fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
12.03.21

Quantos documentários a Globo pode fazer?

Tem muita gente que ainda não enxergou o potencial da Globo no streaming. A série sobre o bicheiro Castor de Andrade é só um exemplo do que pode vir a ser feito com o “quaquilhão” de trechos de imagens e falas dos personagens mais importantes da vida brasileira nos últimos 60 anos. Os documentários seriam produzidos pela Globoplay.

 

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.10.20

Outra camisa

O executivo Marcelo Campos Pinto, que, por anos, comandou o esporte da Globo, está colaborando com a Federação do Rio na tentativa de vender os direitos de transmissão do Campeonato Carioca em 2021. O candidato mais forte é o SBT. A própria Globo rompeu o contrato que tinha até 2024.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.20

Quem te viu quem te vê

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, desceu do pedestal e já cogita fechar acordo com a Globo para a reta final do Campeonato
Carioca. Com a pandemia, os portões fechados e a perda do patrocinador master, o BS2, a banca do rubro-negro, que peita a emissora desde o início do ano, não é mais a mesma.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.01.20

Um desencontro calculado entre Flamengo e Globo

Observatório

Por Claudio Fernandez, jornalista e editor-chefe do Relatório Reservado.

Engana-se quem pensa que Flamengo e Globo estão em guerra. Não por ora. Existe uma boa dose de blefe no impasse em torno da venda dos direitos de transmissão do rubro-negro no Campeonato Carioca. Há indícios de que o clube e a emissora dançam um balé de passos marcados, desencontros calculados e desfecho previsível. O Flamengo voltará às telas dos canais e plataformas do Grupo Globo ainda durante o Campeonato Carioca. Tudo faz parte do show.

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, encontrou a ambiência perfeita para “pressionar” a Globo. A conquista do Brasileiro, título da Libertadores, recordes de audiência, saúde financeira em dia e um time reserva na Taça Guanabara, o primeiro turno do Carioca… Pode parecer pouco, mas este último fator tem um peso considerável na cesta de algoritmos da decisão do Clube por ainda não ter fechado o contrato com a Globo. A necessidade de colocar um sub-23 para disputar a primeira fase do Carioca deu à direção do Flamengo tempo e condições excepcionais para testar os limites do maior grupo de comunicação do país.

Com o time sub-23 e a natural queda de audiência das suas partidas, o rubro-negro ganhou margem de manobra para convencer seus próprios patrocinadores de que este é o momento adequado para uma pontual perda de exposição na mídia. É a estratégia do recuar uma casa para avançar. Na prática, a temporada do Flamengo de verdade ainda não começou. Para todos os efeitos, a Globo não deixou de transmitir nenhum jogo do time principal do rubro-negro em 2020. Daí a leitura de que, muito provavelmente, haverá um entendimento entre as duas partes antes das finais do Carioca, caso o Flamengo se classifique.

O Flamengo pede à Globo um valor muito superior à soma das cotas dos direitos de transmissão de Botafogo, Vasco e Fluminense – algo em torno de R$ 48 milhões. Sabe que está exigindo o impossível. Significa dizer que o rubro-negro teria de gerar uma audiência três, quatro até cinco vezes superior à média de seus rivais. Isso não ocorre. Consta que a Globo, por sua vez, ofereceu um valor praticamente igual ao do contrato anterior, firmado em 2016 – por volta de R$ 18 milhões. Também não soa razoável que, depois do 2019 que teve, o Flamengo aceite praticamente um congelamento do contrato. Ou seja: os dois lados colocaram sobre a mesa cartas sabendo que elas não serão aceitas de forma recíproca. É a coreografia da negociação. Haverá recuos de parte a parte.

De toda a forma, não se pode diminuir a importância desse episódio. Pela primeira vez em anos, um grande clube brasileiro inicia uma competição sem acordo com a TV. Sem acordo com a Globo. Trata-se de um comportamento que, no mínimo, cria algum nível pouco usual de insegurança para a emissora, sobretudo com as novas plataformas de streaming batendo às portas do Brasil. Talvez ainda não seja desta vez. Mas, da próxima vez que um grande clube brasileiro disser “não” à Globo, pode não ser um balão de ensaio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.04.18

Grande irmão

A Globo festeja: o Big Brother Brasil 18 teria alcançado a maior receita publicitária da história do programa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.03.18

Próxima atração

A Globo pretende realizar um reality show superchampion. Os participantes concorreriam em diversas modalidades: esportes individuais, conhecimentos culturais, tipos de danças, conhecimento de línguas, tecnologia etc. Copiada do Masterchef, da Band, haveria ainda uma competição culinária.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.01.18

Jô 11 e meio gigabytes

Um dos projetos em estudo para o “retorno” de Jô Soares às telas é um programa voltado exclusivamente para as plataformas digitais da Globo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.11.17

Masterchef global

A Globo está de olho no Masterchef. A fórmula de reality show combinado a culinária pode gerar milhares de derivativos. O desafio é a cara de Boninho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.06.17

Gilmar Mendes não poupa nem a Globo

Ainda que em petit comité, o ministro Gilmar Mendes decidiu abrir suas baterias contra o Grupo Globo. Durante conversa com empresários em evento do Grupo Lide, realizado na última segunda-feira em Recife, Gilmar estendeu suas tradicionais críticas à imprensa ao conglomerado líder do setor das comunicações, conforme informou ao RR um dos presentes. Segundo ele, “a Globo só faz o que faz porque nós estamos lá atrás, na última instância, para garantir a liberdade de imprensa; para ela dizer tudo o que quer dizer, pressionar quem bem entende”. Gilmar disse que “eles” – os irmãos Marinhos, controladores do Grupo – somam muitos méritos, mas, no momento, têm mais “deméritos”. O ministro afirma que “eles” têm praticado excessos no jornalismo, “uma verdadeira opressão”. Pode ser. Mas, se Gilmar for essa fera toda que intimida a Nação, poderia repetir seus pontos de vista sobre a família Marinho em entrevista à Globo, de preferência televisiva.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.16

“Netflix” da bola

 A Globo tem planos de comercializar em sua plataforma digital, o Globo Play, parte do seu vasto acervo de transmissões esportivas nas últimas três décadas.

• Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Globo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.