Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
09.08.17
ED. 5679

Candidato importado

O PSDB poderá lançar mão de uma solução externa para retomar o mando do segundo maior estado do Brasil: importar o deputado Rodrigo Pacheco, do PMDB, para concorrer ao governo de Minas Gerais. O nome natural dos tucanos, Antonio Anastasia, está “interditado” depois que a Lava Jato tragou seu mentor político, Aécio Neves.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.08.17
ED. 5678

O futuro de Kuerten

O ex-tenista Gustavo Kuerten também tem sido assediado para entrar na política. No momento, troca bolas no fundo de quadra com o PSDB e o Partido Novo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.08.17
ED. 5677

Cabo eleitoral às avessas

Uma ala do PSDB tem defendido o nome do senador Cassio Cunha Lima para o comando do partido. O que se diz entre os tucanos é que ele teria, inclusive, o apoio de Aécio Neves, presidente afastado da sigla. Essa parte deve ser coisa de inimigo de Cunha Lima.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.08.17
ED. 5676

“Ajuste fiscal” do Congresso

Das duas uma: ou o deputado Silvio Torres, secretário geral do PSDB, é um ingênuo ou um sarcástico. Em meio ao armazém de secos e molhados do Congresso, tem defendido o corte de 30% das verbas reembolsáveis para parlamentares, o que inclui combustíveis, refeição, deslocamentos etc. O “ajuste fiscal”significaria uma economia de aproximadamente R$ 280 milhões por ano. Por ora, a proposta empolgou apenas uns gatos pingados masoquistas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.08.17
ED. 5675

…E idas

Por sua vez, José Serra, antecessor de Nunes Ferreira nas Relações Exteriores, se descolou de vez do presidente Temer. Nos bastidores, prega a saída do PSDB do governo e tentou até o fim emplacar o “governo Maia”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.08.17
ED. 5675

Tucano em queda livre

As denúncias de participação em um suposto esquema de grampos ilegais no Mato Grosso pegaram o governador Pedro Taques em um momento de franca ascensão dentro do PSDB. Taques chegou a ser cotado como candidato a vice de Geraldo Alckmin em uma chapa tucana puro sangue para as eleições à Presidência da República. Agora, já deverá sair no lucro se completar seu mandato no governo do Mato Grosso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.08.17
ED. 5675

Tudo família

O tucano Mario Covas Neto, presidente do diretório municipal do PSDB, tem trabalhado na Câmara de Vereadores para brecar o pacote de privatizações apresentado por João Doria. Trata-se de uma rixa partidária e consanguínea: Covas Neto é adversário político do vice-prefeito Bruno Covas, seu sobrinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

aecio-rr-5673
01.08.17
ED. 5673

Tasso foi o prato principal de Aécio Neves

No jantar com Michel Temer, no último sábado, no Palácio Jaburu, Aécio Neves notabilizou-se pelo tom ríspido com que se referiu a Tasso Jereissati e outras lideranças do PSDB. Por mais de uma vez, o senador disse que renunciar à presidência do partido “está fora de cogitação”. Mostrou-se especialmente irritado ao se referir a reportagens publicadas dois dias antes por dois grandes jornais dizendo que ele deixaria o comando do partido antes mesmo da reunião da direção nacional convocada para este mês.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.07.17
ED. 5672

Espelho, espelho meu

João Doria tem feito de tudo para convencer Flavio Rocha, herdeiro da Lojas Riachuelo, a desistir da ideia de se filiar ao Partido Novo e entrar no PSDB. São 10% de amizade e o restante, puro pragmatismo. Rocha corre na mesma raia do “político-gestor”. Em outro partido, pode vir a ser um adversário incômodo numa eventual disputa ao governo de
São Paulo, caso sobre apenas esta alternativa a Doria em 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.07.17
ED. 5672

Tapas e beijos

Ao que parece, o encontro entre Rodrigo Maia e Geraldo Alckmin, que tinha como objetivo reaproximar DEM e PSDB, teve efeito contrário. Ao sacar repentinamente o nome de Rodrigo Garcia como candidato do partido ao governo de São Paulo, Maia mandou um recado para Alckmin. O presidente da Câmara não engoliu a ligeireza com que a comunicação do Palácio Bandeirante vazou, quase em tempo real, o teor da sua conversa com o governador paulista no jantar da última segunda-feira. Muito menos a versão de que, no encontro, teria assegurado o apoio do DEM à candidatura de Alckmin à presidência em 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.07.17
ED. 5670

O voo dos tucanos

À caça de votos no Congresso a favor de Michel Temer, os líderes governistas têm se confrontado com um problema prosaico: a dificuldade de interlocução com o “board” do PSDB. O presidente afastado, Aécio Neves, é fósforo queimado. Já o presidente interino, Tasso Jereissati, viajou com a família de férias para a Europa. Passa boa parte do
dia incomunicável. Sobrou o indecifrável Geraldo Alckmin.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.07.17
ED. 5664

Um nome ambivalente para a Pasta da Cultura

Atual diretor do Teatro Sergio Cardoso, em São Paulo, Luis Sobral foi sondado para assumir o Ministério da Cultura. A rigor, sua indicação deve ser creditada na conta do PSD, de Gilberto Kassab e de Andrea Matarazzo – Sobral foi adjunto do próprio Matarazzo na Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo. No entanto, estrategicamente o ministeriável mantém também um pé no PSDB: em 2012, foi tesoureiro de campanha de José Serra na eleição à Prefeitura de São Paulo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.07.17
ED. 5662

Hora do troco

Com o PSDB dentro ou fora do governo, os dias de Bruno Araújo no Ministério das Cidades estão contados. Mesmo no cargo, Araújo foi um dos primeiros tucanos a defender a saída do partido da base aliada após a divulgação da conversa entre Michel Temer e Joesley Batista. O PMDB, que sente o cheiro de fritura de longe, já avisou que quer a Pasta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.07.17
ED. 5655

Aécio, Serra e Tasso armam retranca tucana

Aécio Neves, José Serra e Tasso Jereissati se uniram contra a antecipação da convenção nacional do PSDB de 2018 para o segundo semestre deste ano. A proposta, encabeçada pelo grupo do governador (e presidenciável) Geraldo Alckmin, será apresentada na próxima reunião da executiva tucana pelo deputado Silvio Torres (SP), secretário nacional da legenda. Quer dizer, isso se a reunião acontecer. Aécio, presidente afastado do PSDB, Tasso, o no 1 interino, e Serra prometem não mover um dedo para convocar a executiva. Avaliam que não há clima para o encontro e que ele só serviria para dar holofotes à ala rebelde tucana, os chamados ‘cabeças pretas’ – em alusão às aves mais moças da fauna peessedebista. A gestão da atual diretoria partidária terminaria em maio, mas, em dezembro de 2016, Aécio prorrogou o próprio mandato (e de toda a executiva) por um ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.06.17
ED. 5640

Dia de quadrilha

Aviso a pauteiros e, principalmente, sites e programas de humor. No dia 26 de junho, atendendo a requerimento do deputado Izalci Lucas (PSDB/DF), a Câmara dos Deputados vai celebrar o sugestivo “Dia Nacional do Quadrilheiro Junino”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.06.17
ED. 5638

As cores e os tons dos (des) ajustes fiscais

Se o gato tirasse o óculos de sol e mirasse os resultados fiscais dos governos do PSDB, PT e PMDB, os respectivos déficits e superávits poderiam ser cinza, roxo, amarelo ou vermelho. O felino em questão é o astro do filme tcheco, de 1963, “Um dia, um gato” (“Az pprijde kocou”), de Vojtech Nasný. Ao recolher seus óculos escuros, ele identifica com cores o caráter das pessoas.

O gato olharia, então, para os números dos orçamentos fiscais dos diversos governos e todos eles se pintariam de roxo, cor dos mentirosos e hipócritas. Explica-se tanta metáfora: nos últimos anos houve apropriação e falseamento do bom e do mau comportamento da gestão das contas públicas. Os melhores números (os dos governos do PT) foram apresentados como extremamente negativos; indicadores medíocres (governo FHC), como um símbolo de equilíbrio e austeridade; e cifras tenebrosas (governo Temer), rotuladas como o esforço e a superação no ajuste fiscal. A cor desse engodo é o cinza, dos assaltantes da realidade.

Os verdadeiros resultados são contrários à percepção coletiva e ao discurso dominante. Os números da gestão FHC são positivos, mas modestos quando se leva em conta a soberba tucana: uma média de 1,76% de superávit primário em relação ao PIB nos dois mandatos. No governo FHC 1, verificou-se um déficit primário de 0,2% do PIB; e no FHC 2, o resultado fiscal foi positivo em 3,1% do PIB. Já o superávit fiscal acumulado no governos Lula 1 e Lula 2 alcança 3% do PIB (3,5% no primeiro mandato e 2,7% no segundo).

O governo Dilma 1, que foi considerado a preliminar da tragédia fiscal, realizou um superávit primário médio de 1,5% do PIB, não muito coisa abaixo dos 1,76% do PIB nos dois anos de FHC, mas bem acima do déficit de 0,2% do FHC 1. O segundo mandato da Sra. Rousseff não passou de um ano e quatro meses, mas já se desenhava em 2014 o desastre nas contas públicas, que assolaria 2015 e, vá lá, 2016 o, primeiro ano do governo Michel Temer. Vale o registro que, mesmo computando-se os seus piores resultados fiscais, o governo Dilma teve na média um superávit primário de 0,7% do PIB. Incrível!

Os cálculos feitos pelo RR tomaram como base os dados consolidados do Banco Central referentes ao setor público. A cor dos governos do PT, quando considerados como um todo, seria o amarelo, dos infiéis, pois seus dirigentes sempre deixaram que se acreditasse, com a anuência do próprio partido, que seus governos eram perdulários e despoupadores. Os governos do PT – e coloque-se Dilma na conta de Lula -, na realidade, economizaram bem mais do que os desajustes propalados. Em todos os anos dos governos Lula e no primeiro de Dilma Rousseff (à exceção de 2014), foram realizados superávits primários.

No último ano de gestão da Sra. Rousseff, o carro capotou na curva. Ele foi marcado pela paixão, cor é o vermelho sanguíneo. Paixão pelo equívoco, é bom que se ressalte. A gestão do presidente Michel Temer se inaugurou com a desqualificação da previsão de déficit do governo anterior (R$ 30 bilhões). Uma nova meta, de R$ 170 bilhões, foi anunciada. A cifra deixou folga para o cumprimento da previsão, e o governo do PMDB com alma de PSDB atingiu o déficit recorde de R$ 154 bilhões, em 2016, correspondente a 2,54% do PIB.

O número foi saudado como uma conquista. Neste ano, a meta anunciada é de R$ 139 bilhões, mas, se for computado o valor já contingenciado pelo Ministério da Fazenda, o rombo orçamentário chegará a R$ 170 bilhões, um novo recorde. Para 2018, a previsão é de um déficit de R$ 129 bilhões. Portanto, em três anos o saldo da gestão Temer será um buraco de R$ 461 bilhões (número passível de ajuste contábil). O superávit primário acumulado nos Lula 1 e Lula 2 foi de R$ 643 bilhões.; no Dilma 1, R$ 292 bilhões; os FHC 1 e FHC 2 somaram R$ 151 bilhão. Mantendo-se ou não na presidência, Michel Temer sairá imbatível do ponto de vista da desgovernança fiscal. Sua cor é o roxo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.06.17
ED. 5634

Ética parlamentar

Os senadores tucanos eleitos para o Conselho de Ética da Casa – Flexa Ribeiro, Ataídes de Oliveira e Paulo Bauer – manobram para que o pedido de cassação de Aécio Neves seja analisado apenas depois do recesso parlamentar. O PSDB tenta ganhar tempo na esperança de que até lá o grampo da conversa de Aécio com Joesley Batista seja “esquecido”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.05.17
ED. 5622

Tucano precipitado

O tucano Antonio Imbassahy, ministro da Secretaria de Governo da Presidência, foi criticado por líderes do PSDB pela ligeireza com que gravou um vídeo de apoio a Michel Temer. O filmete foi postado nas redes sociais antes das seis da manhã de ontem, assim como os depoimentos de Moreira Franco e Eliseu Padilha. Horas depois, a cúpula do PSDB discutia sua saída do governo, o que, por ora, não aconteceu.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.05.17
ED. 5622

Imagina…

Imaginem se hoje ou nos próximos dias o prefeito João Doria anunciar que está deixando o PSDB rumo à outra sigla por não compactuar com o mar de lama que engolfa o partido…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.05.17
ED. 5609

Uma contenda entre tucanos no saneamento

A Sabesp tornou-se epicentro de um contencioso intra-tucanos curiosamente tendo como cenário o berço do PT. O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), fez chegar ao governador Geraldo Alckmin a intenção de romper o contrato com a empresa estadual, responsável pelo serviço de saneamento no município. A Prefeitura já estaria, inclusive, estudando mecanismos legais para assumir a concessão e, posteriormente, fazer uma licitação. O município pretende ainda aplicar multas na Sabesp sob a alegação de que a companhia não tem cumprido o contrato. Para a Sabesp, o imbróglio traz um risco adicional, que vai além do perímetro de São Bernardo: o litígio pode acabar estimulando cidades vizinhas a seguir o mesmo caminho. Imaginem o impacto que teria sobre a receita da estatal, por exemplo, a criação de uma “Águas do ABC”. Procuradas, a Sabesp e a Prefeitura de São Bernardo não se pronunciaram. Desde que Orlando Morando as- sumiu a Prefeitura de São Bernardo, neste ano, a relação entre a Sabesp e o município tornou-se um rio de águas turvas. Morando cobra uma série de obras na cidade que não teriam sido cumpridas pela empresa. A companhia estadual, por sua vez, acusa a Prefeitura de não pagar o que deve e aumentar um passivo que vem das gestões anteriores. Os valores giram em torno dos R$ 100 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.04.17
ED. 5597

De derrota em derrota…

Derrotado na disputa pela prefeitura do Rio, Carlos Roberto Osório saiu pela tangente ao ser convidado por um grupo de vascaínos influentes para disputar as eleições do clube, em novembro. A eleição que Osório quer é outra: a do governo do Rio em 2018. Isso se não for jogado para fora da quadra no PSDB pela candidatura de Bernardinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.04.17
ED. 5594

O garoto da capa

Comentário de um tucano de quatro costados: “O noticiário do último fim de semana contra Aécio Neves é a prova definitiva de que a fila andou no PSDB“.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.03.17
ED. 5590

Bernardinho

A candidatura de Bernardinho ao governo do Rio em 2018 voltou à ordem do dia no PSDB. No partido é grande a expectativa de que ele finalmente dê o tão aguardado salto das quadras para os palanques. Sobretudo depois de a Unilever ter anunciado o fim do patrocínio ao time feminino do Rio, criado por Bernardinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.02.17
ED. 5565

Coração tucano

De saída do PMDB, Paulo Hartung está se jogando nos braços do PSDB, seu ex-partido. No fundo, Hartung sempre manteve o coração tucano. Não se sabe se a recíproca é verdadeira.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.02.17
ED. 5551

Petista assediado

É grande o risco do PT perder uma de suas principais lideranças no Nordeste. O  governador do Ceará, Camilo Santana, vem sendo cortejado não só pelo PSB, mas até mesmo pelo PSDB. O cupido, neste caso, é o senador Tasso Jereissati.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.12.16
ED. 5527

Um conselho marcado para morrer

O destino do Carf parece selado. O PMDB está fechando o apoio em bloco ao projeto de lei do deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), que prevê a extinção do Conselho. A proposta, não custa lembrar, já foi aprovada na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.12.16
ED. 5525

Coalizão tem limite

O PSDB corre o risco de perder um de seus cinco governadores. Simão Jatene, do Pará, resiste à proposta do presidente da sigla, Aécio Neves, de fechar um acordo com o PMDB, de Jader Barbalho, para as eleições de 2018. O senador mineiro defende uma chapa única, com Jader e Flexa Ribeiro (PSDB) disputando à reeleição ao Senado e um candidato tucano para o governo. No limite, Jatene prefere virar casaca a ter que dividir palanque com Jader, seu inimigo declarado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.12.16
ED. 5520

Tucano ou escorpião?

A declaração de apoio de José Serra à permanência de Aécio Neves na presidência nacional do PSDB teve o estalo do beijo da morte. Para Serra, nada melhor do que esticar a corda de Aécio e, assim, evitar que Geraldo Alckmin ganhe mais espaço no partido.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.12.16
ED. 5519

Comunismo de coalizão

O clima entre Flavio Dino e a presidente nacional do PC do B, Luciana Santos, é de enfrentamento. O governador maranhense tem se posicionado frontalmente contra a linha de atuação de Luciana nas reuniões do comitê central do partido. No último encontro, dia 4 de dezembro, a proposta de lançamento de candidatura própria à Presidência da República em 2018 não teve o apoio de Dino. Pragmático, o governador olha para o próprio umbigo, preocupado em garantir a reeleição ao governo com o apoio de um leque amplo de partidos, inclusive do PSDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.11.16
ED. 5501

Rumo à 2018

• No PSDB, a participação de Bernardinho no Conselhão é tratada como um aquecimento para a sua candidatura ao Senado ou mesmo ao governo do Rio em 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.16
ED. 5496

Nariz de tucano

Aécio Neves está empenhadíssimo em convencer o amigo Luciano Huck a entrar na vida pública.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Hora do tucano

 Os procuradores de Curitiba não apenas avançam sobre o PSDB como estão juntando diversos pontos que ligam a Lava Jato ao escândalo de corrupção em contratos do metrô de São Paulo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.16
ED. 5480

Província

 O senador Jader Barbalho furou a aliança entre o PMDB, seu partido, e o PSDB nas eleições em Belém. Decidiu apoiar o candidato Edmilson Rodrigues, do PSOL. Pior: é acusado pelos tucanos de usar seu jornal, o Diário do Pará, para detratar o candidato do PSDB, Zenaldo Coutinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O fracasso de Carlos Roberto Osório nas eleições municipais ressuscitou no PSDB a ideia de lançar o técnico Bernardinho como candidato ao governo do Rio em 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Marcelo Crivella está montando uma ampla biodiversidade de alianças. Após fechar um acordo com Anthony Garotinho, negocia o apoio do PSDB no segundo turno das eleições. Já teria, inclusive, ofertado um cargo em seu governo para o candidato tucano Carlos Roberto Osório.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Eduardo Cunha já foi procurado por produtores de cinema interessados em levar para a telona o livro que promete lançar em dezembro, revelando as entranhas do impeachment. •••  Os advogados de Lula deverão acionar o Google. Buscas pela expressão “Maior ladrão do Brasil” levam a imagens do ex-presidente. •••  O PSDB tenta emplacar o nome de Renato Villela, ex-secretário de Fazenda de Geraldo Alckmin, como ministro do Planejamento. Villela também está cotado para um cargo na Pasta da Fazenda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.08.16
ED. 5438

TV Anastasia

 Cada sessão da comissão do impeachment na TV Senado já é tratada no PSDB como um ato de campanha de Antonio Anastasia ao governo de Minas Gerais em 2018. Isso, claro, se a Lava Jato não interromper a caminhada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

• Na cúpula do PSDB e da campanha de João Doria, já se dá como certo que José Serra fará a traição completa. Ou seja: além de costurar, nos bastidores, a chapa Marta Suplicy (PMDB) e Andrea Matarazzo (PSD), subirá no palanque da dupla.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.07.16
ED. 5414

Santo de casa

 Frase dita por José Serra diante do anúncio de que o PP, de Paulo Maluf, embarcou na candidatura do tucano João Doria, unindo-se a outros cinco partidos: “Agora só falta o apoio do próprio PSDB”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, trabalha desde já para ser o candidato do PSDB ao governo de São Paulo em 2018, com as bênçãos de Geraldo Alckmin.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.16
ED. 5380

Temer à mineira

 O vice-governador de Minas Gerais, o peemedebista Antonio de Andrade, vem mantendo intensa interlocução com empresários locais e partidos da oposição – a essa altura, oposição apenas a Fernando Pimentel. Diferentemente da sua dúbia postura no plano nacional, o próprio PSDB já teria se colocado à disposição para participar de uma eventual gestão Antonio Andrade. Seria o “palanque” para a candidatura de Antonio Anastasia ao governo do estado em 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Bernardinho está cotado para ser o vice de Carlos Roberto Osório na disputa pela Prefeitura do Rio. Ao lado de Armínio Fraga, o treinador foi um dos grandes responsáveis pela ida de Osório para o PSDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.04.16
ED. 5343

Sedução

 Marta Suplicy, pré-candidata à prefeitura de São Paulo pelo PMDB, diz que, se vencer a eleição, chamará o PSDB para compor o governo. O afago tem endereço certo: os tucanos que não engolem a candidatura de João Dória. Como se sabe, não são poucos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.04.16
ED. 5340

Dissonância tucana

 O PSDB não sabe o que fazer com o senador Aécio Neves. E vice-versa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.16
ED. 5332

Portas fechadas

A deserção de Andrea Matarazzo já é página virada. Agora, a preocupação do comando do PSDB em São Paulo é evitar que o ex-tucano arraste para o PSD vereadores e deputados estaduais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

  Passados os momentos de euforia, a noite do último domingo foi de preocupação para os principais líderes do PSDB. Até o início da madrugada, a cúpula do partido, notadamente Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin, Aécio Neves, José Serra, Alberto Goldman e Aloisio Nunes Ferreira, manteve uma intensa linha cruzada de conference calls e trocas de mensagens, nas quais expressaram sua apreensão com o rescaldo das manifestações. Nas entrelinhas, os protestos acabaram se revelando um sinal de alerta para o PSDB. Na avaliação dos caciques do partido, ficou claro que a sigla não capitalizou a mobilização das ruas. O PT sangra abundantemente, mas os tucanos não conseguem se aproveitar dessa hemorragia.  Em diversas capitais do país, menções ao PSDB geraram vaias. A maior surpresa, contudo, foi com a “acolhida” que os dois pré-candidatos do partido à presidência tiveram na Av. Paulista. Assim que chegaram ao local, por volta das 16 horas, Geraldo Alckmin e Aécio Neves foram longamente apupados. O senador mineiro foi recebido aos gritos de “Aécio ladrão”. Alckmin, por sua vez, teve de enfrentar impropérios relacionados ao desvio de merenda nas escolas públicas e à crise no abastecimento de água no estado. Escoltados por policiais à paisana, não permaneceram mais do que 20 minutos entre os manifestantes. Foram aconselhados pelo secretário estadual de segurança, Alexandre de Moraes, a voltar para o carro. Antes, segundo o RR apurou, Moraes teria solicitado reforço policial.  Pesquisas encomendadas pelos tucanos já traziam sinais de que a epidemia anti-PT começa a contagiar o PSDB, além do próprio PMDB – a rigor, os partidos que realmente contam no jogo político. Entre os tucanos a maior dose de antipatia é dirigida a Aécio Neves, possivelmente uma reação à postura mais radical do senador mineiro. A percepção é que ele escalou em demasia a bandeira do impeachment de Dilma Rousseff, passando ao eleitor mais sensível a clara sensação de que sua única preocupação é antecipar as eleições de 2018 em nome de um projeto pessoal. Ressalte-se que o senador mineiro já vem em um processo de desgaste que se acentua com a delação premiada de Delcídio do Amaral. Os depoimentos do petista trazem Aécio para a Lava Jato.  A falta de maior apoio mesmo entre a parcela da população que defende a queda de Dilma Rousseff aumenta a preocupação dos tucanos com o day after de um eventual impeachment. A inquietação alcança também a postura da mídia diante da continuidade da Lava Jato – e ninguém duvida de que ela sobreviverá, mesmo com uma troca de governo. O PSDB não tem qualquer garantia de que os vazamentos serão contidos e muito menos de que a imprensa se manterá distante de eventuais denúncias contra o partido. Por uma curiosa atração fatal, tucanos e petistas, dois extremos que se odeiam, podem acabar irmanados na beira do precipício, mesmo que de costas um para o outro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.03.16
ED. 5319

Os tucanos de hoje, de ontem, de sempre

  Ainda sobre a conveniente colaboração do PSDB com o governo Dilma Rousseff – claro que nos assuntos que lhe são convenientes – empurrada pela oposição do próprio PT (ver RR de ontem): mesmo que, por linhas tortas, a postura dos tucanos repete outros momentos históricos. Na era Vargas, por ocasião da criação da Petrobras, a UDN (agora sob o codinome do PSDB) virou às costas ao seu ideário liberal e defendeu o monopólio estatal sobre o petróleo. Depois, apoiou medidas progressistas do Executivo apenas para contrariar o PTB, que estava contra. Durante o governo de Jânio Quadros, a esquerda toda deu cobertura à reformulação da política externa enquanto o PSDB (na época, com o codinome de UDN) cortava os pulsos. Como sabemos, nos dois casos, o futuro não deu coisa boa. Não por acaso, conhecido professor, mestre da ciência política no Brasil, informa: “O que anda por aí não vai acabar bem. Surto de violência legal e cívica se aproxima, não havendo indícios de providências para evitá-lo”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.03.16
ED. 5318

PT entrega Dilma de bandeja aos tucanos

 O PT está conseguindo um feito até então considerado impossível: empurrar o PSDB para o lado do governo Dilma Rousseff. Trata-se de um jogo de cartas marcadas, no qual o apoio dos tucanos deve ser entendido como um projeto de captura. Ou seja: se o governo apoiar as “boas ideias” do PSDB, contará com a sua adesão no Congresso e a sua banda de música. Ideias não faltam aos tucanos. O senador Tasso Jereissati esteve no Rio na semana passada caçando mais propostas para o take over de Dilma. A equação é simples assim: se houver impeachment ou cassação da chapa no TSE, o PSDB está pronto para se apresentar; se não houver nem uma coisa nem outra, o governo já estaria todo dominado. Ressalte-se que Aécio Neves não faz parte desta articulação. Ele seria mantido como liderança da tropa de choque do partido.   Tasso foi explícito em relação à estratégia dos tucanos: “Se Dilma optar pelas medidas corretas, nós apoiamos”. Os projetos de lei do senador José Serra caminham na mesma direção, notoriamente o fim da participação obrigatória da Petrobras nos blocos do pré-sal. É como se o PSDB fosse o partido do governo. Por essa lógica, quanto maior for a rachadura entre o PT e o Palácio do Planalto, maior a dependência da gestão de Dilma em relação ao tucanato. A mudança de posicionamento do PSDB segue um cálculo elementar: o tamanho da crise e as pernas bambas do governo abrem espaço para um jogo cooperativo que até então era radicalmente rejeitado pela oposição. O PT entra no cenário para contribuir com o imprevisto: isolar Dilma Rousseff e viabilizar que as políticas por ele condenadas venham a ser adotadas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.02.16
ED. 5307

Pega na mentira

 Gabriel Chalita não perde a chance de mostrar que é próximo do governador Geraldo Alckmin. Tem espalhado entre tucanos que foi sua a indicação de José Nalini para a Secretaria de Educação. Para começar, vai ter de se retratar porque Alckmin tem dito no PSDB que a escolha de Nalini é da sua própria cota pessoal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.02.16
ED. 5306

Importuno

 O pedido de investigação no STJ contra o governador do Paraná, Beto Richa, suspeito de envolvimento em um esquema de desvio de dinheiro de campanha, reduziu bastante as chances de um acordo político com Álvaro Dias. O senador, que trocou o PSDB pelo PV, mantém laços com o antigo partido no estado. Richa contava com Dias para fechar alianças nas principais cidades do estado nas eleições deste ano e até na disputa pelo governo, em 2018. Mas Dias já sinalizou que buscará outros caminhos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.01.16
ED. 5295

Cabo eleitoral

 João Doria torce para que Geraldo Alckmin chame Andrea Matarazzo, o outro pré- candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB, para uma conversa tête-à-tête, a exemplo do que fez recentemente com José Luiz Datena. O apresentador entrou na sala de Alckmin como candidato à Prefeitura e saiu de lá disposto a nunca ver seu nome em uma urna eletrônica.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.01.16
ED. 5280

Galo com tucano

 O prefeito de BH, Marcio Lacerda (PSB), costura uma aliança com o PSDB para lançar o ex-presidente do Atlético-MG Alexandre Kalil como candidato à sua sucessão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 No PSDB, notadamente no PSDB de Aécio Neves, há quem compare a trapalhada de Geraldo Alckmin com o sigilo de documentos do metrô à recente decisão de Dilma Rousseff de tirar poderes dos comandantes das Forças Armadas. Tanto um quanto outro tiveram de voltar atrás no dia seguinte, quando a lambança já estava consumada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.09.15
ED. 5217

Saque tucano

O PSDB do Rio – sim, ele existe – ressuscitou a candidatura de Bernardinho à Prefeitura do Rio. O maior senão é o calendário olímpico. Como os Jogos ocorrerão apenas dois meses antes das eleições, Bernardinho teria de fazer uma campanha-relâmpago. Em compensação, se tudo der certo, poderá subir nos palanques com um valioso cabo eleitoral: uma medalha de ouro no peito.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Luciano Huck deverá ser o animador de campanha de João Doria Jr., caso ele saia como candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo. Como se imagina, Huck traz na sua cauda metade da Rede Globo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 À luz do dia, Eduardo Cunha posterga a apreciação dos pedidos de impeachment de Dilma Rousseff; na calada da noite, estaria instruindo deputados do PSDB e do DEM de como usar o próprio regimento da Câmara para acelerar a tramitação das requisições.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.08.15
ED. 5183

“Tucanews”

O PSDB vai espalhar uma série de “repórteres” pelas principais capitais do país para acompanhar os protestos do próximo domingo. O objetivo é não apenas cobrir as manifestações nas mídias sociais como enviar vídeos de “internautas” para redes de TV.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.08.15
ED. 5180

Cidadão Doria

No PSDB discute-se a possibilidade de João Doria Jr. ocupar um cargo no governo de Geraldo Alckmin para ganhar visibilidade junto à população. O empertigado candidato tucano teria até junho do ano que vem, data-limite da desincompatibilização, para se apresentar ao eleitorado paulistano e mostrar que é “gente como a gente”.7

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.08.15
ED. 5179

Além do PDT e do PMDB

 Além do PDT e do PMDB, ACM Neto flerta também com o PSDB, que, aliás, governou durante oito anos de mãos dadas com seu avô. O casamento, no entanto, teria seu preço: em 2018, o neto de ACM seria o candidato ao governo baiano. E nada mais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.08.15
ED. 5178

Cidade Alerta I

São Paulo é mesmo impagável: disputam para ser candidato a alcaide um aristocrata legítimo e um animador de auditórios empresariais. Pensando bem, impagável mesmo é o PSDB, berço do duelo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.06.15
ED. 5149

Enquanto o senador-candidato Aécio Neves

Enquanto o senador-candidato Aécio Neves dá a partida numa caravana pelas principais capitais brasileiras, Geraldo Alckmin olha para dentro de casa – mesmo porque é o possível para este momento. O governador pretende intensificar suas viagens pelo interior de São Paulo. Vai ter “Picolé de chuchu” para tudo que é lado. Uma das ideias do staff de Alckmin é o velho expediente de “transferir” por um dia a sede do governo para um determinado município.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.06.15
ED. 5147

O bem que escorre das vísceras do mal

O projeto de lei para melhoria da governança estatal, com assinatura intelectual do advogado Marcelo Trindade e do ex-quase futuro ministro da Fazenda, Arminio Fraga, é intocável. Mas, como tudo que vem de Fraga, tem uma intenção adjacente que macula os bons propósitos. A esterilização do poder das estatais implementarem políticas públicas é meritória porque desata um antigo conflito de interesses com o objetivo maior da empresa: gerar lucros crescentes. Mas o que Fraga quer mesmo é reduzir a capacidade de manobra da gestão petista, em um momento que o governo dá sinais de asfixia. A pá de cal na colaboração dada pelas sociedades de economia mista arrebenta algumas cordas do violão do governo. O projeto de lei foi apresentado formalmente pelo senador Aécio Neves. Detalhe: nem o playboy tucano nem o ex-quase futuro ministro colocaram essa pérola no programa do então candidato do PSDB a  Presidência da República. Se fossem eleitos, esqueceriam a matéria, que, repetimos, é da maior importância.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.03.15
ED. 5091

O dia 19 de maio

O dia 19 de maio é motivo de apreensão entre o acéfalo staff de comunicação do Planalto. Nessa data, está marcado o primeiro programa em rede nacional do PSDB em 2015.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.03.15
ED. 5090

Um conto sem fadas na Câmara

Eduardo Cunha tomou uma decisão sobre sua trajetória a  frente da Câmara dos Deputados: vai governar o país. Cunha pretende exercer plenamente o poder, deixando clara sua condição de condutor do destino nacional. Segundo fonte ligada ao deputado – inclusive, por diversas vezes, parceira no noticiário dos jornais -, Cunha se preparou para exercer esse papel ao longo dos dois anos de seu mandato na presidência da Câmara. Cabe lembrar que não há reeleição na mesma legislatura, a não ser com uma mudança no regimento – mas, aí, são outros quinhentos. Contando nos dedos os aliados certos, prováveis adesistas e os “Maria vai com as outras”, Cunha já soma duas centenas de votos na Casa. É a Branca de Neve com seus duzentos anões. Se caminhar na direção do governo, vota com o PT. Se for na contramão, vota com o PSDB. Seu projeto é temperar o domínio sobre os congressistas com a aparente isenção em relação ao fato político. O sal do seu apoio é a satisfação da sua base aliada. Lá no futuro, quem sabe ele não unifique as vontades do Executivo e Legislativo. Por enquanto, Dilma Rousseff terá de compartilhar seu governo, ao que tudo indica, inexoravelmente. Cunha, ao contrário da presidenta, acha que o passar do tempo só fortalece o seu intento. O Brasil agora tem dois mandatários.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.