Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
assuntos

Grupo Globo

Relacionados

23.08.17
ED. 5689

Efeito Neymar

ESPN e Fox pretendem entrar pesado na disputa pelos direitos de exibição do Campeonato Francês no Brasil. O atual contrato, nas mãos do Grupo Globo, vai até o fim desta temporada. Hoje, a ESPN transmite o torneio em acordo com o SporTV. A emissora norte-americana afirma que “não possui qualquer decisão sobre o futuro da parceria porque os direitos para o próximo período ainda não estão em negociação”. Já a Fox não fala sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.08.17
ED. 5686

A Globo e seus dois futuros

Um relatório produzido por um analista de mercado e obtido pelo RR levanta um cenário até pouco tempo inimaginável: o Grupo Globo vendendo sua operação de TV aberta (public broadcasting). O paper não é de um insider information, mas um documento que levanta hipóteses com base na lógica do mercado. Mas por que motivo o Grupo Globo negociaria sua joia mais valiosa? O analista afirma que, na maioria das economias da OECD, base da sua amostragem, o negócio de public broadcasting é declinante.

O valor de empresas como ABC, NBC e CBS teria caído vertiginosamente. O motivo dessa queda livre é a dificuldade de sustentação dos negócios baseados em receitas de publicidade (“ad revenues”). O raciocínio é simples: as receitas migram para a internet, onde a publicidade pode ser customizada em relação ao consumidor. “Seria uma forma mais focada e eficaz”, enfatiza a fonte. Ou seja, as pessoas estão migrando em massa para a internet porque desejam ter o controle sobre o conteúdo: o que, quando e onde querem assistir (tablet, celular etc.).

A antítese disso tudo seria o public broadcasting, cuja programação mais específica, ficaria restrita a transmissão de esportes, entregas de prêmios etc. Segundo o analista, “no Brasil, esse movimento de transferência ad revenues para a internet está acontecendo com um lapso de tempo. Então, o valor das empresas de public broadcasting ainda se encontra na era pré-internet”. O analista conclui dizendo que o timing da família Marinho vender a emissora de TV é hoje. Destaca que a Globo é um forte gerador de fluxo de caixa, mas que ele já estaria em queda.

Nas demonstrações financeiras, pode se observar que, em 2016, o grupo teve um lucro líquido de R$ 1,95 bilhão, uma boa redução em relação a 2015 (R$ 3,06 bilhões). “A regra de ouro de uma operação de M&A é que o valor da empresa para o comprador é maior do que para o vendedor. Por essa ótica, para alguns players globais a Globo em maior valor do que para os Marinho. Isto porque esses players têm plataformas multimídia de distribuição de conteúdo, que otimizariam tremendamente a operação de distribuição da Globo”.

O RR consultou uma alta fonte da Globo sobre o assunto. A informação bateu e ricocheteou. Disse o interlocutor que não há, nem nunca houve gestão para mudança constitucional em relação ao acesso do capital estrangeiro ao setor de radiofusão – condição precípua para a venda da TV aberta. Informou que a queda do resultado da empresa ocorreu em um momento de crise generalizada, e que, neste ano, ela deve ser revertida. Adiantou que vêm sendo desenvolvidos novos produtos na internet e o aumento da audiência está maior do que há muitos anos. Garantiu ainda que a emissora está investindo na abertura de mais estúdios no Projac. Finalmente, frisou que não existe qualquer ideia, intenção ou plano de venda. Ficam registradas “a versão oficial” e o pensar desejante do mercado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.08.17
ED. 5685

“General Gianetti”

O economista Eduardo Gianetti passou a ser considerado o “general Golbery da Marina” após o encontro com João Roberto Marinho. Como se sabe, o empresário do Grupo Globo foi encontrá-lo em sua própria residência em rara demonstração de prestígio que viralizou nas redes sociais. O estrategista da Rede deverá se reunir com o ex-ministro
do STF Joaquim Barbosa para afinarem pensamentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.