada para o Banco Central e o próprio regime de “expectativas racionais” – principal sustentação do inflation target – ficam parecendo a quadratura do círculo. Ao que consta, o BC “bravateiro” e dogmático funciona bem em situações de ditadura e ciclos de boom das commodities. Recomenda a sabedoria que a comunicação da autoridade econômica deve considerar que o racional precisa ser crível. A política monetária que vem sendo praticada pelo BC é o que se poderia chamar de contrafactual. Para maior efeito do discurso, seria necessário compatibilizar a história virtual com os fatos presentes. Não se trata de julgar se a autonomia do guardião da moeda é boa ou má, mas se ela é possível nas condições atuais. Ninguém defende um BC desautorizado pelo ministro da Fazenda ou pelo próprio presidente da República, mas, sim, em harmonia com as linhas gerais das políticas de governo e sintonizado com a realidade psicossocial do país.  O Federal Reserve, referência permanente do nosso complexo de vira lata, considera o emprego uma variável a ser buscada pari passu com a queda da inflação. É bem verdade que a estrutura de controle monetário dos norteamericanos é completamente diferente: existem os FEDs regionais, privados e controlados por banqueiros. Mas, no final, embrulhados os secos e molhados, tudo se reflete no nível da taxa de juros. Há vasta literatura sobre o poder de fogo dos juros elevados no combate à carestia. Genocídio, epidemias, recessões brutais e arrocho salarial também reduzem a inflação.  Exageros à parte, é sobejamente conhecida na academia a tese de que há momentos em que a teoria monetária é dominada por determinado quadro sistêmico. Um dos mais festejados artigos do papa das expectativas racionais Thomas Sargent, a “Aritmética perversa da política monetária”, teoriza sobre situações extremas, em que a política monetária se torna inócua, quando os juros acabam pressionando ou a base monetária ou o déficit fiscal. Nesse contexto, os relatórios criptografados do Copom ou mesmo o truísmo de que o BC tem sob seu controle a taxa de juros e fará o que for possível para trazer a inflação para a meta padecem de um certo autismo, na medida em que o cenário político-institucional e o ambiente social são os verdadeiros agentes das expectativas racionais. Imaginar que o BC fará o que diz a ferro e fogo, pelo menos neste momento, é semelhante a apostar no poder da Igreja de determinar o credo de toda a sociedade. É plausível que a inflação de 10,6% caia sem pirotecnias com a Selic, devido aos efeitos dolorosos da recessão e à queda do salário real. É desejável que a histeria com o repique inflacionário até certo ponto esperado – alinhamento dos preços administrados, indexação, câmbio, inércia etc – não seja aplacada com tautologias e nem combatida com a borduna da taxa de juros. É apetecível pensar que os juros serão mantidos ou mesmo reduzidos na reunião do Copom da próxima semana. É provável que o BC explique com os contorcionismos técnicos de praxe a mudança de rota. Já estaria de bom tamanho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.01.16
ED. 5285

Provável decolagem

  Entre os deputados Mauro Lopes e Newton Cardoso Junior, que disputam a indicação para a Secretaria de Aviação Civil, a balança do Planalto pende para este último. Além de aquietar a bancada mineira e esvaziar a candidatura de Leonardo Quintão à liderança do PMDB na Câmara, o governo enxerga na nomeação de “Cardosinho” uma forma de afagar o vice-presidente Michel Temer. O deputado tem ótima relação com Temer, herdada de seu pai, “Cardosão”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.01.16
ED. 5285

Carona

 Os tesoureiros de campanha “descobriram” o Uber. A empresa tem sido procurada por partidos em busca de doações para as eleições deste ano. Em troca, recebe juras de um tratamento mais amistoso das administrações municipais. Como se sabe, as prefeituras têm sido uma pedra no caminho do Uber no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.01.16
ED. 5285

Usiminas

 Os acionistas da Usiminas encontram problemas em todas as áreas. Além da grave crise na atividade siderúrgica, Techint e Nippon Steel ainda não receberam qualquer oferta pela Usiminas Mecânica, à venda há quase um ano. Sobre o assunto a Usiminas diz apenas que “está atenta às oportunidades de mercado”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.01.16
ED. 5285

Hora de comprar

 Laercio Cosentino, da Totvs, aproveita a crise para raspar o tacho na área de TI. Em breve, a empresa vai anunciar mais duas aquisições.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.01.16
ED. 5285

Peixe na Rede

 O Rede pretende fisgar parlamentares indignados com a ética partidária para fechar 2016 com três senadores (hoje tem apenas um) e 30 deputados (atualmente são cinco). Marina Silva conta com a ajuda da Polícia Federal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Sergio Moro está convicto de que o delator Carlos Alexandre Rocha, ex-funcionário de Alberto Youssef, tem muito a dizer sobre as relações entre José Dirceu e o laboratório farmacêutico EMS, ao qual o ex-ministro prestou consultoria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.01.16
ED. 5285

Inapetência

 Além de desativar quatro bandeiras de fast food no Brasil, a IMC, leia-se Advent, vai fechar lojas das redes Viena e Frango Assado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.01.16
ED. 5285

Aos pedaços

 Após transferir 5% da Biosev para o IFC, a Louis Dreyfus estaria negociando com fundos de investimento europeus a venda de mais uma fatia do grupo sucroalcooleiro. Os franceses negam a operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O rating de Eneas Pestana, dispensado da presidência da Máquina de Vendas, anda mesmo em baixa. Os sócios do BTG também consideram que a consultoria de Pestana para a Leader já deu o que tinha que dar. Aliás, não deu.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.