Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
07.06.17
ED. 5635

Silêncio dos inocentes

José Antunes Sobrinho, único remanescente entre os antigos acionistas da enrascada Engevix, tem falado cobras e lagartos dos ex-sócios, Cristiano Kok e Gerson Almada. Empurra para a dupla praticamente toda a responsabilidade pelos malfeitos da empreiteira. Quem o ouve fica com a impressão de que Sobrinho só entrou na Engevix depois da Lava Jato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.04.17
ED. 5597

Angra 3

A Engevix ainda tenta uma última cartada para fechar um acordo de leniência com o Ministério da Transparência, antiga CGU, e evitar o carimbo de “inidônea”. Vai ser difícil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.03.17
ED. 5579

Hidrelétrica à venda

A chinesa State Grid e a Energisa são candidatas à compra da hidrelétrica São Roque, em Santa Catarina, pertencente à encalacrada Engevix. O ativo está avaliado em R$ 700 milhões. Trata-se, na verdade, de uma meia usina: as obras de construção da São Roque estão paradas há um ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.02.17
ED. 5567

Ecovix lança sua âncora ao mar

A Ecovix vai apresentar seu plano de recuperação judicial até a primeira semana de março. A principal proposta será a venda de parte do capital do estaleiro, controlado pela Engevix. Tudo dependerá da Petrobras e da retomada ou não da encomenda de dois cascos para navios-plataformas, um contrato da ordem de US$ 800 milhões. No ano passado, a estatal suspendeu o pedido devido às graves condições financeiras da Ecovix – ver RR edição de 27 de dezembro. Com R$ 8 bilhões em dívidas, o estaleiro da Engevix já demitiu mais de três mil metalúrgicos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.08.16
ED. 5434

Delação passam pelos trios da Fiol

 Em sua delação premiada, o empreiteiro José Antunes Sobrinho, da Engevix, teria relatado um esquema de propinas envolvendo a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol). Uma das empresas que participam do projeto é a Argeplan, já investigada pela Lava Jato. Entre os sócios da companhia está o coronel aposentado da PM de São Paulo João Baptista Lima Filho, ligado a Michel Temer desde a década de 80, quanto o presidente interino comandou a Secretaria de Segurança paulista. Lima tem hoje um patrimônio avaliado em R$ 15 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.16
ED. 5381

Não custa lembrar

Os senadores Renan Calheiros e Eunício de Oliveira, ambos do PMDB, teriam sido citados nos primeiros depoimentos de Gim Argello, já no âmbito do acordo de delação premiada. Não custa lembrar que Eunício foi responsável pela indicação do ex-senador Vital do Rego para o TCU. Este, por sua vez, já está na mira da Lava Jato há algum tempo. Segundo depoimento do empreiteiro José Antunes Sobrinho, da Engevix, o ex-senador Argello dizia recolher dinheiro das empreiteiras em nome de Vital do Rego, à época em que ele presidia a CPI da Petrobras no Senado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.04.16
ED. 5356

China Construction vasculha os escombros da Lava Jato

 A China Communications Construction Company (CCCC), uma das maiores empreiteiras de seu país, está em busca de ativos no Brasil. O RR apurou que representantes do grupo já teriam mantido contatos com a Galvão Engenharia e a Engevix, ambas demolidas pela Lava Jato e em processo de recuperação judicial. Além de uma porta de acesso à indústria brasileira de construção pesada, os chineses enxergam uma boa oportunidade de negócio sob os escombros do “petrolão”. A Galvão Engenharia tem aproximadamente R$ 2 bilhões em recebíveis referentes a obras já concluídas. A Engevix, por sua vez, algo em torno de R$ 1,5 bilhão. Seus atuais controladores não podem se dar ao luxo de esperar pelo dia em que esses recursos entrarão no caixa. Mas a CCCC, sim.  Criada há menos de uma década, a CCCC fatura por ano mais de US$ 60 bilhões. Entre outras áreas de negócio, é, por exemplo, a maior construtora de portos da China. Não por acaso, além do ingresso no setor de construção pesada, os planos do grupo para o Brasil também passam pela infraestrutura portuária. Em parceria com tradings agrícolas, a CCCC estuda participar dos leilões de novos terminais no Pará, previsto para o dia 10 de junho. As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Galvão Engenharia e Engevix.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.03.16
ED. 5320

Onipresença

 Como se já não bastasse a Lava Jato, a Operação Zelotes está triscando nos calcanhares da Engevix.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.01.16
ED. 5287

Rota alternativa

Além da emissão de debêntures incentivadas, a Corporación América tem uma rota alternativa para financiar a expansão do aeroporto de Brasília, de R$ 1 bilhão: a venda de parte das suas ações no consórcio Inframérica, responsável pela concessão. Procurados, os argentinos negam a operação. Ressalte-se, no entanto, que a Corporación América foi praticamente forçada a comprar a parte da encalacrada Engevix no ano passado e ficar com 100% do negócio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.01.16
ED. 5282

Ecovix a um passo da recuperação judicial

 A decisão da Mitsubishi Heavy Industries de deixar o capital da Ecovix, anunciada na última segunda-feira, vai precipitar a “solução final”. A subsidiária da Engevix, dona do estaleiro Rio Grande (ERG), deverá formalizar em breve seu pedido de recuperação judicial. Na visão dos acionistas da empresa, trata-se da última linha, a derradeira tentativa de equacionar as dívidas do ERG, atrair um novo sócio e garantir a retomada das operações no complexo naval gaúcho, que emprega cerca de seis mil trabalhadores. Caso se confirme, a recuperação judicial será uma abrupta guinada em relação à nova etapa de reestruturação do estaleiro, iniciada há menos de dois meses com a contratação do Banco Brasil Plural . Sem os japoneses, tudo muda de figura. O trabalho da instituição financeira estava diretamente interligado ao aumento da participação da Mitsubishi no negócio. Procurada, a Ecovix negou que vá entrar com pedido de recuperação judicial.  Dono de 30% da Ecovix, o consórcio de cinco estaleiros japoneses encabeçado pela Mitsubishi vinha negociando o aumento da sua participação desde o ano passado. No entanto, conforme o RR antecipou na edição de 6 de novembro, os asiáticos foram aconselhados por seus advogados no Brasil a não ampliar sua fatia societária por conta do risco de assumir o passivo da Ecovix. A dívida conhecida gira em torno de R$ 100 milhões, mas o valor não inclui os débitos trabalhistas, uma caixa-preta que a Mitsubishi e seus parceiros não quiseram abrir.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.15
ED. 5267

Raspas e restos

 O fundo NML Capital, de Nova York, está cavoucando ativos entre os escombros da Lava-Jato. Por pouco não fechou a compra da UTC. Agora, estaria conversando com a Engevix. A construtora nega a venda do controle.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.11.15
ED. 5242

Só Miguel Rossetto para salvar os empregos do ERG

 Os empregados da Usiminas criaram jurisprudência. O Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande do Sul também se mobiliza para reivindicar ao ministro do Trabalho, Miguel Rossetto, a intervenção do governo federal na grave crise do Estaleiro Rio Grande (ERG). O objetivo é estancar a sangria de demissões em curso desde o início do ano e salvar o pescoço dos mais de seis mil trabalhadores da empresa, controlada pela Ecovix – leia-se Engevix. Uma a uma, todas as tentativas de garantir a sobrevivência da empresa e dos postos de trabalho estão fazendo água. No momento, mais uma dessas “soluções” caminha sobre a corda bamba, com poucas chances de se equilibrar lá no alto. As negociações em torno do arrendamento do estaleiro para um consórcio de companhias japonesas liderado pela Mitsubishi Heavy Industries recuaram algumas casas. A operação depende de um complexo acordo entre os asiáticos e os credores da empresa em relação ao passivo do ERG. Do ponto de vista jurídico, as dívidas da companhia se encontram numa zona cinzenta em que ninguém quer pisar. Os bancos, entre eles o China Construction Bank, se opõem ao arrendamento do estaleiro por entender que ele mais dificulta do que facilita o recebimento dos cré- ditos. O temor é que a encalacrada Engevix se aproveite deliberadamente da operação para se esquivar da responsabilidade legal pelas dívidas da empresa, empurrando o caso para uma conveniente – e interminável – batalha jurídica. Os credores do ERG sabem bem com quem estão lidando.  A Mitsubishi também está com os dois pés atrás em relação ao arrendamento do estaleiro. Os japoneses sabem que os credores do ERG esperam apenas a assinatura do contrato para saltar na sua jugular. Segundo o RR apurou, dois renomados escritórios de advocacia contratados pela Mitsubishi desaconselharam o fechamento do negócio. De acordo com o parecer dos advogados, ainda que a operação não contemple a transferência efetiva do controle acionário e, sim, o arrendamento das instala- ções, são grandes as probabilidades de que o pool de investidores japoneses – formado ainda pelos estaleiros Imabari, Namura e Oshima Shipbuilding – seja obrigado pela Justiça a assumir os passivos do ERG. A herança em questão é uma dívida de quase R$ 100 milhões, número que não leva em consideração o passivo trabalhista, por ora uma caixa preta. No caso específico da Mitsubishi, a ameaça é ainda maior pelo fato de o grupo ter uma participação direta de 30% na Ecovix, – os 70% restantes pertencem à Engevix.  Enquanto isso, os empregados do ERG seguem entre o rochedo e o mar. Desde abril, o estaleiro teria demitido mais de 800 funcionários. Boa parte destes trabalhadores ainda não teria recebido integralmente as verbas rescisórias. O desfecho desta história é previsível: no fim das contas são eles, e mais ninguém, que ficarão boiando em alto-mar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.05.15
ED. 5124

Voo com escala

A compra da participação da Engevix na Inframérica, concessionária do Aeroporto de Brasília, é apenas um rito de passagem. A Corporación América abriu tratativas com fundos para revender parte do que adquiriu. Consultada, a empresa afirma que sua prioridade agora é fazer o pagamento a  Engevix.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.