Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.11.17
ED. 5749

Legado olímpico

A Tishman Speyer já baixou em 40% o valor da locação do Aqwa Corporate, no Porto Maravilha, no Rio. Ainda assim, cerca de 70% do prédio seguem vazios. A empresa diz que as condições adversas do mercado “não estão restritas a um empreendimento ou região específica” e afirma que o “edifício repetirá o sucesso de outros projetos”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.07.17
ED. 5670

“Porto fantasma”

Mais um grande empreendimento imobiliário sofre os efeitos da grave crise econômica do Rio. A três meses da data prevista para a conclusão das obras, a Tishman Speyer não conseguiu fechar um só contrato de locação do Aqwa Corporate, complexo de escritórios na região do Porto Maravilha. De maravilha, aliás, a área não tem nada. O índice de imóveis comerciais vazios na região portuária do Rio beira os 89%. Em relação ao Aqwa Corporate, a Tishman Speyer disse que “a vacância apontada é consequência do momento econômico como um todo e do mercado de imóveis em particular”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.03.17
ED. 5584

Cidade-fantasma

A incorporadora norte-americana Tishman Speyer não apenas suspendeu novos investimentos na área do Porto Maravilha, no Rio, como desmobilizou a equipe que trabalhava nos projetos. Por ora, os norte-americanos vão manter os dois terrenos que têm na região à espera de dias melhores. Até porque vendê-los agora seria prejuízo na certa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.02.17
ED. 5551

Porto depressão

A norte-americana Tishman Speyer já está oferecendo imóveis para alugar na outrora badalada região do Porto Maravilha, na zona portuária do Rio, a preços até 40% mais baixos do que o valor inicial.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Tishman Speyer, CHL e Sandria, entre outras incorporadoras menos votadas, entraram em estado de alerta no Rio de Janeiro. Nada a ver com as chuvas de verão. A Caixa Econômica estaria revendo novos financiamentos para a compra de imóveis comerciais em construção no Porto Maravilha – formalmente, o banco nega. Só a Tishman Speyer está investindo R$ 1,5 bilhão na região.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.05.13
ED. 4659

Tishman Speyer finca suas pilastras no Porto do Rio

 A norte-americana Tishman Speyer, uma das mais importantes incorporadoras imobiliárias do mundo, está montando um cantinho para chamar de seu na Zona Portuária do Rio de Janeiro. Faltam poucos tijolos e uma pá de massa para a companhia fechar o que promete ser o seu maior projeto já feito no Brasil: a construção, em uma só tacada, de quatro grandes empreendimentos comerciais na região. O investimento deve passar de R$ 1 bilhão. Parte destes recursos deverá sair do Fundo de Investimento Imobiliário Porto Maravilha (FII PM), criado pela Caixa Econômica Federal para financiar projetos na área.  A Zona Portuária tornou- se um eldorado imobiliário no Rio de Janeiro. A área está passando por um grande projeto de reurbanização com vistas aos Jogos Olímpicos. Nos últimos cinco anos, o valor do metro quadrado na região já subiu mais de 300%. O empreendimento da Tishman Speyer prevê a construção de quatro torres comerciais de alto padrão. Duas delas ficarão na área conhecida como Porto Maravilha. A terceira será erguida no início da Avenida Brasil, em frente do Porto do Rio. O quarto prédio subirá em frente a  Cidade do Samba, em terreno localizado no chamado Pátio da Marinha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.