Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
02.01.18
ED. 5777

Movida em busca dos quilômetros perdidos

Os dirigentes do Grupo JSL (antiga Júlio Simões) tiveram pouco tempo para festejos e celebrações. Atravessaram o Réveillon discutindo estratégias para a locadora de veículos Movida –um dos principais negócios da família Simões – reagir à venda da Unidas para a Locamerica. Na falta de ativos de maior cilindrada na prateleira, a tendência é que a companhia se concentre na compra de locadoras com expressiva presença regional. Entre os nomes mais cotados estaria o da LocarX, uma das maiores empresas de aluguel de automóveis do Nordeste. São cerca de 1.500 veículos e operações em seis estados. A negociação entre a Unidas e a Locamerica pôs forte pressão sobre a Movida. A empresa não apenas perdeu a vice-liderança do mercado de locação de veículos no país como a última oportunidade de uma grande aquisição no setor – ela própria também estava na disputa pela compra da Unidas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.06.17
ED. 5636

Todos querem pilotar a Unidas

A Locamerica apresentou uma oferta para a compra da Unidas, controlada pela norte-americana Enterprise Holdings e pelas gestoras Gávea e Kinea/Itaú. Segundo o RR apurou, o dote gira em torno de R$ 1 bilhão. A Locamerica atravessou a pista na frente da Movida. Esta última, leia-se JSL (ex-Julio Simões Logística) também vinha mantendo tratativas para a aquisição da Unidas. O vencedor do “pega” levará para a casa uma participação de 7% do mercado de locação de veículos no Brasil e um faturamento de R$ 1,2 bilhão por ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.09.16
ED. 5464

Longe da bolsa

 A compra de participações por meio de fundos pipe (private investment in public equity), focados em companhias listadas em Bolsa, caiu para segundo plano na estratégia da Pátria Investimentos. A participação de 23% na Locamerica, única empresa aberta da carteira de R$ 16 bilhões da gestora, está sendo vendida em seguidas doses e deverá ser zerada até o fim do ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.