Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
02.08.17
ED. 5674

Secos e molhados

Mesmo com a Lava Jato nos calcanhares, o senador Edison Lobão terá o usufruto de uma diretoria na Chesf e outra no Banco do Nordeste. O duplo “vale-nomeação” é parte dos dividendos pelo empenho em garimpar votos a favor de Michel Temer no plenário da Câmara.


Por sua vez, o deputado e ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento deverá ser agraciado com uma diretoria da Valec. Ontem, no fim do dia, o Planalto dava como certo a captura do parlamentar, que andava indeciso em relação à votação de hoje. Não custa lembrar que a Valec é um campo minado: o ex-presidente da estatal, José Francisco das Neves, foi condenado por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.


Também ontem, no início da noite, o Planalto celebrava a estratégica reaproximação com o vice-presidente da Câmara, Fabio Ramalho (PMDB-MG). O parlamentar, conhecido como “Fabinho Liderança”, estava rompido com o governo desde fevereiro, quando foi preterido por Osmar Serraglio para assumir o Ministério da Justiça. Durante
todo o dia, Ramalho trabalhou para cooptar o PMDB mineiro a votar com o governo. À noite, completaria a missão com um jantar em seu apartamento funcional, onde receberia parlamentares de diversas siglas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.07.17
ED. 5669

Trem-pagador

O ex-presidente da Valec José Francisco da Neves, o “Juquinha”, teria iniciado tratativas para um acordo de delação. Juquinha já foi condenado a dez anos e sete meses de detenção por participar de um suposto esquema de corrupção na estatal, a partir do superfaturamento de contratos em obras ferroviárias. Pior: segundo o Ministério Público, teria continuado a receber recursos ilegais mesmo após a sentença, o que lhe custou uma prisão preventiva no início de junho. O “sacrifício” da delação seria motivado pela tentativa de reduzir a pena de sua mulher e seu filho, também condenados por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.06.17
ED. 5640

Expresso da propina

A prisão do ex-presidente da Valec, José Francisco das Neves, o Juquinha, vai abrir um novo trilho para a Lava Jato. A força-tarefa está desvendando um esquema de corrupção envolvendo não apenas a construção da Norte-Sul, mas também a Ferrovia de Integração Oeste-Leste e a chamada Ferrogrão, que sequer saiu do papel.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.05.17
ED. 5627

Trem pagador

Preso ontem, o ex-presidente da Valec, José Francisco das Neves, o Juquinha, é só uma escala da Lava Jato, um atalho para a estação Sarney.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

valec-rr-5606
26.04.17
ED. 5606

Valec no dormente

A Valec sofre para se manter nos trilhos. Por conta das restrições orçamentárias, a estatal tem penado para cumprir os investimentos na construção de trechos da Norte-Sul e da Ferrovia de Integração Leste-Oeste (Fiol) e honrar o pagamento a fornecedores. Procurada pelo RR, a Valec confirmou os cortes no orçamento e a adequação “dos investimentos aos recursos disponibilizados”. Segundo a estatal, do orçamento de R$ 1,05 bilhão aprovado para este ano, foram contingenciados R$ 300 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.11.16
ED. 5494

Ofidiário

 Eliseu Padilha prega que a Secretaria do PPI incorpore a Valec, responsável pelas concessões ferroviárias. Moreira Franco enxerga um presente de grego nesse embrulho. A Valec é um serpentário de denúncias.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

VALEC
19.05.16
ED. 5372

Último trem da Valec para no gabinete de Moreira Franco

 A Valec, uma locomotiva de escândalos e prejuízos, está com os dias contados. O governo Michel Temer planeja desativar a estatal do setor ferroviário. A autoria da proposta e seus dividendos devem ser creditados na conta de Wellington Moreira Franco – o “sem pasta” mais poderoso do Ministério. As atribuições da Valec seriam incorporadas pelo secretário executivo da Presidência da República, que, assim, praticamente unificaria o comando de todas as principais ações do governo na área de infraestrutura – Moreira já está à frente do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e do Crescer, o substituto do PAC. No caso específico do segmento ferroviário, sua maior missão seria destravar os grandes projetos que empacaram na gestão de Dilma Rousseff, a começar pela Ferrovia de Integração OesteLeste (Fiol) e pela Transnordestina, cujas obras seguem “devagar, quase parando”. Outra prioridade do governo é tirar do papel a extensão da Ferrovia Norte-Sul para o interior de São Paulo. Segundo estudos recentes da própria Valec, os atrasos na conclusão dos novos trechos da Norte-Sul geram um prejuízo da ordem de US$ 12 bilhões por ano, referente a cargas não transportadas e impostos não gerados. Procurada, a Valec declarou que “não foi informada de nenhuma medida em relação ao destino da empresa”.  Além da premissa de centralizar os grandes projetos de infraestrutura numa “super” secretaria, o governo Temer pretende tirar do circuito uma autarquia que tem pouco êxito em suas funções e custa muito às contas públicas. Nos últimos dois anos, a Valec acumulou perdas de mais de R$ 2 bilhões. O prejuízo de 2015 (R$ 1,5 bilhão) só não foi maior devido ao aporte de R$ 209 milhões do Tesouro Nacional. A extinção da estatal teria ainda um benefício colateral. Por vias oblíquas, permitiria ao governo Temer se livrar de uma caixa preta que muitos partidos da nova coalizão querem ver fechada e enterrada. A começar pelo próprio PR, que transformou o Ministério dos Transportes em sua capitania hereditária e se manteve à frente da Pasta mesmo após o afastamento de Dilma Rousseff. O partido está umbilicalmente ligado aos escândalos protagonizados pela autarquia nos últimos anos. O PR, ou mais precisamente seu ex-presidente, Valdemar da Costa Neto, foi responsável pela indicação de José Francisco das Neves, que dirigiu a estatal entre 2008 e 2011. Mais conhecido como “Juquinha”, chegou a ser preso, acusado de participar de um esquema de propinas em obras do setor ferroviário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.02.16
ED. 5316

Caixa de Pandora

 O que se diz nos corredores da Lava Jato é que, depois da Valec, a próxima vítima do acordo de leniência da Camargo Corrêa será o DNIT, há tempos uma espécie de sesmaria do PP. A conferir.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.15
ED. 5228

Trilhos tortos

  A Valec fez um negócio da China às avessas. Parte dos trilhos que comprou junto à chinesa Pangnag, numa concorrência de R$ 1,3 bilhão, teria vindo com defeito. A Valec quer a troca dos equipamentos, mas não vem obtendo êxito junto ao grupo asiático. Procurada, a Valec negou o problema.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.