Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
23.09.15
ED. 5212

Risco WTorre sobrevoa o Aeroporto de Viracopos

O iminente desembarque da WTorre no Aeroporto de Viracopos acendeu o sinal de alerta entre os demais acionistas da concessão. A Triunfo e a francesa Egis – donas de 55% da Aeroportos Brasil – se movimentam para barrar o ingresso da construtora paulista no consórcio. A dupla, que, a princípio, havia desistido do direito de preferência sobre as ações da UTC, voltou atrás e já teria manifestado interesse na compra dos 45% restantes. O problema é que, neste caso, querer não é exatamente poder. O exercício da opção de compra exige um esforço financeiro além das possibilidades de momento da Triunfo. Segundo o RR apurou, o grupo saiu a campo em busca de funding para financiar a operação. A Egis aceita dobrar sua participação, hoje na casa dos 10%. Mas a Triunfo terá de entrar com a maior parte dos recursos necessários para igualar a oferta apresentada pela WTorre e seus parceiros, Invixx e Fortress, da ordem de R$ 540 milhões.   Mas por que tamanha ojeriza em relação à WTorre, a ponto de provocar essa reviravolta na operação? A Egis e, sobretudo, a Triunfo não querem se livrar de um problema, a UTC, para colocar outro no lugar. A construtora de Walter Torre é vista como um parceiro de altíssimo risco, tanto do ponto de vista institucional quanto econômico-financeiro. Ainda que longe do grau de protagonismo da UTC, a WTorre também tem um pé na Lava Jato. A Justiça investiga as relações entre Walter Torre e as empresas de consultoria de José Dirceu e Antonio Palocci, das quais era cliente.   Como se não bastasse a proximidade com o “petrolão”, a WTorre é hoje uma empresa em delicada situação financeira, com dívidas na praça e enroscos societários. A construtora é conhecida por operar com níveis de alavancagem pouco prudentes. Em maio, por exemplo, teria sido obrigada a emitir às pressas cerca de R$ 50 milhões em notas promissórias para quitar o pagamento de debêntures que venceriam poucos dias depois. Outro caso que depõe contra a companhia é o Allianz Parque, estádio do Palmeiras. Proprietária da arena, a construtora de Walter Torre estaria atrasando o pagamento de funcionários e de fornecedores. As dívidas já teriam ultrapassado a marca de R$ 100 milhões. O Palmeiras e a norte-americana AEG, que faz o gerenciamento do estádio, estão dispostos a dar um cartão vermelho para a WTorre e assumir o controle da arena. Nessas circunstâncias, Triunfo e Egis se perguntam de onde a WTorre vai tirar os recursos necessários para bancar sua parte no plano de investimentos da Aeroportos Brasil, que totaliza quase R$ 10 bilhões. Elas preferem nem saber.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.09.15
ED. 5212

Embrapa sofre com a falta de irrigação

 Nem mesmo a proximidade entre a ministra da Agricultura, Katia Abreu, e a presidente Dilma Rousseff tem sido suficiente para amortecer o impacto do ajuste fiscal sobre a Embrapa. Um dos maiores centros de inovação do país, a estatal foi atingida em cheio pelos cortes no orçamento federal. A crise nas contas públicas já ceifou mais de 30% das verbas previstas para este ano, da ordem de R$ 3 bilhões. Para 2016, o ancinho vai cavar ainda mais fundo: o orçamento da Embrapa deve ficar abaixo de R$ 1,5 bilhão.  A aridez financeira já resseca alguns dos principais planos da Embrapa. O projeto de montar centros de pesquisa e representações no exterior se transformou numa semente plantada no cimento. O Centro de Estudos Estratégicos e Capacitação em Agricultura Tropical (Cecat), desenvolvido no governo Lula com o objetivo de capacitar profissionais da área de agrociência, murchou. Os investimentos na distribuição e comercialização da Cultivance, soja transgênica desenvolvida com a Basf, também estão sob risco. Na Embrapa, já se fala até mesmo na interrupção de outras parcerias com multinacionais, como Dow e Syngenta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.09.15
ED. 5212

Veículo pesado

A CCR quer reduzir sua participação na concessionária que vai operar o sistema de VLT em implantação no Centro do Rio. Dona de 24%, já teria oferecido parte de suas ações para a francesa RATP, acionista minoritária que está sentada lá no fundo do consórcio, com menos de 1%. Procurada, a concessionária do VLT disse não ter informações sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.09.15
ED. 5212

Pepsi com água

Após frustradas tentativas de aquisição no passado, a Pepsico pretende tirar proveito da queda no valor dos ativos para finalmente comprar uma engarrafadora de água mineral no Brasil. A companhia quer trazer para o país a marca Aquafina, uma das líderes de mercado nos Estados Unidos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.09.15
ED. 5212

UUUhhhh

Eduardo Cunha, ao que parece, pegou gosto em ser vaiado. Após as homenagens que recebeu do público no Estádio Mané Garrincha, no jogo entre Flamengo e Coritiba, e no Rock in Rio, no último domingo, é esperada a sua presença na quadra do Salgueiro no próximo sábado, quando a escola escolherá seu samba-enredo para 2016. A quem quiser interagir com o espetáculo recomenda-se levar uma vuvuzela.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.09.15
ED. 5212

“Eletrolão”

Recentemente, com uma discrição pouco habitual, agentes da Polícia Federal e representantes do Ministério Público teriam ido à sede da Eletrobras, no Centro do Rio, para apreender documentos e computadores. Oficialmente, a estatal nega a operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.09.15
ED. 5212

Corrente elétrica

A AES colocou à venda o controle da AES Sul, distribuidora gaúcha. A Copel tem interesse no negócio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.