Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
08.09.17
ED. 5700

Tempo de TV e fundo partidário viram “patrimônio pessoal”

A reforma política que realmente interessa aos parlamentares ganha forma no Congresso. Em conversas que atravessaram os últimos dias, o deputado Vicente Cândido (PT-SP), relator do projeto, bateu o martelo com as lideranças do PMDB, PSDB, DEM sobre a inclusão da “portabilidade” no texto final. Ou seja: em caso de troca de partido, os congressistas carregarão nas costas a sua cota proporcional sobre o tempo de TV e o fundo partidário. Nos classificados do Congresso, esse casco de tartaruga vale ouro. A aresta a ser aparada agora é a linha de corte para a redivisão do fundo partidário e do tempo de TV em relação às cotas estabelecidas no início da atual legislatura. Vicente Cândido e o PT querem usar como referência a data de 10 de agosto deste ano, quando a Comissão Especial da Câmara aprovou a primeira minuta do projeto de lei da reforma política. PMDB e DEM querem empurrar essa data para abril de 2018, prazo limite para os candidatos majoritários se desincompatibilizarem de cargos públicos. Os dois partidos acreditam que estarão melhor na foto, sobretudo o DEM, que aposta no projeto político de Rodrigo Maia para atrair um número maior de parlamentares e engordar sua bancada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.16
ED. 5357

Bancada da bola chuta todas para escanteio

 A bancada da bola tem suado a camisa como nunca. Como se não bastasse o esforço para esvaziar duas CPIs simultâneas – a do Futebol, no Senado, e a da Máfia do Futebol, na Câmara –, seus componentes já saíram a campo em uma nova missão: chutar para o mato o projeto de lei apresentado na semana passada pelo deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) que prevê a criação das Sociedades Anônimas do Futebol (SAFs). A zaga parlamentar é composta pelos deputados Jovair Arantes (PTB-GO), relator do processo de impeachment de Dilma Rousseff e ex-dirigente do Atlético-GO, Marcus Vicente (PP-ES), ex-presidente interino da CBF, e Vicente Candido, que acumula o mandato com o posto de diretor de assuntos internacionais da Confederação. Não estão sozinhos. Além da própria CBF, um grande clube do Rio e outro de São Paulo, este último com raízes fincadas no Congresso, já trabalham contra o projeto.  O projeto de lei de Otavio Leite abre caminho para que os clubes captem recursos em bolsa com a emissão de ações das SAFs, uma espécie de sociedade de propósito específico que abrigaria investidores e parceiros. Em tese, uma ideia que pode dar samba. Mas, como se sabe, o que é bom para o futebol nem sempre – ou quase nunca – é bom para a cartolada. Os dirigentes enxergam na proposta o risco de perder espaço e poder.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.