Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.02.17
ED. 5565

In memoriam

A UnitedHealth, dona da Amil, partiu com saúde na direção da Hapvida, maior operadora de medicina de grupo do Nordeste. Consultada, a empresa nega estar em negociações com os norte-americanos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.08.16
ED. 5432

Plano de saúde

 A Bain Capital estaria em negociações para a compra de uma participação na Hapvida, maior empresa de planos de saúde do Nordeste. A gestora norte-americana já tem um pé fincado no setor por meio da Intermédica . • Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Hapvida e Intermédica.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.06.16
ED. 5389

Oxigenação

 A Hapvida, maior empresa de medicina de grupo do Nordeste, busca um só- cio. Já teria contratado o Credit Suisse para garimpar candidatos a comprar uma participação na empresa, dona de uma carteira de três milhões de clientes. Em 2015, aliás, o próprio banco trabalhou na modelagem do IPO da Hapvida, mas a operação ficou pelo caminho por conta das condições adversas do mercado. Procurada pelo RR, a Hapvida não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.02.16
ED. 5308

TPG faz um plano de saúde na Hapvida

  O Texas Pacific Group (TPG), que administra US$ 80 bilhões em recursos, vem mantendo negociações para a compra de uma participação na cearense Hapvida. Trata-se da maior empresa de medicina de grupo do Norte e Nordeste, com mais de três milhões de vidas e faturamento de R$ 3 bilhões. Segundo o RR apurou, o médico Candido Pinheiro Lima, fundador da companhia, seguirá como acionista majoritário. Já há algum tempo a porta da Hapvida está entreaberta para a chegada de novos sócios. No ano passado, a empresa chegou a contratar o BTG e o Credit Suisse para conduzir seu IPO, mas a operação não resistiu às condições adversas do mercado.  No fim do ano passado, o TPG fez uma dupla oferta pelo controle dos hospitais Santa Joana e Memorial São José, em Recife, mas foi superado, respectivamente, pelo empresário Edson Bueno e pela Rede D´Or. Sem o aperitivo, os norte-americanos decidiram partir para o prato principal. Como prato principal entenda-se a oportunidade de ter uma participação relevante na maior operação integrada do setor no Norte e Nordeste. Além da gestão de planos de saú- de, a Hapvida congrega duas dezenas de hospitais, 70 clínicas e uma rede com mais de 100 laboratórios. Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto:  TGP e Hapvida.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Os estrangeiros marcham a passos cada vez mais largos na área de saúde. É o caso da Bain Capital, que administra mais de US$ 70 bilhões em ativos. Dona da Intermédica, a gestora norte-americana estaria em negociações para a compra de mais uma companhia de medicina de grupo no país: o Grupo Empresarial Centro Clínico Gaúcho, que atua em Porto Alegre e mais sete cidades do estado. Com cerca de 220 mil beneficiários, o plano de saúde fatura por ano algo em torno de R$ 300 milhões. Consultado, a Centro Clínico Gaúcho informou que mantém relações comerciais com a Intermédica, mas garantiu que seu controle não está à venda.  A aquisição se encaixaria com precisão cirúrgica na estratégia traçada pela Bain Capital para expandir a atuação da Intermédica. O receituário dos norte-americanos prevê a aquisição de operadoras de médio porte com razoável presença regional. Era o caso da Paulista Santamália, de 260 mil clientes, comprada no ano passado. É o perfil também de uma importante companhia de medicina de grupo do Nordeste que está na mira da Bain Capital. Caso a negociação com a Centro Clínico Gaúcha seja selada, a Intermédica chegará à marca de R$ 3,5 bilhões de faturamento e mais de três milhões de vidas, tornando-se um dos cinco maiores grupos do setor no país. Ultrapassará, de uma vez só vez, a Unimed Paulistana, em gravíssima situação financeira, e a cearense Hapvida.  A intenção da Bain Capital é avançar também no processo de verticalização da Intermédica, com a expansão de sua rede própria de atendimento, hoje composta por oito hospitais e 54 clínicas. No ano passado, aliás, os norte-americanos cancelaram o registro da seguradora Notre Dame, também de sua propriedade, e transferiram toda a carteira de clientes da empresa para a Intermédica. Pela legislação brasileira, empresas de seguro-saúde não podem ter hospitais próprios. A  Intermédica não retornou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.10.15
ED. 5221

IPO na gaveta

Maior plano de saúde do Nordeste, a Hapvida teria arquivado seus planos de IPO. Para frustração do BTG e do Credit Suisse, advisers da operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.