Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
24.11.16
ED. 5502

Capítulos finais

Enquanto a fusão entre Bayer e Monsanto não é aprovada pelos órgãos antitruste internacionais, as duas companhias protagonizam o último capítulo de uma renhida concorrência no agronegócio brasileiro. Os alemães apostam suas fichas no lançamento da soja transgênica Liberty Link. A meta da Bayer é alcançar um quinto do mercado na próxima safra, tirando participação, sobretudo, da semente Roundup, comercializada pela Monsanto. No fim das contas, ficará tudo na mesma casa. Procurada, a Bayer confirmou a meta de venda da Liberty Link e reforçou que, até o fechamento do negócio, seguirá operando de forma independente da Monsanto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.08.16
ED. 5440

Syngenta prepara o defensivo para se manter na pole position

 A Syngenta vai dobrar para R$ 200 milhões a média anual dos investimentos no período de 2016 a 2020. A estratégia foi anunciada diretamente pelo novo CEO mundial do grupo, Erik Fyrwald, ao alto comando da filial brasileira, em visita ao país. A operação brasileira será uma das primeiras a passar por mudanças após a alteração do controle da companhia, que foi comprada pela China National Chemical (ChemChina). O objetivo do plano é evitar a perda da histórica liderança da Syngenta no maior mercado da companhia e responsável por 15% da receita mundial. A empresa está no topo do ranking brasileiro desde 2005. A mudança de status ocorrerá com a fusão entre a Bayer e a Monsanto . Juntos, alemães e norte-americanos terão 22% de market share contra 20% da Syngenta. A receita de vendas será de US$ 2 bilhões, bem acima do US$ 1,6 bilhão da atual líder. Para completar, a Bayer e a Monsanto reunirão quase mil pontos de venda, com cobertura nacional e poder de barganha para negociarem preferências ou até exclusividades com lojas em função do portfólio com mais de 120 tipos de produtos.  O aporte total da Syngenta nos próximos cinco anos equivale a 10% de tudo o que o mercado de defensivos agrícolas vende ao ano no Brasil. Os recursos serão exclusivamente destinados ao greenfield. A companhia vai ampliar o parque fabril de Paulínia (SP), distribuir nos seis estados em que ainda não opera e assim completar a cobertura nacional da rede de revenda. O total de pontos de venda dobrará para mil unidades até 2017, número próximo do que têm juntas a Bayer e a Monsanto.  Não é para menos a preocupação da Syngenta com o gigante Bayer/Monsanto. O Brasil é o maior mercado global de agrotóxicos. Movimenta mais de um milhão de toneladas anualmente e cresce 10% ao ano, mesmo em período de crise econômica. Além disso, o Brasil caminha para fechar o ano com receita equivalente a 20% do que fatura a Syngenta no mundo. Quase três quartos das vendas no país saem da comercialização de defensivos agrícolas. A escalada do mega-player Bayer/Monsanto no mercado trará consequências negativas, tanto no relacionamento com pontos de venda quanto na comercialização dos produtos devido à perda no poder de barganha. A ironia do destino é que a Syngenta tomou a liderança justamente da Bayer há 11 anos oferecendo todo tipo de vantagem aos revendedores, inclusive ações da companhia na Bolsa de Zurique. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Syngenta .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.06.16
ED. 5387

Feirão

 O presidente da Monsanto no Brasil, Rodrigo Santos, recebeu a missão de solucionar o que restou da Canavialis, divisão de negócios de cana-de-açúcar desativada no ano passado. A companhia tem três variedades geneticamente modificadas da planta que estão mofando na gaveta. A medida faz parte do plano de recuperação financeira da Monsanto, com cortes de US$ 300 milhões na sua operação mundial.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.16
ED. 5363

Garage sale

 A Raízen e a Copersucar têm interesse em ativos da CanaVialis, empresa de pesquisa desativada pela Monsanto. No pacote, equipamentos e patentes na área de biotecnologia. A Copersucar nega a negociação. A Raízen não fala sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.11.15
ED. 5244

Aviso prévio

 Os funcionários da Monsanto terão um fim de ano angustiante. É esperado para janeiro o anúncio da cota que caberá à subsidiária brasileira no pacote global de demissões da companhia, que prevê o fechamento de 2,6 mil postos de trabalho. Os eleitos vão se juntar aos 150 já degolados no mês passado, com o fechamento da CanaVialis, braço sucroalcooleiro da Monsanto no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.10.15
ED. 5238

Dupla utilidade

  A Monsanto costura com outros fabricantes de sementes a criação de uma organização não governamental para levantar a bandeira dos transgênicos. Há quem veja outras utilidades na iniciativa. A ONG seria um caminho para apoiar campanhas eleitorais caso o financiamento de empresas seja efetivamente proibido. Tudo, ressalte-se, absolutamente dentro da lei.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.07.15
ED. 5157

Monsanto

Satanizada no Brasil por conta da produção de transgênicos e da forma agressiva com que costuma cobrar royalties dos produtores rurais, a Monsanto quer colocar uma auréola sobre sua logomarca. Por intermédio da Fundação Monsanto, pretende patrocinar instituições ligadas a  agricultura familiar. Será que os produtores que usam sementes geneticamente modificadas terão prioridade?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.10.14
ED. 4977

Os planos da Bayer Crop

 Os planos da Bayer Crop- Science de disputar a dianteira no mercado brasileiro de sementes transgênicas estão perdendo fôlego. O lançamento da primeira variedade de soja geneticamente modificada do grupo no país, previsto para 2016, poderá ser postergado para o ano seguinte – oficialmente, a empresa nega o adiamento. Uma das maiores dificuldades é a obtenção de todas as licenças por parte do governo da China, maior importador de soja do Brasil. Monsanto e Syngenta, líderes do setor, agradecem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.03.11
ED. 4114

Embrapa vira aríete contra sementes das multinacionais

 O governo trabalha em um projeto que pega pela raiz as grandes multinacionais da área de agrociência presentes no país, a começar por Monsanto, Bayer e Syngenta. Em jogo, a criação de uma empresa 100% nacional voltada ao desenvolvimento e a  produção de sementes, convencionais e transgênicas. O objetivo é criar uma alternativa ao oligopólio que as empresas internacionais estabeleceram no país. A companhia ficaria pendurada na Embrapa. Estão debruçados sobre o projeto o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, e da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante. A proposta tem o apoio da bancada ruralista e de políticos ligados ao setor. Um dos principais interlocutores do governo tem sido o senador Blairo Maggi. O exgovernador do Mato Grosso se compromete a retomar no Congresso a antiga proposta do senador Delcídio do Amaral para a abertura de capital da Embrapa. A entrada de novos sócios, preferencialmente fundos de pensão e outros grandes investidores de capital nacional ? financiaria a criação da nova subsidiária.  Este é um daqueles projetos nos quais o governo só enxerga benefícios para todos os envolvidos. O principal objetivo é criar uma empresa capaz de concorrer e minar a primazia das multinacionais no desenvolvimento e venda de sementes, notadamente transgênicas. Hoje mais de 70% dos pedidos de patentes apreciadas pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) são enviados por empresas internacionais. O maior beneficiado seriam os agricultores, que passariam a ter uma nova opção para a compra de sementes. Hoje, estão praticamente na mão de três ou quatro companhias estrangeiras que estabelecem os preços do insumo e impõem draconianos reajustes anuais. O caso mais emblemático é o da Monsanto, que vive a s turras com os agricultores, principalmente nos períodos de aumento dos royalties das sementes de soja geneticamente modificadas. Entidades representativas do setor, como a Aprosoja, regularmente acionam o Ministério da Agricultura por conta da truculência com que a Monsanto conduz as negociações.  A expectativa do governo é que a nova empresa passe a arbitrar os preços das sementes transgênicas, forçando as multinacionais do setor a rever o valor dos seus royalties. Além disso, o projeto daria um novo status a  própria Embrapa, que ganharia um braço de trader com musculatura suficiente para desenvolver e comercializar sementes em outros países da América do Sul

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.