Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
24.05.17
ED. 5625

Heróis da resistência

Há uma história a ser contada sobre a sucessão de Murilo Ferreira na presidência da Vale. Um capítulo já foi revelado, com a divulgação da conversa indecente de Aécio Neves e Joesley Batista tentando lotear o comando da companhia. Outros capítulos igualmente indecorosos ainda virão à tona – o RR pretende contá-los. O raro destaque positivo nessa inescrupulosa articulação foi a heroica resistência dos acionistas da mineradora, notadamente Bradesco e Banco do Brasil, que evitaram a ocupação não somente da presidência, mas de qualquer cargo de diretoria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Eliezer Batista, founding father da Vale, diz que, frente às intempéries, o presidente da companhia, Murilo Ferreira, “fez o possível e o impossível”. Segundo Eliezer, “ele deveria ficar na presidência da empresa”. Por falar em presidência da Vale, o que Michel Temer tem a ver com isso? Vai colocar o cargo na conta da coalizão partidária? Tá mesmo tudo dominado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.01.17
ED. 5548

Ajustes deixam Vale na medida certa

A gestão do presidente da Vale, Murilo Ferreira, merece no mínimo uma nota oito. A medição do RR é fortemente influenciada pelo êxito no corte geral de despesas. Para dar uma ideia do fio da tesoura, em uma das áreas mais complicadas para compressão dos custos, o Centro Corporativo da companhia, Ferreira conseguiu uma redução de 80% em relação ao dólar/tonelada. O resultado está precificado na valoração da Vale, que saiu de US$ 16 bilhões, em 2015, para US$ 40 bilhões, neste ano. Mas a boa-nova, boa-novíssima, é que Ferreira já sinalizou que as demissões acabaram. Parece outra companhia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.16
ED. 5474

Campanha contra Murilo?

 Uma boa medida da obsessão do governo em substituir o presidente da Vale, Murilo Ferreira, é o número de 16 citações na mídia sobre a saí-da do executivo no espaço de três meses. As “fontes em off do governo” insinuam que é preciso que alguém pague o pato do desastre da Samarco. Não fosse a tragédia, Ferreira estaria sendo saudado como o gestor que toureou a maior crise internacional dos preços do minério. Paciência! A reboque do noticiário sobre a eventual partida de Ferreira desponta o nome de José Carlos Martins, com 13 inserções na imprensa no mesmo período. Martins carrega duas curiosidades: diretor de ferrosos na gestão de Roger Agnelli, tinha uma “boa” ligação com o ex-presidente da Vale – tanto que conspirou para depô-lo; também trabalhou com Benjamin Steinbruch, primeiro controlador da Vale pós-privatizada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.07.16
ED. 5402

Venda da BR Distribuidora fica no meio tanque

 A opção pela coluna do meio – dividir o controle da BR Distribuidora irmãmente com um investidor – é a saída pela tangente hoje majoritária entre os membros do Conselho de Administração da Petrobras. Ela acomoda a disposição privatista do presidente da estatal, Pedro Parente, que sairia perdedor caso tentasse, a exemplo do antecessor Aldemir Bendine, vender a maior parte ou mesmo a totalidade do capital da companhia. E também vai ao encontro das ponderações do ex-presidente do Conselho da estatal e nº 1 da Vale , Murilo Ferreira, contrário à venda da empresa já, ou seja, antes de um choque de gestão capaz de valorizar o preço do ativo. No novo modelo de associação mano a mano, a gestão seria profissionalizada, o que permitiria em um valuation futuro vender parte do capital em mãos da Petrobras com um elevado prêmio pelo controle, lançando mão da golden share para algumas funções estratégicas da distribuidora.  Abrir mão de 50% das ações da BR é um caminho intermediário: a “mãe” será capitalizada sem perder a ingerência sobre uma companhia que tem, digamos assim, outros deveres relevantes além de gerar lucro na boca da mangueira de gasolina. A BR cumpre uma série de atribuições estratégicas, que vão além das suas fronteiras corporativas e muito provavelmente não seriam seguidas à risca por um investidor privado. A empresa garante o escoamento dos derivados produzidos pela Petrobras, evitando a asfixia das refinarias estatais. Abastece regiões ermas do país, das quais as concorrentes nem chegam perto devido à baixa escala. Garante o fornecimento aos governos federal, estaduais e municipais de asfalto e emulsões para rodovias de todo o país. A importância da BR chega ainda à área de defesa: a companhia integra o Sistema de Segurança Nacional, sendo responsável pelo abastecimento de combustível de todas as Forças Armadas. Antes de mexer nesse vespeiro, o presidente da Petrobras tem muita coisa para arrumar na frente. Quer trazer profissionais gabaritados do mercado para tocar a BR, mas o primeiro passo é iniciar já a mudança de todos os processos da companhia. Vai contratar o onipresente consultor Vicente Falconi, que dará o ar da sua graça em conferência na Petrobras neste fim de semana. O cartão de visita de Falconi não é uma navalha, mas uma nota fiscal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.06.16
ED. 5385

O que Temer faz não é o que Temer diz

 A Vale está prestes a levar um golpe. Um golpe que expõe a farsa dos anúncios feitos pelo presidente interino Michel Temer. Ao que tudo indica, a volta das privatizações, a gestão independente das empresas estatais, o respeito aos contratos e o primado da governança não passam de bolhas de sabão: tão logo estourem, terão servido apenas para que escorreguem no solo movediço aqueles que acreditaram em promessas. Temer pretende intervir no comando da Vale, uma empresa privada, arrombando com abuso de poder e a chutes de coturno o direito de seus acionistas majoritários. Quer destituir o presidente da mineradora, Murilo Ferreira, à revelia dos seus controladores. É o mesmo Temer que diz que irá privatizar para proteger as estatais da intervenção política do governo.  O presidente da Vale, Murilo Ferreira, é um quadro técnico, que tem enfrentado com valentia, e em silêncio, as maiores tormentas arrostadas por um dirigente do setor privado em tempos recentes. Ninguém foi mais afetado pela crise das commodities do que a Vale. Que outra grande corporação teve seu faturamento reduzido a 30% da média histórica dos últimos 20 anos? E o que dizer da tragédia da Samarco? Ferreira tem feito a sua parte. Se for atingido, será por um golpe baixo, pois sua permanência no comando da companhia já foi decidida em reunião do Conselho de Administração há dois meses. Sairia devorado pelos pantagruéis saqueadores dos cargos que não lhes pertencem. Estranha sina esta da Vale, que parece se confundir com a do Brasil. Ambos, a seu jeito e maneira, atravessaram processos de quebra da normalidade em um terço de século. Será um ato de exceção se Temer conseguir encurralar os acionistas controladores da Vale. Não vai ter golpe.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.05.16
ED. 5366

Opinião

 É preciso combater energicamente o lobby para substituir o presidente da Vale, Murilo Ferreira. A mineradora é uma empresa privada e não um joguete nas mãos de políticos de notória folha corrida. E Ferreira é um craque no que faz.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.15
ED. 5208

Desvincular, eu?

 Quem disse que Murilo Ferreira saiu da Petrobras para desvincular seu nome do de Dilma Rousseff? Bobagem! Ele não é homem disso. Mais fácil assumir a Casa Civil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.06.15
ED. 5142

Petrobras inaugura a era do “menos é mais”

 É grande a possibilidade de Murilo Ferreira vir a ser mais lembrado como presidente do Conselho de Administração da Petrobras do que como presidente executivo da Vale. Nenhuma ressalva a  sua gestão a  frente da mineradora. Muito pelo contrário: entre as grandes companhias do setor, a Vale é quem tem feito o dever de casa com mais afinco. Mas o que está para ocorrer na Petrobras, sob a égide de Ferreira, vai ficar nos livros. A empresa anunciará em breve, breve, o maior plano de desinvestimento jamais realizado no setor, um pacote capaz de tornar risíveis os U$ 13 bilhões com os quais o presidente da estatal, Aldemir Bendine, brindou o mercado na sua chegada ao comando da estatal. Mas por que é Ferreira e não Bendine quem vai empunhar o cetro dessa empreitada? Simplesmente porque o protocolo está sendo seguido. Bendine, cujo bom trabalho é reconhecido, fortaleceu o Conselho de Administração no seu papel de balizador das diretrizes da companhia e tem reduzido o poder da diretoria executiva. Ferreira facilitou a liturgia, emprestando a força da sua autoridade ao cargo de presidente do Conselho. O Plano de Negócios e Gestão (PNG) 2015/19 – que deverá ser um marco da competência administrativa para alguns, e um brutal banho de sangue para outros – foi embrulhado por Bendine, mas teve seus laços extremamente apertados por Ferreira, que pediu uma redução drástica dos gastos projetados. Tudo soa demasiado no projeto. As demissões em massa têm um número previsto entre 70 mil e 100 mil pessoas. Os cortes serão principalmente de funcionários terceirizados. Causa arrepio na companhia a lembrança do último empréstimo feito quase que inteiramente para pagar gastos de custeio – por pouco não foi possível quitar a folha salarial. Mas sobrará também para a prata da casa. E a reestruturação deverá eliminar muitos cargos comissionados. As desmobilizações também surpreenderão o mercado: de unidades do parque de refino a  BR Distribuidora, passando pelos ativos de gás a  participação em campos petrolíferos. As novas refinarias também vão todas para o beleléu. Os números podem chegar a US$ 100 bilhões. Procurada pelo RR, a Petrobras afirmou que ainda não há uma data definida para a divulgação do novo PNG. Consultada sobre o número de demissões e a meta para o programa de desmobilização de ativos, a estatal não quis comentar. Murilo Ferreira considera fundamental esse choque de expectativa, pois o mercado não está acreditando que o governo fará uma política de reajuste dos preços dos combustíveis alinhada com a realidade. E faz bem mesmo em não acreditar. A independência de Ferreira como presidente do Conselho da estatal tem limites bem nítidos e a ortodoxia da política econômica vai até onde doem os calos do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ou seja, até o ponto em que não existe uma pressão maior sobre a inflação. Na diretoria da companhia há quem diga, a título de chiste, que o PNG deveria ser apresentado no ainda inabitável Centro Empresarial Senado, conjunto de prédios vizinho a  sede na Av. Chile e futura casa do alto comando da Petrobras. Seria mais do que provocativo, seria simbólico o anúncio de tamanho talho na empresa ser feito fora da sua moradia histórica. Em tempo: as fontes do RR são das áreas financeira e de estratégia corporativa da própria estatal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.03.15
ED. 5088

Mais uma sobre a Petrobras

 Mais uma sobre a Petrobras: o argumento de que Murilo Ferreira não pode assumir o Conselho de Administração da companhia porque ela e a Vale têm investimentos em comum – leia-se um projeto de potássio e um terminal portuário em Sergipe – parece lobby de gente contrária a  higienização da estatal. Em todas as grandes corporações mundiais, quando surge um conflito de interesses dessa natureza, o conselheiro se declara impedido e não vota na matéria em específico. Se derem ouvido a essa xaropada, só quem sai perdendo é a própria Petrobras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.02.15
ED. 5057

O discreto fã-clube de Murilo Ferreira

Ontem, na hora do almoço, protegidos do clima abafado que molestava o bairro carioca do Leme, o diretor da área de Fertilizantes e Carvão da Vale, Roger Downey, e o conselheiro suplente da companhia e representante da Mitsui, Eduardo Rodrigues, dividiam uma mesa de canto no restaurante D’Amici.  A Mitsui tem se revelado uma parceirona da Vale. Entrou, por exemplo, com cerca de US$ 3 bilhões nos projetos de exploração de carvão e logística da companhia em Moçambique. Preocupados com o entorno, ambos cochichavam quase de rosto colado. Do discretíssimo papo, somente pôde se entreouvir uma única declaração: “Esse Murilo é um craque”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Dilma Rousseff não tem relacionamento com Nildemar Secches. Aprecia Murilo Ferreira e Rodolfo Landim, com uma quedinha de milímetros pelo segundo. E gosta imensamente de Maria das Graças Foster; se bem que afetividade não é o “X” da questão. Até o momento são os dados que rolam para a Petrobras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.