Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

 Na equipe de campanha de Marcelo Crivella, um gaiato lhe lembrou de um acordo firmado com Aécio Neves para que o tucano subisse no seu palanque. Crivella fez que não ouviu.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A menos de duas semanas para o segundo turno, Marcelo Crivella formou uma coalizão da fé em torno da sua candidatura. Ele fechou o apoio da Igreja da Graça e da Igreja Mundial do Poder de Deus. Ambas são comandadas, respectivamente, pelo missionário R.R. Soares e pelo apóstolo Valdemiro Santiago, desafetos históricos de Edir Macedo, tio de Crivella.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Henrique Meirelles e Ilan Goldfajn mantêm a relação de chefe e subordinado que tinham no Banco Central, no governo Lula. Melhor não mexer: talvez seja assim que as coisas funcionam bem. •••  Joseph Safra, que se mudou para Mônaco há cerca de seis meses, não tem planos de voltar tão cedo para o Brasil. •••  Comentário de um tucano de alta plumagem sobre a promessa de João Doria de não disputar a reeleição: “Ele vai repetir o Serra e deixar a Prefeitura em 2018 para disputar o governo do estado.” Vale o dito e o desdito. •••  Derrotado nas eleições, Pedro Paulo deve retomar seu mandato na Câmara dos Deputados antes mesmo do fim do governo de Eduardo Paes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Marcelo Crivella está montando uma ampla biodiversidade de alianças. Após fechar um acordo com Anthony Garotinho, negocia o apoio do PSDB no segundo turno das eleições. Já teria, inclusive, ofertado um cargo em seu governo para o candidato tucano Carlos Roberto Osório.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O governador em exercício, Francisco Dornelles, consultou o ministro da Defesa, Raul Jungmann, sobre a possibilidade de a Força Nacional de Segurança permanecer no Rio em 2017. A princípio, o reforço vai só até as eleições.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Eduardo Paes recomendou a Pedro Paulo que pegue leve com Marcelo Freixo e Jandira Feghali. Ambos poderão ser muito úteis em um eventual segundo turno.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Até ontem à noite, a agenda olímpica do candidato Pedro Paulo previa sua presença em mais de 70 eventos até o fim da Rio 2016, quase sempre ao lado do prefeito Eduardo Paes. Não demora muito vai ter concorrente acionando o TRE. Não custa lembrar que, oficialmente, a campanha eleitoral começa apenas em 16 de agosto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O PT do Rio está virando às costas à ideia de apoiar a candidatura de Jandira Feghali (PCdoB) à Prefeitura. Culpa das gravações de Sergio Machado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Romário está sorrindo de orelha a orelha. Pesquisa recém-chegada às suas mãos, feita apenas dois dias após o anúncio da sua candidatura, o coloca empatado com Marcelo Crivella na disputa pela Prefeitura do Rio, ambos com 28%. No entanto, o que mais deu prazer ao Baixinho foi ver a posição de Pedro Paulo. O candidato do desafeto Eduardo Paes não chega a 5%. Ao olhar os números do peemedebista, Romário disse, com sua tradicional voz sibilada: “Esse daí, Peixe, já caiu para a segundona”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Não é só Michel Temer que deverá passar por uma saia justa na cerimônia de abertura da Olimpíada, caso Dilma Rousseff decida comparecer ao evento. Para constrangimento de Eduardo Paes e de seu candidato a tiracolo, Pedro Paulo, Romário já avisou que pretende marcar presença entre as autoridades. A dois meses das eleições, aproveitará a efeméride para testar sua popularidade.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Jorge Picciani e Eduardo Paes estão mais tensos do que os zagueiros que tinham de marcar o Baixinho. Ao olhar dos caciques peemedebistas, o recuo do serpenteante Romário em relação ao impeachment de Dilma Rousseff é um sinal de que ele poderá relançar sua candidatura a prefeito do Rio com o apoio do PT.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Os candidatos do PMDB do Rio às eleições municipais estão agoniados com as incertezas que cercam o futuro político de Eduardo Cunha. O presidente afastado da Câmara é peça chave para a montagem, digamos assim, do project finance das campanhas peemedebistas no interior do estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Uma fração do PT do Rio insiste em manter o apoio à candidatura de Pedro Paulo à Prefeitura do Rio. Os dissidentes são liderados por Adilson Pires, atual vice-prefeito de Eduardo Paes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Armínio Fraga empenha-se em angariar apoio e recursos para a candidatura do neotucano Carlos Roberto Osorio à Prefeitura do Rio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Jorge Picciani, um dos caciques do PMDB fluminense, está empenhado em dinamitar a candidatura de Pedro Paulo à Prefeitura do Rio. Na “linha de sucessão” do partido, o nome natural para disputar a eleição seria o de seu filho, Leonardo Picciani.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Bernardinho está cotado para ser o vice de Carlos Roberto Osório na disputa pela Prefeitura do Rio. Ao lado de Armínio Fraga, o treinador foi um dos grandes responsáveis pela ida de Osório para o PSDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Um dos caciques do PMDB defende que Pedro Paulo tenha uma mulher como candidata a vice nas eleições para a Prefeitura do Rio. As razões, de tão óbvias, nem precisam ser explicadas. Mas a sacada também pode virar alvo de chacota.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Eduardo Paes combinou com o governador Pezão e Sérgio Cabral que deflagrará a campanha de Pedro Paulo à Prefeitura do Rio antes mesmo da Olimpíada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.11.15
ED. 5253

O que se passa na cabeça de Leonardo Piccinani?

 Leonardo Picciani tem passado ao largo de alguns importantes eventos do PMDB. Nos últimos 15 dias, não compareceu ao lançamento do documento “Uma Ponte para o Futuro – transformado numa festa particular de Michel Temer – e faltou a dois encontros seguidos de deputados do partido em Brasília, um deles organizado pelo bancada do Rio. Há quem diga que ele tem dedicado seu tempo às articulações para indicar o irmão, Rafael Picciani, como candidato do PMDB à Prefeitura do Rio. Puro diversionismo. No momento, Picciani só pensa naquilo: fazer campanha para suceder Eduardo Cunha na presidência da Câmara dos Deputados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Rede Sustentabilidade quer aproveitar o episódio “Pedro Paulo” para lançar ainda neste mês a candidatura do ex-petista Alessandro Molon à Prefeitura do Rio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 No staff de Eduardo Paes, a palavra de ordem é paciência. A aposta é que o escândalo envolvendo Pedro Paulo Carvalho, candidato à sucessão de Paes, só fica em cartaz no noticiário até o fim do ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Romário tem se aproximado de Eduardo Paes. É o velho faro de artilheiro. O senador e potencial candidato à Prefeitura do Rio acredita que o apoio de Paes poderá cair no seu colo, como uma das tantas bolas que se ofereciam a ele na quina da pequena área. Como se sabe, o eterno candidato de Paes, Pedro Paulo Carvalho, caminha sobre uma corda bamba desde que teve seu nome citado no noticiário policial.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Agora que o Rede Sustentabilidade deixou de ser um partido fantasma, correligionários de Marina Silva defendem que ela deve se candidatar à prefeitura do Rio ou de São Paulo em 2016. Se vencer, ótimo! Se perder, ganha cancha para 2018.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.