fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
15.10.21

Doria quer fazer do Butantan um grande player da área de saúde

A área de saúde tornou-se a principal vitrine de João Doria. No embalo da vacinação contra a Covid-19, assessores de Doria trabalham em um novo “experimento”: transformar o Instituto Butantan em um dos principais players do complexo industrial de saúde no Brasil, com uma atuação transversal na área biomédica. Segundo o RR apurou, o objetivo é que o órgão seja um catalisador de investimentos públicos e privados em pesquisa e desenvolvimento de imunizantes e remédios, além de um player com inserção no mercado internacional. No momento, o governo de São Paulo estuda como viabilizar esse audacioso projeto. Uma das fórmulas que estaria sendo testada nos tubos de ensaio do Palácio Bandeirantes seria a abertura de capital do Butantan.

Por ora, de acordo com a mesma fonte, trata-se de uma proposta que circula em um grupo seleto de colaboradores de Doria. A criação de uma golden share permitiria ao governo paulista manter poder de veto e de voto. Seria também uma forma de assegurar que o Instituto manteria seus compromissos com o setor público, independentemente da fatia do capital colocada em mercado. Procurado pelo RR, o Butantan informou que “no momento, não há previsão de qualquer mudança no atual modelo econômico do Instituto”. Está feito o registro.

O órgão confirma os planos de expansão internacional, por meio de parcerias. Além do acordo com a Sinovac Biotech para a fabricação da Coronavac, o Butantan se associou à francesa Valneva para a produção de uma vacina contra a Chikungunya. Uniu-se também à chinesa BravoBio e à norte-americana Exxel Bio para o desenvolvimento de um soro contra o rotavírus. O Instituto desenvolve ainda a Butanvac, primeira vacina nacional contra a Covid-19, que, segundo o próprio Butantan, “poderá ser comercializada a baixo custo para atender países pobres”.

Ganhando ou não ganhando as prévias do PSDB, em novembro, João Doria tem um cronograma. Os estudos em torno do Butantan deverão ser concluídos em dezembro e anunciados no início de 2022. A transformação do Instituto em um grande complexo da área de saúde ajudaria a consolidar a imagem de Doria como o “estadista da pandemia” – ver RR de 11 de maio. Nenhuma autoridade teve um papel tão marcante na gestão da crise sanitária. As medidas de isolamento e, sobretudo, o empenho para iniciar a vacinação reforçaram a reputação de gestor do presidenciável João Doria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Aécio Neves tem feito seguidos movimentos nos bastidores para se aproximar de Romeu Zema. O objetivo seria costurar uma aliança PSDB-Novo, garantindo o apoio de Zema a Eduardo Leite na disputa pela Presidência. Hoje, poucas coisas na política motivam mais Aécio do que inviabilizar a candidatura de João Doria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.10.21

O Nordeste tem dono

Após a demissão de Romildo Rolim da presidência do Banco do Nordeste, quem está na corda bamba é o superintendente-geral da Sudene, Evaldo Cavalcanti da Cruz Neto. Com o Centrão sequioso por cargos, não faz mais sentido o Palácio do Planalto manter no posto um nome historicamente ligado ao PSDB, como é o caso de Cavalcanti.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.09.21

Tá tudo dominado

Lula só está calado para fora. Para dentro do jogo político, é uma matraca só. Está pessoalmente empenhado em costurar um acordão em Pernambuco, seu estado natal. Além do PSB, tem trabalhado para atrair a ala do MDB ligada a Jarbas Vasconcellos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.09.21

Triste fim de casamento

Geraldo Alckmin ainda não deixou o PSDB, mas o PSDB já deixou Geraldo Alckmin. O partido não está contribuindo financeiramente para as viagens que Alckmin vem fazendo pelo interior de São Paulo. As despesas têm sido bancadas pelo próprio tucano e por aliados mais próximos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.21

Marina é a peça que faltava ao mosaico do centro

Marina Silva está sendo empurrada para se tornar uma “quarta via” no xadrez eleitoral de 2022. Seus correligionários empresariais têm estimulado a ex-ministra do Meio Ambiente a conduzir uma série de conversas junto a lideranças políticas com o objetivo de costurar uma espécie de frente ampla do centro para o apoio da terceira via – seja ela quem for. O mandato para a missão veio de um grupo restrito de empresários, de perfil modernizante, com os quais Marina mantém relação há longo tempo.

A iniciativa teria o respaldo de nomes como Neca Setubal, herdeira do Itaú, Pedro Passos, da Natura, os irmãos Moreira Salles, Pedro Wongtschowski, do Grupo Ultra, entre outros. Trata-se de um núcleo empresarial reformista, empenhado na busca da terceira via, conforme já disse o RR – ver edições de 11 e 31 de agosto. O perfil de Marina Silva cabe como uma luva na missão: discreta, respeitada e sem arestas junto a todo o espectro político, seja do centro, da esquerda ou da direita. Ela não deixaria necessariamente de ser candidata à presidência pelo seu partido, o Rede Sustentabilidade.

Mas, teria também o mandato de articular um cinturão de apoio ao nome tirado das pesquisas para concorrer com Lula e Bolsonaro. Quem tiver maior densidade eleitoral, em determinada data a ser acertada pelas partes, passaria a ser apoiado pelos demais. Seriam chamados para conversar os postulantes à Presidência considerados de centro, ou seja, João Doria, Eduardo Leite, Sergio Moro, João Amoedo, Rodrigo Pacheco e Henrique Mandetta, entre os mais notórios. O senador Tasso Jereissati, que retirou o seu nome das prévias do PSDB para a escolha do candidato à Presidência, também seria convidado para participar do “frentão de presidenciáveis”.

E Ciro Gomes? Um eventual entendimento com o pedetista é visto como difícil, o que não quer dizer que ele não será procurado. O RR entrou em contato com os diversos candidatos de centro. Apenas Henrique Mandetta se posicionou até o fechamento desta edição. O ex-ministro afirmou que concordaria, sim, em participar de conversas com Marina Silva e os demais concorrentes de centro à Presidência. Mandetta disse ainda estar disposto a abrir mão de sua candidatura para apoiar um nome de consenso. Na estratégia em discussão, tão importante quanto o nome do candidato de centro é a construção do leque de apoios ao seu redor.

Mesmo porque, ao menos até agora, não há um “candidato a candidato” da terceira via com desempenho arrebatador nas pesquisas. Os votos que, neste momento, não são nem de Lula nem de Bolsonaro estão espalhados entre os mais variados concorrentes do centro. A costura de uma coalizão entre figuras do espectro político e de parcela importante do empresariado em torno de um único candidato criaria um fato político suprapartidário de grande impacto. A campanha eleitoral passaria a ser colegiada. Por ora, o que existe de articulação entre os candidatos à terceira via são conversas dispersas, que não conseguiram chegar a lugar algum e muito menos definir um nome de consenso. O centro, por enquanto, somente assiste a Lula e Bolsonaro ficarem mais folgados na disputa à Presidência. Marina, como se sabe, disputou e perdeu às eleições à Presidência da República em 2010, 2014 e 2018. Difícil ganhar em 2022. Há quem diga que sequer concorrerá. Mas pode ser que emplaque o “seu candidato”. E terá grandes méritos nessa vitória.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.21

Super produção

João Dória quer fazer muito barulho com o registro da sua chapa nas prévias do PSDB, previsto para próxima segunda-feira. A ideia é dar ao evento ares de lançamento da candidatura à Presidência. Assessores de Doria passaram os últimos dias preparando a apresentação que será feita aos delegados tucanos, com pontos do futuro programa de governo de Doria. A ideia é produzir um vasto material para viralizar nas redes sociais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.09.21

Prévias das prévias

Dentro do próprio PSDB, corre a informação de que Arthur Virgílio deverá ser o primeiro a desistir da pré-candidatura à Presidência. O anúncio seria feito ainda neste mês. Posteriormente, Tasso Jereissati seguiria o mesmo caminho, igualmente para apoiar Eduardo Leite.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.09.21

A hora dele vai chegar

Segundo uma fonte próxima a João Doria, o governador estaria esperando apenas a vitória nas prévias tucanas para se dedicar à agenda Aécio Neves, ou seja, trabalhar pela expulsão do desafeto do PSDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.08.21

Tesourada

Aliados de Eduardo Leite fazem pressão dentro do PSDB pelo afastamento de Cesar Gontijo, tesoureiro do partido. É a guerra fria das prévias tucanas. Gontijo é acusado pela ala anti-Doria de assediar prefeitos e barganhar recursos do fundo partidário em troca de apoio à pré-candidatura do governador de São Paulo à Presidência da República.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.