Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.06.17
ED. 5644

Um Rabello de Castro para cada estação

O grand finale da gestão Maria Sílvia Bastos Marques no BNDES, ocorreu ontem, quando o banco comemorou 65 anos. A homenagem feita pelo seu sucessor, Paulo Rabello de Castro, ao economista e professor Carlos Lessa, ex-presidente da instituição, foi um verdadeiro manifesto de um novo tempo. Lessa foi agraciado com a entrega da medalha “Mérito Desenvolvedor”, por indicação da Associação dos Funcionários do BNDES.

A cena teve tintas fortes. Rabello de Castro desceu do palco onde se encontrava para abraçar o professor, que estava sentado na primeira fila da plateia. Quem viu a emoção externada por Rabello de Castro até acreditou que ele sempre teve apreço por Lessa. Mas o RR já tinha previsto: Rabello de Castro, um pragmático monolítico, será adorado pelos funcionários do banco.

Mesmo que para isso seja necessário negar tudo o que disse e fazer aquilo em que não acredita. Para quem não lembra, convém recordar que Rabello de Castro foi uma das muitas vozes discordantes do professor Carlos Lessa quando ele, na presidência do BNDES, autorizou a compra de 2,8% das ações da Vale pertencentes ao clube de investimentos da companhia (InvestVale) ao custo de R$ 1,5 bilhão. A medida evitou que a mineradora fosse desnacionalizada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.05.17
ED. 5629

Ainda o BNDES…

Só para virar de vez essa página: o Planalto já sabia desde início da semana passada que Maria Silvia Bastos Marques deixaria a presidência do BNDES; só não sabia quando. Quem definiu o timing da demissão foi a própria Maria Silvia.

Quanto a Paulo Rabello de Castro, é maldade dizer que ele não está à altura do cargo. Rabello de Castro é um economista de formação ultraliberal, que passou meio escondido as últimas décadas, dividindo-se entre conselhos de entidades de companhias paulistas (esse detalhe é importante) e a sua empresa, a SR Rating. Nos anos 80 e 90, foi os quindins do professor Octávio Gouveia de Bulhões quando exercia a função de redator da revista Conjuntura Econômica. É capaz de manjar mais da indústria do que Maria Silvia. Era um dos quadros destacados entre os economistas jovens da FGV. Rabello de Castro, junto como o economista Paulo Guedes, era devoto de Roberto Campos. Quando perguntado sobre o que achava de ambos, o ex-ministro destilava seu fino humor: “Tanto faz um quanto o outro. A ordem dos Paulos não altera o produto”. Ao contrário da antecessora, o novo presidente do BNDES prefere adular a ser adulado. O corpo de funcionários vai gostar mais de Rabello de Castro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.03.17
ED. 5569

BNDES asperge tristeza sobre um governo carente de contentamento

Um relatório sobre a geração de boas notícias na área econômica, com base em anotações de clipping, foi enviado para poderosas salas da Esplanada dos Ministérios. A conclusão não insinua qualquer dúvida: as notícias que emanam do BNDES são espartanas, rigorosas, sob medida para nutricionistas adeptos da dieta da inanição. O banco se vestiu de cinza quando o Ministério da Fazenda, do Dr. Meirelles e o Banco Central, do Dr. Ilan, baluartes do mau humor monetário, se esforçam para espremer do limão da ortodoxia uma limonada de medidas microeconômica e abençoar as reduções da taxa básica de juros.

O BNDES dinamitou sua ponte com o empresariado, talvez o grupo que mais decididamente tenha apoiado o presidente Michel Temer. Com a sensibilidade à flor da pele, Maria Sílvia Bastos Marques fez, na terça-feira pré-carnavalesca, uma tour de force em Brasília, com uma providencial reunião com Temer seguida de entrevista pré-combinada para divulgar o que foi dito no encontro. Os dirigentes privados, não é de hoje, reclamam que o crédito se tornou mais seletivo, burocrático e com custos mais altos, justamente quando os potenciais investidores ardem sedentos de liquidez.

A direção do banco diz que está aberta a bons projetos, mas o empresário, elevadamente endividado, operando com capacidade ociosa, com os pátios cheios de estoques e ainda com uma ponta de dúvida sobre as reformas, se ressente dos maus tratos nesse momento de calvário. Um não leva projetos porque não se sente acolhido; o outro não empresta porque não recebe projetos. Há bons argumentos para ambos os lados. O BNDES, sem dúvida, teve de limpar a casa do tsunami da gestão anterior. No entanto, parece que se empenha em demasia na cruzada contra o crédito direcionado, que precisa ser reduzido, mas sem fúria religiosa.

Caso o seu mais longevo presidente, Marcos Vianna, estivesse vivo, desempataria a questão: “Se o BNDES estiver com o caixa cheio significa que não cumpriu sua missão. Se tiver lucro maior, tem que trocar a gestão”. Não falta quem reclame que o banco, em vez de caçar empreendedores de boa cepa, preferiu adotar o discurso da opção pelo saneamento, que não cria empregos no curto prazo, só atrai empresas periféricas – que não agregam valor frente ao eleitorado – e do mesmo modo que os governantes de entes federativos vai ter de justificar a venda de ativos em condições pouco transparentes.

Talvez mais recomendável fosse a agência de fomento sair garimpando projetos de engenharia básica para congregar os empresários reclusos em torno deles. O BNDES tem R$ 100 bilhões parados em caixa, e está lá aguardando, funéreo, que algum endinheirado com um “bom projeto” o convide para empinar a pipa. Gente que normalmente não precisaria do BNDES. Maria Silvia Bastos é uma pessoa solar. Por onde passa, deixa fileiras de sorrisos. Imagina-se que ela seja detentora de segredos, que o seu timing seja diferente, que dentro das paredes envidraçados da instituição ela esteja ultimando uma reviravolta para sacudir esse banco melancólico e fomentador do desânimo. Definitivamente, não combina ver Maria Silvia comandando o órgão mais triste do país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Maria Sílvia Bastos Marques foi paparicada por ministros, na última sexta-feira, na sede do BNDES. Até Henrique Meirelles foi afagar a moça. Ela merece.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

mariasilva-rr-6
06.10.16
ED. 5470

Maria Silvia derruba as diversas paredes do BNDES

 Há muitas claves em comum nas partituras dos novos regentes da Petrobras e do BNDES. A exemplo de Pedro Parente na petroleira, o início da gestão de Maria Silvia Bastos tem se caracterizado não apenas pela reformulação na estratégia de negócios do banco, mas também por medidas de austeridade de forte valor simbólico. Em quatro meses, Maria Silvia já teria cortado cerca de 200 cargos comissionados. Ao mesmo tempo, vem se empenhando em reduzir os custos administrativos do BNDES, notadamente no que diz respeito à estrutura imobiliária. Devolveu oito andares alugados no vizinho Ventura Corporate Towers, localizado na própria Avenida Chile, o que resultará em uma economia anual da ordem de R$ 4 milhões. Decidiu também suspender a construção de um novo prédio ao lado da sede do banco. O projeto, que já estava sido licitado, custaria meio bilhão de reais.  O paralelo com a gestão de Pedro Parente passa também pela transparência na comunicação interna e pelo fascínio que o estilo de Maria Silvia tem despertado junto ao corpo de funcionários. O encanto se deve, em grande parte, ao seu envolvimento com as tarefas do dia-dia e ao empenho em traduzir em pequenos gestos a dimensão das mudanças em curso no BNDES. A executiva não apenas determinou o fim das salas individuais para os diretores, abrigando todo o primeiro escalão em um espaço comum, como acompanhou pessoalmente as obras de adaptação no edifício-sede. Não raramente foi vista ao lado de arquitetos e operários dando instruções sobre a reforma.  Além das divisórias concretas, Silvia também se dedica a derrubar paredes na comunicação interna. Ela tem estimulado os diretores a compartilhar informações estratégicas de suas respectivas áreas. A preocupação com o disclosure vale para todas as esferas da instituição. Por duas vezes nos últimos três meses, reuniu os funcionários no auditório do BNDES para uma espécie de “pergunte à presidente” – procedimento, aliás, similar ao adotado por Pedro Parente na Petrobras. Nas duas ocasiões, abriu o microfone aos empregados da instituição e não fugiu de qualquer tema, chamando a atenção pelo grau de detalhamento em suas respostas. Chegou a dizer textualmente que “não gosta de eufemismos”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Todas as noites, Michel Temer tem tirado o ponto com Marcela Temer. Ambos se debruçam sobre o conteúdo do programa “Criança Feliz”   A Transnordestina acabou afastando de vez Benjamin Steinbruch e Paulo Skaf. O presidente da Fiesp “esqueceu” completamente que prometeu tratar do assunto junto ao Planalto.   O diretor de planejamento do BNDES, Vinicius Carrasco, foi encarregado pela presidente Maria Sílvia Bastos de construir um disclosure capaz de catar pulga. Vai inovar com métricas criativas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.