Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
02.10.17
ED. 5716

Fim de festa no Ultra

O Grupo Ultra, ao que parece, jogou a toalha em relação à compra da Liquigás. Segundo o RR apurou, já desmobilizou boa parte da equipe dedicada à operação, com a dispensa advogados e consultores externos. O “não”do Cade é dado como certo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.08.17
ED. 5687

Mais uma pedra no caminho do Ultra e da Liquigás

Os revendedores de GLP estão torpedeando a venda da Liquigás para o Grupo Ultra junto ao Cade. Na semana passada, a Abragás, entidade que reúne as empresas do segmento de revenda, enviou ao órgão antitruste estudo sobre o grau de concentração de mercado que resultará da operação. O RR teve acesso ao documento. A Abragás põe foco, principalmente, na concentração de mercado em alguns dos maiores estados do país, a começar por São Paulo, onde a dupla Liquigás/Ultragaz passará dos 60%. A julgar pelo recente veto às fusões entre Ipiranga e Ale e Kroton e Estácio, o que não falta ao Cade é gás para brecar a operação e manter as duas empresas em botijões separados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.06.17
ED. 5642

Cade lança uma faísca sobre o botijão da Ultragaz

O Grupo Ultra está prestes a sofrer um duro revés no Cade. Segundo informações filtradas da própria autarquia, o Departamento de Estudos Econômicos do órgão antitruste deverá recomendar a adoção do critério de concentração por estado no julgamento da venda da Liquigás para a Ultragaz. Se os conselheiros acatarem o parecer, são praticamente nulas as chances de aprovação do negócio sem restrições.

Em pelo menos cinco estados brasileiros, a dupla soma mais de 50% de participação no mercado de GLP: Goiás, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Neste último, o market share beira os 60%. É exatamente onde o botijão da Ultragaz mais pode “vazar”. O maior receio da companhia é que o Cade, entre outras exigências, determine a venda de parte da operação no maior mercado consumidor do país.

Consultado, o Cade informou que ” não comenta aspectos de mérito sobre operações em análise.” O Ultra não se pronunciou. Os advogados da Ultragaz defendem que o julgamento se dê com base nas vendas por município. Por sua vez, as concorrentes alegam que o Grupo Ultra quer impor um truque de ilusionismo para mascarar a concentração de mercado da nova empresa. Não são poucos os adversários. Os dois mais combativos são a Supergasbrás, leia-se a holandesa SHV, e a Copagaz, do empresário Ueze Zahran.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.05.17
ED. 5621

Concorrentes se unem contra venda da Liquigás

O cordão contra a venda da Liquigás para a Ultragaz, do Grupo Ultra, ganhou mais adeptos. Supergasbrás e Comgás entraram no Cade com um pedido de suspensão do negócio. Nacional Gás e Copagaz já haviam feito a mesma solicitação. Todas as representações foram aceitas pelo órgão antitruste. O quarteto terá até a próxima terça-feira, dia 23, para apresentar documentos comprovando que a operação poderá alterar a estrutura do mercado de distribuição de GLP.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.11.16
ED. 5489

Liquigás

 Na Petrobras, a expectativa é de que o anúncio da venda da Liquigás para o Ultra saia na próxima semana. O valor deverá ficar abaixo dos R$ 2,5 bilhões. • Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Petrobras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Além do Ultra e da holandesa SHV/Supergasbras, há dois novos interessados na Liquigás. A mexicana Pemex e o fundo Canada Pension Plan costuram uma oferta conjunta pela distribuidora de GLP da Petrobras. A empresa estaria avaliada em aproximadamente R$ 1,5 bilhão. Procurada pelo RR, a Petrobras não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.