17.10.17
ED. 5726

Crônica do pré-cárcere

Quando estava na presidência da Petrobras, Aldemir Bendine, teve uma ideia megalomaníaca em relação aos patrocínios da estatal. Tentou de todas as formas convencer o Conselho de Administração de que a empresa deveria ser a única anunciante das transmissões da Fórmula-1 na Rede Globo. Levou a proposta três vezes ao board. Em uma delas, sugeriu praticamente extinguir todos os demais patrocínios para concentrar as verbas na F-1. Levou bomba sucessivamente no Conselho, que achou o projeto excêntrico, seja pelo astronômico valor na situação de crise vivida pela companhia, seja pelo privilégio a uma única empresa. Melhor para todos que tenha sido assim. Até mesmo para a Rede Globo. Carregar um patrocínio dessa monta com a inspiração isolada de Bendine despertaria fantasias que não favoreceriam ou que não favorecem a ninguém.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.