Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.07.17
ED. 5666

Estaleiro à deriva

O governador José Ivo Sartori entrou no circuito na tentativa de convencer a Petrobras a retomar a encomenda de três cascos para plataformas junto à Ecovix, braço de construção naval da Engevix – o pedido foi suspenso no fim do ano passado, segundo a própria estatal confirmou ao RR. Sartori usa como argumento a salvação dos dois mil funcionários que ainda sobrevivem no estaleiro gaúcho. As chances de êxito, no entanto, são diminutas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.17
ED. 5610

Tríplice aliança

Os governadores José Ivo Sartori (RS), Beto Richa (PR) e Raimundo Colombo (SC) articulam uma tour de force integrada com o objetivo de atrair novos investimentos para o agronegócio no Sul do país. Parcela expressiva dos recursos viria do BRDE, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.11.16
ED. 5501

Venda do Banrisul é o botão de emergência do governo gaúcho

Com o Rio Grande do Sul em estado de calamidade financeira, o governador José Ivo Sartori vem mantendo conversações preliminares com o ministro Henrique Meirelles em torno da venda do Banrisul. A operação se daria no modelo de leilão. Banco do Brasil e Caixa Econômica seriam o fiel da balança na operação. Em tese, a presença dos bancos estatais aumentaria a disputa e a probabilidade de um ágio maior sobre o valor mínimo de venda do Banrisul. Parte dos recursos arrecadados estaria previamente vinculada à amortização da dívida com a União. No ranking da penúria das províncias, o Rio Grande do Sul ocupa o quarto lugar (atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais), com um endividamento total de R$ 53 bilhões junto ao Tesouro Federal.

 O governo gaúcho nega a venda do Banrisul. É assim desde que Sartori assumiu, em 2015. No Palácio Piratini, a hipótese de abrir mão do banco sempre foi tratada como a última linha, uma espécie de “Bomba H” na hierarquia das medidas contra a crise fiscal. As circunstâncias se encarregaram de aproximar o indicador de Sartori do botão vermelho. Se o decreto de estado de calamidade anunciado ontem permite a adoção de “medidas excepcionais”, a venda do Banrisul talvez seja a maior delas. O rombo fiscal do Rio Grande do Sul neste ano deverá superar os R$ 6,5 bilhões. O sistema de previdência pública do estado tem o pior resultado entre todas as unidades da federação: a estimativa para este ano é de um déficit de R$ 9 bilhões, que se somarão às perdas de R$ 7,5 bilhões em 2015. Os salários do funcionalismo têm sido pagos de forma parcelada desde fevereiro. Nas ruas, o caos na segurança pública: os índices de criminalidade dispararam. Diante deste cenário, o governo gaúcho está convencido de que não dá mais para guardar o Banrisul em uma redoma.

 A venda do Banrisul não provocará mudanças significativas no topo do ranking bancário. Seus R$ 68 bilhões em ativos são insuficientes para mexer com as posições tanto dos três maiores bancos privados – Itaú, Bradesco e Santander – quanto dos próprios BB e Caixa Econômica. Ressalte-se ainda que a instituição está longe de seus melhores dias. No ano passado, a rentabilidade sobre o patrimônio foi de 13,5%, um pouco melhor do que os 12,1% de 2014, mas ainda longe dos 20,3% registrados em 2011. Ainda assim, o Banrisul tem seus atrativos, a começar pelo fato de se tratar do último grande banco estadual. Outro aspecto importante é o fator geoeconômico, leia-se a capilaridade na segunda região mais rica do país: são 525 agências nos três estados do Sul. À exceção talvez do BB, que já conta com 1.057 unidades de atendimento, o Banrisul faria uma razoável diferença para a operação dos outros quatro grandes bancos nos três estados do Sul – Bradesco (716 agências), Caixa (646), Itaú (586) e Santander (376).

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.10.16
ED. 5483

Saneamento

 O Rio Grande do Sul deverá ser um dos primeiros estados a fechar acordo com o BNDES para a venda de sua companhia de saneamento. A intenção do governador José Ivo Sartori é vender 49% da Corsan. Em tempo: a japonesa Mitsui já sinalizou ao governo gaúcho que participará da licitação. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Governo do RS.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.10.16
ED. 5469

Contrapartida

 O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, vai excluir a Corsan do plano de venda de ativos que será apresentado na Assembleia Legislativa ainda neste ano. Trata-se de um recuo estratégico, um agrado calculado para que os deputados aprovem a proposta sem ressalvas. O que Sartori quer mesmo é assegurar a venda de parte da distribuidora de energia CEEE.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Após uma intensa exposição no noticiário policial – por conta das acusações de agressão à ex-namorada Luíza Brunet –, Lírio Parisotto quer retornar às páginas de economia. O bilhete de volta será o anúncio em sequência de novos projetos de expansão da Innova, comprada junto à Petrobras em 2014. A petroquímica iniciou entendimentos com o governo gaúcho para a ampliação da fábrica de monômero de estireno localizada no polo de Triunfo. Vai também tirar do papel o projeto de conversão da unidade de poliestireno cristal em uma planta de ABS, matéria-prima destina às indústrias de plásticos e de eletroeletrônicos, entre outras.  Os investimentos somarão cerca de R$ 500 milhões. Nos dois casos, a Innova espera contar com financiamento público por meio do Fundo Operação Empresa do Estado (Fundopem), que prevê regras especiais para o diferimento do ICMS. Aliás, o que não falta entre Parisotto e o governador gaúcho José Ivo Sartori é uma boa química. Ambos são amigos de infância.  Mais conhecido pelas brigas societárias que costuma comprar vestindo o figurino de investidor ativista – entre outros exemplos, assim foi na Usiminas e na Eternit – Parisotto tem sido forçado a abrir o caixa para tirar o atraso de investimentos da Innova. Nos últimos anos sob a gestão da Petrobras, os aportes secaram. No total, o plano estratégico de Parisotto para a empresa soma R$ 1,2 bilhão. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Innova.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Os ministros da Justiça, Alexandre de Moraes, e da Defesa, Raul Jungmann, chegaram a discutir com José Ivo Sartori a entrada emergencial das Forças Armadas na segurança pública do Rio Grande do Sul, onde há uma grave crise devido ao aumento dos latrocínios, o que tem gerado crescentes protestos da população. Por fim, chegou-se ao entendimento de que o deslocamento de agentes da Força Nacional seria menos “invasivo”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Para um ministro petista, que se deu ao trabalho de cronometrar as falas de cada um dos participantes do programa do PMDB, na última quinta-feira à noite, o partido fez questão de expor em rede nacional o isolamento de Eduardo Cunha. Além do “candidato” Michel Temer, o âncora do show, todos os demais líderes da sigla tiveram ao menos 10 segundos para proferir suas mensagens dúbias em relação ao governo Dilma. Moreira Franco ficou no ar por 16 segundos. O governador gaúcho José Ivo Sartori, 14 segundos. Renan Calheiros falou por 10 segundos. Já o presidente da Câmara teve somente sete segundos na edição final, o suficiente para uma única frase. Para efeito de comparação, foi o mesmo tempo concedido à novata Simone Morgado, que cumpre apenas seu primeiro mandato como deputada federal. Se serve de consolo para Cunha, Leonardo Picciani, o aluno que deu uma volta no mestre, teve os mesmos sete segundos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.05.15
ED. 5117

Cadê a grana?

O governador gaúcho José Ivo Sartori faz conta de tudo que é lado para promover um aporte de capital na distribuidora CEEE. A empresa vive uma penumbra financeira: só no ano passado, perdeu mais de R$ 400 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.