fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
24.11.21

Se a moda pega…

A 17a Câmara Cível do TJ-RJ condenou a Prefeitura do Rio e a Novonor a pagar uma indenização de R$ 15 mil a Marcia Denise Pereira de Matos, que se acidentou em uma rua da cidade, em 2012. A vítima teve graves lesões no pé direito após tropeçar em vergalhões de uma obra de responsabilidade da então Odebrecht. O município e a empreiteira terão de arcar ainda com seis salários-mínimos, referentes ao período em que Marcia ficou sem trabalhar. O que mais chama a atenção é a punição à Novonor. Há poucas decisões dessa natureza, ao menos no Judiciário do Rio. O veredito da 17a Câmara Cível pode estabelecer uma nova jurisprudência dentro do TJ-RJ.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.11.21

Um Odebrecht longe e perto do passado

Depois da esposa e das três filhas mudarem na Justiça o sobrenome da família, agora é Marcelo que quer deixar de ser Odebrecht. Pelo jeito, somente Emílio, o patriarca do clã manterá o nome da família. Em tempo: Marcelo tem dado umas incertas na Novonor, que já foi Odebrecht um dia, usando as instalações da empresa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.10.21

A Novonor sai, pero no mucho

A Novonor (a antiga Odebrecht), que negocia a venda da concessão da BR-163 entre as cidades de Rondonópolis e Sinop para a MTSul, vai manter um pé nessa estrada. Um pé muito bem remunerado, diga-se de passagem. O acordo sobre a mesa prevê a contratação da empreiteira para obras na rodovia, no valor de aproximadamente R$ 500 milhões. Dos 453 quilômetros da via, mais de 320 km ainda esperam pela sua duplicação, uma obra que deveria estar pronta desde 2019.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.08.21

Segundo tempo

O fundo Lone Star está garimpando novos ativos no setor sucroalcooleiro, notadamente no interior de São Paulo. Os norte-americanos, ressalte-se, assumiram o controle da Atvos, antigo braço de açúcar e etanol da Odebrecht.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.07.21

Braskem na mira

A chinesa Sinopec entrou na disputa para comprar a participação da Odebrecht na Braskem, avaliada em cerca de R$ 14 bilhões. Seria a primeira investida dos chineses na indústria petroquímica brasileira. Também estão no páreo nomes como Advent e Lyondellbasell.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.01.21

Estação STF

Queiroz Galvão, OAS e Odebrecht estão dispostas a ir ao STF na tentativa de anular decisão da Justiça que as obriga a devolver cerca de R$ 1,5 bilhão ao metrô de São Paulo. O STJ já negou pedido similar do trio, condenado por conluio na licitação para a expansão da linha 5 do metrô paulista.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.20

Vade retro

Voltou à baila a história da venda da sede do Jockey Club do Rio. É um papo velho. Há centilhões de interesses envolvidos no negócio que não deixam ele andar. Se Sérgio Cabral e a Odebrecht ainda estivessem dando cartas, talvez…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.07.19

BNDESPar pula do trem

No que deve ser uma das primeiras operações da gestão Montezano, a BNDESPar vai vender sua participação na Odebrecht TransPort (OTP), por sua vez sócia minoritária da Supervia. Deverá ter a companhia do FI-FGTS, gerido pela Caixa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.06.19

Luz no fim do túnel para a Odebrecht

A recuperação judicial da Odebrecht vem sendo tratada como o último ato da companhia. Mas também pode ser um bálsamo para a enfermidade do grupo. Existem ativos valiosos que não foram contaminados. São eles a Braskem, a Odebrecht Engenharia & Construção (OEC) e a Odebrecht Latinvest (OLI), braço da companhia no Peru, Colômbia e México. A Braskem é senhora do seu destino. A OEC avança na reestruturação de seus bonds, sem risco de contágio pela holding. E o Prosub – Programa de Desenvolvimento de Submarinos – permanece como estuário de um contrato de R$ 30 bilhões. Além do Riachuelo,lançado ao mar em dezembro do ano passado, o contrato prevê a entrega de mais três submarinos convencionais e de um nuclear até 2029. A OLI, por sua vez, tem concessões importantes no Peru – IIRSA Norte, IIRSA Sur e o Projeto de Irrigação Olmos. São quase 2.000 km de rodovias pedagiadas e 48 mil hectares de terras com alta produtividade agrícola. A Odebrecht ainda tem muito jogo pela frente.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.05.19

Nos trilhos

Dois grandes grupos asiáticos, um chinês e outro japonês, vêm mantendo conversações com os governos de São Paulo e do Distrito Federal. Em jogo, a licitação da linha 6 do metrô paulistano e a privatização do Metrô de Brasília. No caso de São Paulo, são necessários R$ 8 bilhões para a conclusão das obras. A linha 6 vinha sendo construída por um consórcio entre Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC, que deixaram o projeto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.