Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
assuntos

São Carlos Empreendimentos

19.10.16
ED. 5478

São Carlos Empreendimentos

 A crise no setor imobiliário não poupa nem Jorge Paulo Lemann. A São Carlos Empreendimentos, braço de Lemann na área de real estate, abriu negociações para a venda da Torre A da EZ Towers, na Chucri Zaidan. Em julho, a empresa se desfez de outro centro empresarial em São Paulo, o Top Center Offices, por R$ 152 milhões. A negociação de ativos é uma maneira de compensar a queda dos resultados com a locação de imóveis. No primeiro semestre, a receita da São Carlos caiu 2% em relação a igual período em 2015. Já a margem NOI (Net Operating Income), que mede a rentabilidade da carteira, recuou de 93,8% para 91,3%. • A seguinte empresa não comentou o assunto: São Carlos Empreendimentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.03.16
ED. 5337

Lemann vasculha os canteiros do mercado imobiliário

 Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles estão garimpando o mercado de real estate em busca de pepitas escondidas entre os cascalhos do setor. Segundo o RR apurou, a São Carlos Empreendimentos e Participações, braço imobiliário do trio, estaria em negociações para a compra da WTorre Morumbi, projeto de alto padrão tocado pela WTorre e pelo BTG. De acordo com a mesma fonte, a companhia avalia também a compra da Torre B da EZ Towers, na Marginal Pinheiros, imóvel pertencente à incorporadora paulista Eztec. Caso o negócio seja sacramentado, a São Carlos passaria a controlar integralmente o empreendimento – em 2013, a própria empresa assumiu a Torre A. A operação, aliás, é um bom exemplo de como os ativos do setor estão a “preço de banana”. Há três anos, a companhia de Lemann, Sicupira e Telles pagou R$ 550 milhões pela Torre A da EZ Towers. Hoje, a Torre B, sua “irmã gêmea”, estaria avaliada em pouco mais de R$ 350 milhões.  A São Carlos tem em caixa cerca de R$ 400 milhões para novas aquisições – isso para não falar da retaguarda financeira que a companhia naturalmente possui. Como se não bastasse seu congênito poder de compra, a empresa se vale também de sua boa performance, na contramão do mercado imobiliário. Enquanto congêneres convivem com resultados declinantes e dívidas nas alturas e queimam seus estoques na bacia das almas, a São Carlos reduziu seu passivo líquido e tem aumentado continuamente sua geração de caixa. No ano passado, sua receita cresceu 55% em relação a 2014, chegando a R$ 480 milhões. O lucro, por sua vez, aumentou 39%.  As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: São Carlos, WTorre e BTG.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.