Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
18.10.17
ED. 5727

Acerto de contas

O relatório do UBS avaliando a BR Distribuidora em R$ 29 bilhões foi uma ducha de água fria para a Petrobras. Por ora, as simulações feitas pela companhia projetam um valuation superior a R$ 35 milhões. Não chega a ser uma diferença abissal, mas talvez, a contragosto, a estatal tenha de calibrar suas pretensões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

A queridinha do UBS

É bem verdade que a ação do Magazine Luiza subiu mais de 500% em 2016. Mas, nos últimos dias, o UBS viu algo na empresa que o resto do mercado ainda não conseguiu enxergar. Só isso explica os seguidos lotes de ações que os suíços vêm comprando desde a semana passada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.12.16
ED. 5520

Fundo perdido

O executivo André Laloni, recém-saído do banco UBS, gastou suas verbas de representação como se fosse um xá da Pérsia. As despesas com cartão de crédito – hotéis, restaurantes e passagens no período de um ano – chegaram próximo a R$ 3 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.11.16
ED. 5505

Já é Natal no UBS

A saída de André Laloni da chefia do UBS na América do Sul foi comemorada pela equipe do banco no Brasil como antecipação das festas natalinas. Quem mais vibrou com o bye bye foi a presidente da operação brasileira do UBS, Sylvia Coutinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.04.16
ED. 5339

Confissão

 O Royal Bank of Scotland (RBS) deverá seguir os passos do UBS e assinar um acordo de leniência com o Cade no processo que investiga manipulações nas taxas de câmbio entre 2009 e 2011. Procurada pela RR, a Royal Bank of Scotland não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.03.16
ED. 5330

CPI do Carf lança seus holofotes sobre o UBS e o BTG

  O UBS deve lamentar profundamente o dia em que André Esteves cruzou o seu caminho. A compra do Pactual revelou-se uma enorme furada e sua venda de volta para o banqueiro, um fracasso ainda maior: na ocasião, os suíços perderam dinheiro e sofreram com a desleal captura de profissionais. Como se não bastassem essas subtrações, cinco anos depois essa antiga convivência com Esteves arrasta o grupo para um dos escândalos em cartaz no Brasil. É o que revela o primeiro ato oficial da recém-instaurada CPI do Carf. A recomendação para a convocação de executivos do UBS, que consta do plano de trabalho apresentado pelo relator João Carlos Bacelar (PR-BA) na última terça-feira, foi interpretado em Brasília como uma espécie de “vazamento oficial”. Trata-se de uma forte evidência de que o grupo suíço e o próprio BTG vêm sendo investigados no âmbito da Operação Zelotes – conforme antecipou o RR na edição de 17 de fevereiro. Procurados, UBS e BTG não quiseram se pronunciar.  Tudo leva a crer que o alvo da Polícia Federal é o processo nº 16682.720614/ 2012-61, por meio do qual o BTG contesta um auto de infração da Receita no valor de R$ 2,2 bilhões. No dia 19 de setembro de 2014, a 3ª Turma da 1ª Câmara da 1ª Seção do Carf confirmou a autuação do banco e sua condenação ao pagamento da multa pelo uso indevido de ágio na venda do Pactual para o UBS, em 2006. O BTG recorreu à Câmara Superior de Recursos Fiscais e aguarda novo julgamento.  Além de colar o UBS no escândalo do suposto esquema de compra de sentenças no Conselho de Recursos Fiscais, a CPI do Carf também traz à tona a disputa travada entre os pró- prios bancos. Desde a autuação da Receita Federal, um tenta jogar no colo do outro a responsabilidade pelo pagamento da multa – responsabilidade esta que, num sentido mais amplo, se estenderia a eventuais procedimentos pouco ortodoxos adotados na tentativa de reverter a condenação junto ao Carf. O BTG alega que o UBS era o controlador do Pactual na época da autuação e, portanto, confirmada a condenação, cabe a ele o pagamento da multa. Os suíços, no entanto, têm outro entendimento sobre o caso: ao recomprar o Pactual, o BTG teria assumido integralmente seu passivo e eventuais pendências fiscais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.11.15
ED. 5245

Avant première

 Oficialmente, o ex-Barclays André Laloni chegou ao UBS para comandar o braço de investimentos do grupo na América do Sul. Mas, no banco, o consenso é que tudo não passa de um jogo de cena e que logo, logo, Laloni tomará o lugar de Sylvia Coutinho como CEO do UBS no Brasil. O banco nega a troca

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.