Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
assuntos

Pif Paf

Relacionados

16.10.15
ED. 5228

Há mais dúvidas do que carne no prato da Pif Paf

 Dono do Pif Paf, uma espécie de campeão do segundo grupo dos frigoríficos nacionais, Luiz Carlos Costa está parado em frente a uma bifurcação. A decisão que lhe cabe não é simples: de um lado, a opção de insistir na compra de pequenas indústrias regionais e, assim, seguir à frente do negócio fundado por seu pai há meio século; do outro, a tentação de colocar um caminhão de dinheiro no bolso com a venda da companhia. A pressão para que ele escolha este segundo caminho vem de fora e de dentro de casa. A BRF não sai da sua porta. Já teria oferecido mais de R$ 500 milhões pelo Pif Paf. Ao mesmo tempo, sua família faz força pelo negócio, temerosa de que Costa perca a oportunidade e, mais adiante, seja obrigado a se desfazer da empresa na bacia das almas.  Os fatos recentes alimentam a apreensão familiar. Com um faturamento de R$ 1,8 bilhão, o Pif Paf já viveu dias melhores. Os planos de expansão nacional e compra de frigoríficos fora de Minas Gerais foram abandonados há pouco mais de um ano. No mesmo período, Costa baixou a guarda e tentou atrair um investidor para o capital da empresa. Conversou com muitos fundos, daqui e de fora, mas divergências quanto à precificação do ativo brecaram o negócio. A BRF é o que Costa tem à mão neste momento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.12.14
ED. 5013

Pif Paf é mais uma presa na mira de Abílio Diniz

Abílio Diniz está com sua calibre 12 apontada para uma nova presa. Desta vez, o alvo a ser abatido atende pelo nome de Pif Paf Alimentos. Responsável por mais de 20% das vendas de frango no país por meio das marcas Sadia e Perdigão, a BRF enxerga a compra do frigorífico mineiro como um movimento fundamental para ampliar esta participação. A aquisição permitiria ao grupo aumentar em aproximadamente 10% a sua capacidade de produção – o Pif Paf abate cerca de 350 mil aves por dia. A BRF ainda adicionaria ao seu faturamento cerca de R$ 1,8 bilhão por ano. Herdaria também unidades em nove cidades mineiras e outras duas em Goiás, além de cinco fábricas de alimentos industrializados. Para a empresa comandada por Abílio Diniz há ainda uma razão estratégica tão importante quanto todos estes números. Ao comprar o Pif Paf, a BRF tiraria das gôndolas do mercado um dos poucos ativos de porte que escaparam da consolidação do setor. Ressalte-se que a investida sobre o Pif Paf se dá em um momento de mudanças nevrálgicas na gestão da BRF. No fim do ano, Claudio Galleazzi, lugar-tenente de Abílio Diniz, deixará a presidência da companhia. Será substituído por Pedro Faria, atual CEO da área internacional da empresa. Uma das missões de Faria é justamente revigorar a operação da BRF no segmento de aves. No ano passado, o volume de vendas de frangos in natura no mercado interno caiu 16%. As exportações, por sua vez, recuaram 3%. A BRF identifica no Pif Paf alguns sinais de fragilidade que podem facilitar sua caçada. As tentativas da empresa de atrair um sócio minoritário, leia-se um fundo de investimento, foram tiros n’água. Com isso, o plano de se fortalecer mediante a compra de um concorrente de maior porte – um dos alvos seria a Big Frango – ficou pelo caminho. O Pif Paf não tem demonstrado fôlego sequer para manter a política de aquisições de abatedouros de menor calibre que a caracterizou nos últimos anos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.