Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
07.01.16
ED. 5282

Empresas de transmissão encostam governo contra a parede

  O governo está no meio de uma queda de braço que afeta seus planos de fomentar uma temporada de sucesso nos leilões de concessões na área de infraestrutura. As companhias de transmissão pressionam o Ministério de Minas e Energia e a Aneel a mudar as regras do regime de indenizações instituído em 2015, uma contrapartida oferecida aos grupos que aceitaram renovar suas licenças antecipadamente. A Associação Brasileira das Empresas de Transmissão (Abrate) tem agido junto ao governo para que os pagamentos das indenizações sejam feitos no curto prazo. O presidente da Abrate, Mario Miranda, declarou ao RR que isso é fundamental para que as operadoras não sejam lesadas e possam fazer os investimentos obrigatórios e participar dos novos leilões.  O principal foco de atrito são os critérios empregados pela Aneel para contabilizar os ativos de cada companhia – base para o cálculo das compensações financeiras. A dispersão entre o que o Estado admite pagar e o que as empresas querem receber é razoavelmente grande. É o caso da CTEEP, controlada pela colombiana ISA. Em cima dos ativos não amortizados ou depreciados anteriores a maio de 2000, linha de corte estipulada pela Aneel, o governo comprometeu-se a pagar R$ 3,6 bilhões. Os colombianos, no entanto, alegam que a cifra correta passa dos R$ 5 bilhões. Outro exemplo de discordância: com base em laudo de avaliação dos seus ativos elaborado pela Deloitte Touche Tohmatsu, Furnas reivindica um ressarcimento de R$ 10,7 bilhões. O governo deve, não nega, mas diz que só paga R$ 9 bilhões. Outro ponto de fricção é o prazo de pagamento das indenizações. As empresas cobram que o desembolso seja feito integralmente neste ano, como rezava o acordo inicial. O Ministério de Minas e Energia, no entanto, já acenou com a possibilidade de diferir o pagamento em um período de dois a quatro anos.  As negociações entre as empresas de transmissão e o governo prometem ser tensas. Entre os investidores, há quem fale até mesmo em uma batalha jurídica. Talvez não seja para tanto. O que as gestões contêm é uma ameaça tácita das companhias de uma participação miúda no próximo leilão de transmissão da Aneel, o que não chega a ser uma novidade. As últimas quatro licitações foram um fracasso de bilheteria. Uma boa aposta é que o governo acabará cedendo para salvar as futuras concessões. Foi assim, por exemplo, no caso das licitações aeroportuárias: atendendo a um pleito dos investidores dispostos a entrar no setor, a participação obrigatória da Infraero foi eliminada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.01.16
ED. 5282

Ecovix a um passo da recuperação judicial

 A decisão da Mitsubishi Heavy Industries de deixar o capital da Ecovix, anunciada na última segunda-feira, vai precipitar a “solução final”. A subsidiária da Engevix, dona do estaleiro Rio Grande (ERG), deverá formalizar em breve seu pedido de recuperação judicial. Na visão dos acionistas da empresa, trata-se da última linha, a derradeira tentativa de equacionar as dívidas do ERG, atrair um novo sócio e garantir a retomada das operações no complexo naval gaúcho, que emprega cerca de seis mil trabalhadores. Caso se confirme, a recuperação judicial será uma abrupta guinada em relação à nova etapa de reestruturação do estaleiro, iniciada há menos de dois meses com a contratação do Banco Brasil Plural . Sem os japoneses, tudo muda de figura. O trabalho da instituição financeira estava diretamente interligado ao aumento da participação da Mitsubishi no negócio. Procurada, a Ecovix negou que vá entrar com pedido de recuperação judicial.  Dono de 30% da Ecovix, o consórcio de cinco estaleiros japoneses encabeçado pela Mitsubishi vinha negociando o aumento da sua participação desde o ano passado. No entanto, conforme o RR antecipou na edição de 6 de novembro, os asiáticos foram aconselhados por seus advogados no Brasil a não ampliar sua fatia societária por conta do risco de assumir o passivo da Ecovix. A dívida conhecida gira em torno de R$ 100 milhões, mas o valor não inclui os débitos trabalhistas, uma caixa-preta que a Mitsubishi e seus parceiros não quiseram abrir.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.01.16
ED. 5282

Novos hábitos

 Eduardo Cunha, que teve três smartphones apreendidos pela Polícia Federal em dezembro – todos já devidamente substituídos por novos aparelhos –, reduziu consideravelmente o uso de SMS e WhatsApp. Aderiu a aplicativos que utilizam sistemas criptográficos mais apurados. Além disso, adquiriu o hábito de apagar todas as mensagens assim que as envia ou as recebe.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.01.16
ED. 5282

Ciranda

 A intensificação da ciranda de títulos entre o Tesouro e o BC com o objetivo de dar sustentação às operações compromissadas faz lembrar demais a extinta conta movimento. Ela funcionava como um cheque sem fundo para que a autoridade monetária emitisse moeda à la louca. O artifício foi devidamente proibido.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Credores do Grupo Virgolino de Oliveira, J.P. Morgan, York Capital Management e Alliance Bernstein pressionam a companhia sucroalcooleira a entrar em recuperação judicial. A empresa não estaria cumprindo regularmente o pagamento dos juros aos seus bondholders. O grupo nega e garante não haver divergências com os credores.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.01.16
ED. 5282

Pinga-pinga

 Mais um capítulo no processo de encolhimento do BTG: o banco planeja arrecadar, ainda neste mês, cerca de R$ 450 milhões com a venda do restante da sua participação na BR Properties (18,83%). A BTG não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.01.16
ED. 5282

Ouro à venda

 A sul-africana AngloGold Ashanti estaria em busca de um comprador para a mina de ouro de Crixás, em Goiás, com resultados de pouco brilho. Procurada, a companhia nega a venda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.01.16
ED. 5282

Campo fértil

 Da série “Se não fosse o agronegócio…”: a Basf fechou 2015 com um aumento das vendas de defensivos agrícolas no Brasil da ordem de 6%, o dobro do seu resultado mundial no setor. A Basf não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.