Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
vale-rr-5548
13.09.17
ED. 5703

Benjamin Steinbruch volta?

Benjamin Steinbruch está lustrando suas armas para investir na aquisição de ações da Vale em Bolsa. O empresário pretende montar uma participação expressiva na mineradora. O espelho é o modelo Usiminas, na qual ele é um investidor relevante com interesses em sinergias futuras com a CSN. A própria reestruturação societária da Vale criou condições mais propícias para uma investida desta natureza. A pulverização do capital aumenta a flexibilidade para que ele faça suas operações de aquisição no mercado. A engenharia montada por Benjamin Steinbruch pode envolver também a Congonhas Minérios, controlada pela CSN. Há motivações cruzadas nesta direção. Sabe-se que a Vale tem interesse no ativo; Benjamin, por sua vez, precisa gerar caixa para reduzir o a alavancagem de sua siderúrgica.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.17
ED. 5683

Cascalhos tributários

O então presidente da Vale, Roger Agnelli, foi o maior espadachim entre as mineradoras na cruzada contra o aumento da alíquota de royalties sobre a produção mineral, a Contribuição Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM). Agnelli venceu a batalha dos royalties duas vezes, nos governos Lula. Essa sua intensa movimentação política junto com uma gigantesca demissão de funcionários da mineradora por ocasião da crise do minério de ferro foram a pá de cal no seu projeto de permanência na Vale. A luta do executivo rendeu a manutenção do status tributário até os dias de hoje, quando o setor de mineração parece ter capitulado. A troca é mais CFEM por menos investimento e competitividade nas exportações e mais desemprego na indústria extrativa mineral. Não parece um bom negócio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.05.17
ED. 5627

Aécio Neves “vendeu” a Vale que não tinha

Em sua primeira reunião com o Conselho de Administração da Vale, na quarta feira (24), por volta de 9h30, na sede da companhia, Fabio Schvartsman, despiu-se dos constrangimentos que o acometeram no decorrer dos últimos oito dias, e disse, firme, a que veio. As diretrizes da sua gestão são: desempenho, estratégia, governança e sustentabilidade. Também não houve meias palavras em relação às prioridades.

Elas são duas: integridade das barragens e transformação da empresa em uma public company. Schvartsman foi atingido por um estilhaço da delinquência de Aécio Neves. Para alguém que, nos últimos cinco anos, esteve nos rankings dos 20 melhores executivos do país, frequentou todas as listas dos mais bem sucedidos dirigentes empresariais, conforme a avaliação da nata dos head hunters, e somente deu sete entrevistas no período (quase uma por ano), é possível imaginar a violência do impacto da notícia. A serena explanação de Schvartsman no Conselho é um ponto de partida para que o RR relate mais um capítulo da criminosa tentativa do ex-governador de Minas de usar a Vale como uma de suas falsas moedas de troca.

As primeiras conversas sobre a substituição de Murilo Ferreira da presidência da Vale começaram entre os acionistas-chave da companhia, o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, e do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli. O assunto nunca foi tratado com Michel Temer, mas com o seu “entorno” no Palácio do Planalto. As “pressões” sempre se resumiram a assuntar como o processo estava sendo conduzido. As menções a influências de políticos mineiros, Aécio à frente, vinham de meados de 2016, antes da decisão de Ferreira de abdicar do cargo, antecipando-se, inclusive, ao próprio Conselho.

Em ordem decrescente de grandeza, o deputado Fabio Ramalho (o popular “Fabinho Liderança”), o deputado Newton Cardoso Jr., e Aécio fizeram chegar aos acionistas o interesse da “mineirada” que a solução para a presidência da Vale passasse pelo estado. Até então, Aécio falava com o “entorno do Planalto” e por meio da imprensa. Com a ampliação da Lava Jato e o aumento de operações da Polícia Federal, todos os sócios da Vale (os supracitados, mais BNDESPAR e Mitsui) entenderam que a nomeação do novo presidente deveria ser inteiramente blindada. A decisão foi levada ao “entorno do Planalto” há pouco mais de 60 dias.

O gabinete do Palácio, então, “autorizou” que fosse formado um comitê, presidido por Caffarelli, para definir a sucessão. Foi escolhida a Spencer Stuart, por consenso entre os sócios. A empresa de head hunter foi encarregada de apresentar diversas opções com um perfil desejado. A Spencer levantou 20 nomes. A lista, posteriormente, foi afunilada para cinco candidatos, entre os quais o presidente da Suzano Papel e Celulose, Walter Schalka, e o presidente da Nissan, Carlos Ghosn. O nome de preferência de Joesley Batista, o ex-presidente da Petrobras e do BB, Aldemir Bendine, sequer constou da relação inicial de 20 executivos.

A escolha de Schvartsman foi feita  por unanimidade entre os acionistas. O processo estava sacramentado, por assim dizer, em 22 de março. No dia 23 de março, Aécio procurou os acionistas da Vale, pedindo uma reunião urgente, tendo em vista a “importância da decisão para Minas”. O encontro foi marcado para o dia seguinte. Na sexta-feira, 24 de março, às 10 horas, o senador foi ao encontro de Trabuco e Caffarelli, nasede do Banco do Brasil, no quarto andar do prédio localizado na Av. Paulista, n° 1.200.

A reunião durou pouco mais de uma hora. Aécio somente queria assuntar como estava o processo da sucessão na Vale. Não arriscou qualquer sugestão de nome. Sabia que os dados já tinham sido jogados. De lá seguiu para o Hotel Unique, onde foi gravado por Joesley Batista, bravateando que “tinha feito o presidente da Vale”. Levou os R$ 2 milhões que queria sem entregar a moeda que não tinha. No dia 27 de março foi anunciada a escolha de Fabio Schvartsman para a presidência e, ao que tudo indica, o bem da Vale.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.05.17
ED. 5625

Heróis da resistência

Há uma história a ser contada sobre a sucessão de Murilo Ferreira na presidência da Vale. Um capítulo já foi revelado, com a divulgação da conversa indecente de Aécio Neves e Joesley Batista tentando lotear o comando da companhia. Outros capítulos igualmente indecorosos ainda virão à tona – o RR pretende contá-los. O raro destaque positivo nessa inescrupulosa articulação foi a heroica resistência dos acionistas da mineradora, notadamente Bradesco e Banco do Brasil, que evitaram a ocupação não somente da presidência, mas de qualquer cargo de diretoria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.05.17
ED. 5624

O legado de Fabio Schvartsman

Fabio Schvartsman, que assumiu a presidência da Vale, não ficou para a consumação do feito. Mas, dentro da própria Klabin, a expectativa é que ainda neste ano a companhia passe a figurar entre as dez maiores produtoras de celulose do mundo. O bilhete para o seleto rol virá com a operação, a pleno vapor, da nova fábrica no Paraná, a unidade Puma, com capacidade de produção de 1,5 milhão de toneladas. Foi o principal investimento da gestão Schvartsman e um dos maiores projetos da história da Klabin: R$ 8,5 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

vale-rr-5548
11.05.17
ED. 5616

As missões de Fabio Schvartsman na Vale

O mercado espera que o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, faça seu primeiro pronunciamento em grande estilo. Ele seguiria para além da reestruturação e conclusão dos investimentos deixados por Murilo Ferreira como sua herança. Sua missão seria a democratização societária da companhia e o aperfeiçoamento da governança. A expectativa é que o discurso de Schvartsman bafeje o acionista com a prosperidade futura e os primeiros ganhos nas bolsas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.02.17
ED. 5567

Padilha na Previ

Além de avançar sobre a cadeira do presidente da Vale, Murilo Ferreira, o ministro Eliseu Padilha tenta também meter a colher na Previ. Trabalha pela substituição de Gueitiro Genso, o único remanescente do governo Dilma nos três grandes fundos de pensão do país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Eliezer Batista, founding father da Vale, diz que, frente às intempéries, o presidente da companhia, Murilo Ferreira, “fez o possível e o impossível”. Segundo Eliezer, “ele deveria ficar na presidência da empresa”. Por falar em presidência da Vale, o que Michel Temer tem a ver com isso? Vai colocar o cargo na conta da coalizão partidária? Tá mesmo tudo dominado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.02.17
ED. 5562

A profecia

Aécio Neves recebeu um recado singelo de que vai perder bem mais do que ganhar se insistir em se apossar da Vale. O remetente tem como contribuir para que a profecia seja autorrealizável.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

eike-rr-5550
31.01.17
ED. 5550

Eike é o fator mais imponderável da Lava Jato

O risco Eike Batista não tem limite. Devido a componentes megalômanos notórios e a uma ética peculiar – “tudo é mercado, as pessoas têm direito a cobrar por tudo” – a delação do empresário pode se tornar uma bomba mais explosiva do que o testemunho de Marcelo Odebrecht. Eike vai de A a Z. A crônica de regalias obtidas junto ao empresário registra o nome dos peixões José Dirceu, José Sarney, Aécio Neves, Delcidio do Amaral e o notório Sérgio Cabral.

Ele teve relações próximas com Lula, que foi requisitado pelo empresário durante e após o seu mandato para contornar problemas em países da América do Sul. Mas Eike tornou-se ainda mais próximo de Dilma Rousseff, de quem foi publicamente um entusiasta. Dilma ajudou o empresário em diversas vezes, pedindo celeridade à burocracia e facilitando seus pedidos na esfera da administração pública. Eike teve o que quis da Petrobras (vendeu uma termelétrica, a “Termoluma”, por um preço três vezes maior do que o valor de mercado), do BNDES (o banco tornou-se sócio de seus projetos “no papel”), da Fazenda (a “delação não premiada” sobre Guido Mantega é uma amostra de como os pedidos eram feitos e atendidos) e do Gabinete Civil, de Gleisi Hoffmann.

Os Conselhos das empresas de Eike também eram constituídos de luminares com trânsito diferenciado, a exemplo da ex-ministra do STF Ellen Gracie e de Pedro Malan. Todos os conselheiros nas diversas empresas de Mr. Batista foram agraciados com a honraria de processos na CVM. Eike sempre considerou que o “vil metal” resolve tudo. E não por distorção de caráter ou amoralidade, mas por patologia mesmo.

Ele acredita que comprar o que for é um caminho natural para resolver qualquer coisa. Aliciou mais de 40 geólogos e engenheiros da Petrobras (todos detentores de informações estratégicas e confidenciais) simplesmente triplicando ou quadruplicando seus salários. Com a Vale, usou o mesmo expediente do “vem para MMX, você também”. Arrumou um inimigo, o então presidente da mineradora Vale Roger Agnelli, para o resto da vida. Agnelli bem que tentou, mas não conseguiu equiparar os salários alucinantes oferecidos pelo empresário, que se apoderou de dezenas de funcionários seus, igualmente detentores de segredos vitais da Vale.

Quem conhece Eike Batista – tais como Bradesco, Itaú, Ricardo K, BTG, Rodolfo Landim, José Luis Alqueres, entre tantos e tantos – pode avalizar que ele age como se sofresse da Doença de Huntington, enfermidade em que as pessoas se comportam de forma inadequada e dizem coisas sem pensar. Sua megalomania o levou a contenciosos com governos da Rússia, Venezuela, Bolívia e Grécia, neste último é persona non grata. Quando tinha seus R$ 25 bilhões, Eike distribuiu muito dinheiro pelos critérios mais e menos imagináveis. Se for levado à delação, imbuído das virtudes que sempre encontra em tudo que faz, vai falar cobras e lagartos. Será o momento mais imponderável da Lava Jato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

vale-rr-5548
27.01.17
ED. 5548

Ajustes deixam Vale na medida certa

A gestão do presidente da Vale, Murilo Ferreira, merece no mínimo uma nota oito. A medição do RR é fortemente influenciada pelo êxito no corte geral de despesas. Para dar uma ideia do fio da tesoura, em uma das áreas mais complicadas para compressão dos custos, o Centro Corporativo da companhia, Ferreira conseguiu uma redução de 80% em relação ao dólar/tonelada. O resultado está precificado na valoração da Vale, que saiu de US$ 16 bilhões, em 2015, para US$ 40 bilhões, neste ano. Mas a boa-nova, boa-novíssima, é que Ferreira já sinalizou que as demissões acabaram. Parece outra companhia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

elizezer-rr-21
21.12.16
ED. 5521

Um dos founding fathers da Vale

O ano de 2016 foi um período de recauchutagem para o engenheiro Eliezer Batista. Dias duros. Um intervalo de tempo voltado para colocar a máquina em forma. Mas Eliezer vem aí. Com sua mente irrequieta promete trazer inovações. Dessa vez com propostas na área de educação. Enquanto 2017 não chega, é emblemático que seu nome tenha sido escolhido pelo presidente da Vale, Murilo Ferreira, para o batismo do mega projeto S11D.

Eliezer foi o Michelangelo que deu vida à Carajás, à época o maior empreendimento de mineração do mundo. O conceito logístico porto-ferro-via-mina, responsável pela enorme competitividade de Carajás, foi o mesmo que norteou a construção do S11D. A escolha de Ferreira teve um caráter institucional, mas o que pesou mesmo foi o cunho pessoal. O presidente da Vale é um dos maiores admiradores de Eliezer.

Um dos seus primeiros atos ao assumir o comando da mineradora foi convidá-lo para um almoço. O S11D, com a benção de Eliezer Batista, traz a Vale novamente para o alto do pódio das mineradoras de ferro. É o maior projeto com inauguração prevista no governo Temer. Devido à grandiosidade pode, por uma via transversa, desanuviar a vista daqueles que enxergam mais no acionista – a Vale – do que na gestão da controlada, a Samarco – a responsabilidade maior pelo desastre de Mariana. É a perigosa jurisprudência do domínio do fato aplicada à mineração. Se a marca Eliezer Batista ajudar a Vale a superar suas máculas e retomar seus dias de glória, esse terá sido mais um grande feito do notável personagem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.12.16
ED. 5512

Reconhecimento

Se depender da Mitsui, o presidente da Vale, Murilo Ferreira, emplaca mais um mandato no cargo – o atual vence em maio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

mineral-rr-06
06.12.16
ED. 5510

A “desmilitarização” da Reserva Nacional do Cobre

A iminente suspensão do decreto que proíbe a exploração da Reserva Nacional do Cobre pelas empresas privadas e estatais joga por terra um dos mais excêntricos fetiches do regime militar. A dita Reserva Nacional é uma área do tamanho do Projeto Jari original, ou seja, o correspondente a uma Bélgica. A menção explícita ao cobre é uma licença mineropoética. A área, entre o Pará e o Acre é, na verdade, uma reserva polimetálica, com evidências promissoras da ocorrência de molibdênio, tungstênio, bauxita, cassiterita, manganês e soi-disant do cobre. Era chamada pelos militares de “Segundo Carajás”.

Qualquer atividade na região necessita da aprovação do Conselho de Segurança Nacional. A Vale tentou inúmeras vezes incorporar algumas áreas mineralógicas ao seu portfólio de potenciais jazidas. Nunca conseguiu. Eike Batista, em momento de grande prestígio com a cúpula do governo do PT, também insistiu para explorar o filé. Esbarrou em algum gabinete militar.

A criação da Reserva Nacional do Cobre tem duas versões, ambas atribuídas ao nacionalismo extremado e ao desproporcional poder decisório de um militar pouco mencionado pelos estudiosos, o almirante Roberto Gama e Silva, que migrou do SNI para a presidência do Grupo Executivo do Baixo Amazonas (Gebam). Dentro do aparato de segurança, o Gebam foi criado para ser uma espécie de irmão gêmeo do Grupo Executivo do Araguaia-Tocantins (Getat). A principal diferença entre os dois, inicialmente dirigidos ao combate à guerrilha, era a fixação de Gama e Silva em guardar em um cofre forte a riqueza mineral do país, fechando-o para sempre.

Na primeira versão do nascimento da Reserva Nacional, o almirante leva ao grande amigo presidente João Batista Figueiredo o projeto para evitar que o Brasil exaurisse suas jazidas minerais, seguindo o roteiro da Vale de comercialização in natura, sem que a matéria-prima fosse beneficiada no país e exportada com alto valor agregado. Sua sala ficava no Palácio do Planalto, relativamente próxima do gabinete de Figueiredo. Gama e Silva teria pedido ao presidente que ordenasse as Forças Armadas para resguardar a área com destacamentos. “João” deu a reserva, mas não aprovou que a região se transformasse em algo similar a uma zona de guerra.

A segunda versão diz respeito ao ódio que Gama e Silva nutria por Daniel Ludwig, biliardário dono do Projeto Jari. Reza a lenda que, em uma das reuniões entre Ludwig e Gama e Silva para destravar os obstáculos ao empreendimento, o empresário colocou um dos pés sobre uma cadeira. Gama e Silva trovejou que não suportava desrespeito, que ia cercar toda a região em uma Reserva Nacional e prometia tirar Jari de Ludwig. O ex-presidente da Vale Eliezer Batista conta outra história. O superempresário Azevedo Antunes, dono do Grupo Caemi, que depois assumiria o controle do Jari, disse que Ludwig estava com uma suave torção na perna. A tentativa de amenizar o incômodo custou-lhe bilhões de dólares.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.11.16
ED. 5495

Head hunter

Um executivo galáctico do ramo da proteína, que perfilou entre os top ten dos CEO durante diversos anos nas duas últimas décadas, está cotadíssimo para a presidência da Vale. Em tempo: seja quem for o ungido, vai encontrar mais da metade do edifício reerguido devido ao trabalho de Hercules de Murilo Ferreira.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.11.16
ED. 5487

Campo fértil

 A norte-americana Mosaic quer recriar a antiga Petrofértil, reunificando os ativos da Petrobras e da Vale na área de fertilizantes. A ideia é consolidar tudo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.16
ED. 5474

Campanha contra Murilo?

 Uma boa medida da obsessão do governo em substituir o presidente da Vale, Murilo Ferreira, é o número de 16 citações na mídia sobre a saí-da do executivo no espaço de três meses. As “fontes em off do governo” insinuam que é preciso que alguém pague o pato do desastre da Samarco. Não fosse a tragédia, Ferreira estaria sendo saudado como o gestor que toureou a maior crise internacional dos preços do minério. Paciência! A reboque do noticiário sobre a eventual partida de Ferreira desponta o nome de José Carlos Martins, com 13 inserções na imprensa no mesmo período. Martins carrega duas curiosidades: diretor de ferrosos na gestão de Roger Agnelli, tinha uma “boa” ligação com o ex-presidente da Vale – tanto que conspirou para depô-lo; também trabalhou com Benjamin Steinbruch, primeiro controlador da Vale pós-privatizada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Operação Greenfield, deflagrada pela Polícia Federal na última segunda-feira, começa com o nome trocado. Deveria se chamar “Operação Investimentos Maduros”. A obsessão pelas estatais Petrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica e Correios, e seus respectivos fundos de pensão, assim como o desejo de achar algum petista envolvido em qualquer tramoia, acaba por dirigir a investigação para desequilíbrios atuariais ou irregularidades no trade. Melhor seria se a PF colocasse a lente na pilha de associações de rentabilidade inaceitável, revolvendo os investimentos de M&A, onde se encontram as piores e inexplicáveis participações das fundações. É lá que está o mapa das propinas. É pesquisa para mais de 30 anos.  No governo FHC despachar o mico para os fundos de pensão virou lugar comum. É bem verdade, nem tudo foram urtigas: houve aquisições positivas, como a Vale. Mas uma grande parcela das compras foi de companhias em situação lastimável, que vêm sugando as reservas dos fundos até hoje. Em algumas delas, as fundações, mais especificamente a Previ, não poderiam participar por determinação estatutária. E mesmo assim entravam ilegal e desarvoradamente no capital de empresas deficitárias. O RR não vai nominar nem uma das centenas de companhias passíveis de um “Lava Fundos”. Mas o mercado todo sabe. Tanto quanto sabia das propinas das empreiteiras em obras públicas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

murilo-vale
08.06.16
ED. 5385

O que Temer faz não é o que Temer diz

 A Vale está prestes a levar um golpe. Um golpe que expõe a farsa dos anúncios feitos pelo presidente interino Michel Temer. Ao que tudo indica, a volta das privatizações, a gestão independente das empresas estatais, o respeito aos contratos e o primado da governança não passam de bolhas de sabão: tão logo estourem, terão servido apenas para que escorreguem no solo movediço aqueles que acreditaram em promessas. Temer pretende intervir no comando da Vale, uma empresa privada, arrombando com abuso de poder e a chutes de coturno o direito de seus acionistas majoritários. Quer destituir o presidente da mineradora, Murilo Ferreira, à revelia dos seus controladores. É o mesmo Temer que diz que irá privatizar para proteger as estatais da intervenção política do governo.  O presidente da Vale, Murilo Ferreira, é um quadro técnico, que tem enfrentado com valentia, e em silêncio, as maiores tormentas arrostadas por um dirigente do setor privado em tempos recentes. Ninguém foi mais afetado pela crise das commodities do que a Vale. Que outra grande corporação teve seu faturamento reduzido a 30% da média histórica dos últimos 20 anos? E o que dizer da tragédia da Samarco? Ferreira tem feito a sua parte. Se for atingido, será por um golpe baixo, pois sua permanência no comando da companhia já foi decidida em reunião do Conselho de Administração há dois meses. Sairia devorado pelos pantagruéis saqueadores dos cargos que não lhes pertencem. Estranha sina esta da Vale, que parece se confundir com a do Brasil. Ambos, a seu jeito e maneira, atravessaram processos de quebra da normalidade em um terço de século. Será um ato de exceção se Temer conseguir encurralar os acionistas controladores da Vale. Não vai ter golpe.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

mina-de-fosfato
27.05.16
ED. 5377

Mosaic avança sobre o novo eldorado do fosfato

 A indústria brasileira de fertilizantes está em ebulição. No momento em que a China Molybdenum (CMOC) desembarca no país com a compra de ativos da Anglo American e a Vale busca um parceiro no setor, a Mosaic negocia a aquisição de um dos mais cobiçados “pedacinhos” de terra deste mercado. Os norte-americanos já teriam feito uma oferta pela mina de fosfato localizada entre as cidades de Presidente Olegário e Patos de Minas, deixando para trás concorrentes como a norueguesa Yara . Os direitos de pesquisa e lavra pertencem ao Grupo Magnor. A jazida, que ocupa uma área de 900 hectares, é a principal reserva de fosfato de Minas Gerais e uma das cinco maiores do país: o volume estimado gira em torno de 1,5 bilhão de toneladas. O investimento necessário para torná-la economicamente viável beira os R$ 3,5 bilhões.  Os norte-americanos consideram o negócio absolutamente estratégico para a montagem de uma operação integrada. A mina deverá garantir mais de um terço do fosfato consumido pelas misturadoras da Mosaic no Brasil, reduzindo em mais de 25% os custos da empresa com a aquisição do insumo – hoje integramente importado. A investida se dá pouco mais de dois anos depois de o grupo desembolsar US$ 350 milhões para ficar com os ativos de fertilizantes da conterrânea ADM no Brasil e no Paraguai. Maior produtora mundial de fertilizantes, a Mosaic não tem poupado adubo financeiro para expandir sua operação no Brasil. Além da aquisição dos negócios da ADM, desembolsou no ano passado cerca de US$ 10 milhões para ampliar sua fábrica de Catalão (GO). Mas nem só de flores é feita a lavoura da empresa no país. Há pouco mais de um ano, Tobias Grasso deixou a presidência da Mosaic no Brasil, sendo substituído por Floris Bielders. Consta que Grasso desgastou-se com os norteamericanos ao conduzir exatamente o processo de compra dos ativos da ADM. As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Mosaic, Grupo Magnor e OAS.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.05.16
ED. 5366

Opinião

 É preciso combater energicamente o lobby para substituir o presidente da Vale, Murilo Ferreira. A mineradora é uma empresa privada e não um joguete nas mãos de políticos de notória folha corrida. E Ferreira é um craque no que faz.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

michel-Temer
28.04.16
ED. 5357

Temer quer trocar concessões por privatizações ao pé da letra

 Pode ser que não dê tempo. Pode ser que resistências políticas e corporativas inviabilizem o projeto. Pode ser que tecnicamente várias obras e serviços públicos não caibam no modelo. Mas a disposição de Michel Temer é clara: substituir as concessões por privatizações puro-sangue. A proposta visa despertar um maior interesse dos investidores em participar dos leilões de venda para valer. No fundo, seria uma adaptação do regime de privatizações que vigorou no governo FHC ao atual, que mescla empresas em funcionamento com companhias a serem construídas. A lógica por trás da mudança é que o modelo de concessões reduz o apetite dos potenciais compradores por ter um prazo de uso e devolução, portanto sem a posse permanente do ativo. A privatização não; ela transforma o bem em propriedade. Além do mais, o novo modelo exterminaria com os complicadores que foram pendurados no leilão de concessões, tais como taxa de retorno e modicidade. Bastaria ao governo, a exemplo da Vale, deter uma golden share.  Temer revigoraria o império do maior preço. As empresas compradoras teriam maior liberdade de arrumar o seu negócio, inclusive formar preços. A regra para os recursos captados nos leilões de privatização seria a “fórmula Simonsen”, ou seja, não poderiam ser gastos em custeio das despesas do governo, mas em novos investimentos e abatimento da dívida pública. Paralelamente à mudança, a cada vez mais provável gestão Temer promoveria o fortalecimento da estrutura regulatória do governo. O movimento poderia ser resumido em poucas palavras: descomplicar e entregar para sempre.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.04.16
ED. 5349

Cultivo com fertilizante

 Apontada como potencial candidata a parceira da Vale na área de fertilizantes, a norueguesa Yara dedica-se a um negócio de menor calibre, mas, ainda assim, estratégico para sua operação no Brasil: um aumento de capital de US$ 150 milhões na Galvani. O aporte poderá aumentar sua participação na empresa paulista de 60% para 80%. Procurada pelo RR, a Galvani não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.12.15
ED. 5268

BHP Billiton fixa o olhar na porta de saída

  A BHP Billiton estaria analisando sua saída do Brasil. Por enquanto, é uma tese quase cochichada por sócios e altos executivos. Ela envolve mais do que uma decisão estratégica de mercado. A explosiva proposta pode criar a imagem de uma empresa covarde, fujona das suas responsabilidades sociais. O desastre de Mariana, com o rompimento da barreira da Samarco, deixou o comando da empresa anglo-australiano inseguro não somente em relação ao montante do dano ambiental, mas, em particular, quanto às dificuldades políticas que pode enfrentar no país. Ao contrário da Vale, que é nativa, nem sequer pensa em vender sua participação na mineradora e carrega consigo um histórico de “princesa” na área corporativa, a BHP fincou raízes raquíticas nestas plagas. Não é uma decisão simples, nem se pode dizer que é a mais provável. A venda dos seus 50% de participação na Samarco se daria em um momento de dupla depreciação: custo ambiental indefinido e baixa cotação do minério de ferro. A pesar em contrário, o fato de que o real desvalorizado estimularia uma maior disputa pelo ativo. Consultada, a Samarco não retornou até o fechamento da edição.  De qualquer forma, pular fora da mineradora não seria uma decisão puramente econômico-financeira. A despeito do megaproblema ambiental, a BHP tem deslizado aos poucos para fora do Brasil. Ainda em março deste ano, através de uma cisão, repassou todos os seus negócios de alumínio no país para a South 32, empresa que assumiu as operações eclipsadas da BHP. A empresa se desfez de participações de 15% na Mineração Rio do Norte, de 36% na planta de alumínio e de 46% na fábrica de alumina, ambas da Alumar. No mercado internacional, especula-se que a South 32 já estaria buscando comprador para estes ativos. A decisão da BHP, antes de Mariana, era manter a Samarco entre as suas joias da coroa, conforme os seus diversos reports. A extração de ferro foi retirada na primeira hora da lista de mineradoras e metalúrgicas que iriam integrar o portfólio da South 32, não obstante os comunicados da empresa insistirem na disposição de reduzir a diversificação. A tragédia teria sido o divisor de água.  Não é de hoje, contudo, que a BHP está se distanciando do Brasil. As equipes da área de petróleo, que vinham numerosas e constantemente ao país, foram rareando depois da mudança na lei das concessões. Os geólogos que davam plantão no país e os técnicos itinerantes também foram bastante reduzidos. No passado, a Vale demonstrou interesse na aquisição da Samarco. Hoje, provavelmente a resposta estaria na ponta da língua. Mas são outros tempos para todos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.10.15
ED. 5237

Convite

 O ex-presidente da Vale Roger Agnelli foi convidado pelo CEO da Glencore, Ivan Glasenberg, para integrar o board do grupo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.05.15
ED. 5116

Esteves quer levar o HSBC sem concorrência

 André Esteves é incorrigível. O balão de ensaio plantado na mídia de que ele é o ?cavalo vencedor? na disputa pelo HSBC é um filme trash já visto por todos. O enredo é autotélico. Esteves acha que somente o BTG pode disputar o certame pela compra do HSBC porque o sistema bancário brasileiro é concentrado. E ponto final. Só não diz concentrado em relação a quem? Confrontado com os Estados Unidos, o mercado brasileiro é super concentrado. Na comparação com a França, estamos mais ou menos ao par. Quando a referência é a Espanha, a correlação numérica de instituições bancárias é a mesma. Agora, se o parâmetro for a andia, o Brasil tem o dobro de bancos.  O argumento de André Esteves é casuísta e atende unicamente ao seu próprio interesse. A compra do HSBC permitiria a ele alavancar seus negócios, saindo de uma situação, digamos assim, desconfortável. Como é sabido, o banqueiro não tem sido exitoso em diversas das suas operações. O modelo para colocar o HSBC no bolso, Esteves conhece de cor. É uma derivada da fórmula vendida a Eike Batista para juntar a Vale com o Grupo X, desafogando este último em função do aumento da alavancagem. Sim, a palavra chave é esta: alavancagem. É em nome do abate desta presa que ele busca imobilizar a banca comercial mais bem equipada e situada no ranking do setor. Em vez de dizer solidez, Esteves esfaqueia com a palavra concentração. Espera-se que não seja mais um logro. Em tempos recentes, André Esteves ajudou a aumentar a concentração bancária com a compra do Banco Pan-Americano. Parceira no negócio, a Caixa Econômica deu mais uma engordada com o aperitivo. Ou seja: o manda-chuva do BTG diz uma coisa e faz outra. Apesar das semelhanças, contudo, ainda é muito cedo para dizer que André Esteves é um Eike II.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.04.15
ED. 5106

Esteves, BNDES e as tetas da traição

 O banqueiro André Esteves está sendo chamado de assador de porcos entre os técnicos do BNDES – uma alusão a uma fábula de origem espanhola que ficou célebre após ser citada na publicação argentina “Juicio a la escuela”, de 1976. Os funcionários do banco nunca simpatizaram com o estilo predador do dono do BTG. Mas agora ele teria passado dos limites. Esteves detonou a agência de fomento, chamando a instituição de “um monstrengo que beira o disfuncional”. Disse que o “uso dos recursos deve ser represado” e que estaria “menos preocupado com a qualidade técnica e até com casos de corrupção do que com o tamanho do BNDES”. No banco, o mínimo que se diz é que o banqueiro é um bufão – não confundir com porcão. A dinheirama que ele queria tirar para si não vale para os outros. Quem não se lembra da tentativa de Esteves de juntar o Pão de Açúcar com o Carrefour com o dinheiro – de quem? – do BNDES. E da rocambolesca operação de fusão da EBX com a Vale, igualmente envolvendo o capital do banco.  Esteves é o personagem certo para a fábula do porco assado. Certa vez, aconteceu um incêndio num bosque onde havia alguns porcos, que foram assados pelo fogo. Os donos dos animais, acostumados a comê-los crus, experimentaram e acharam a carne assada deliciosa. A partir daí, toda a vez que queriam comer porco assado incendiavam um bosque. O BTG, como se sabe, bem que tentou assar alguns projetos emporcalhados no BNDES, mas o banco, que obedece a critérios técnicos, não deixou Esteves queimar o bosque. Até surgir a oportunidade de torrar um novo suíno, o banqueiro vai mandar a ripa no lombo do BNDES.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.02.15
ED. 5057

O discreto fã-clube de Murilo Ferreira

Ontem, na hora do almoço, protegidos do clima abafado que molestava o bairro carioca do Leme, o diretor da área de Fertilizantes e Carvão da Vale, Roger Downey, e o conselheiro suplente da companhia e representante da Mitsui, Eduardo Rodrigues, dividiam uma mesa de canto no restaurante D’Amici.  A Mitsui tem se revelado uma parceirona da Vale. Entrou, por exemplo, com cerca de US$ 3 bilhões nos projetos de exploração de carvão e logística da companhia em Moçambique. Preocupados com o entorno, ambos cochichavam quase de rosto colado. Do discretíssimo papo, somente pôde se entreouvir uma única declaração: “Esse Murilo é um craque”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.01.15
ED. 5047

Nova Caledônia

A Vale iniciou estudos sobre a venda das minas de níquel da Nova Caledônia. Não há decisão fechada e muito menos qualquer associação com o boquirrotismo de Mike Davis, ex-CEO da Xstrata. O dito cujo afirmou que rasparia todo o níquel da Vale.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.