Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
24.08.16
ED. 5440

Syngenta prepara o defensivo para se manter na pole position

 A Syngenta vai dobrar para R$ 200 milhões a média anual dos investimentos no período de 2016 a 2020. A estratégia foi anunciada diretamente pelo novo CEO mundial do grupo, Erik Fyrwald, ao alto comando da filial brasileira, em visita ao país. A operação brasileira será uma das primeiras a passar por mudanças após a alteração do controle da companhia, que foi comprada pela China National Chemical (ChemChina). O objetivo do plano é evitar a perda da histórica liderança da Syngenta no maior mercado da companhia e responsável por 15% da receita mundial. A empresa está no topo do ranking brasileiro desde 2005. A mudança de status ocorrerá com a fusão entre a Bayer e a Monsanto . Juntos, alemães e norte-americanos terão 22% de market share contra 20% da Syngenta. A receita de vendas será de US$ 2 bilhões, bem acima do US$ 1,6 bilhão da atual líder. Para completar, a Bayer e a Monsanto reunirão quase mil pontos de venda, com cobertura nacional e poder de barganha para negociarem preferências ou até exclusividades com lojas em função do portfólio com mais de 120 tipos de produtos.  O aporte total da Syngenta nos próximos cinco anos equivale a 10% de tudo o que o mercado de defensivos agrícolas vende ao ano no Brasil. Os recursos serão exclusivamente destinados ao greenfield. A companhia vai ampliar o parque fabril de Paulínia (SP), distribuir nos seis estados em que ainda não opera e assim completar a cobertura nacional da rede de revenda. O total de pontos de venda dobrará para mil unidades até 2017, número próximo do que têm juntas a Bayer e a Monsanto.  Não é para menos a preocupação da Syngenta com o gigante Bayer/Monsanto. O Brasil é o maior mercado global de agrotóxicos. Movimenta mais de um milhão de toneladas anualmente e cresce 10% ao ano, mesmo em período de crise econômica. Além disso, o Brasil caminha para fechar o ano com receita equivalente a 20% do que fatura a Syngenta no mundo. Quase três quartos das vendas no país saem da comercialização de defensivos agrícolas. A escalada do mega-player Bayer/Monsanto no mercado trará consequências negativas, tanto no relacionamento com pontos de venda quanto na comercialização dos produtos devido à perda no poder de barganha. A ironia do destino é que a Syngenta tomou a liderança justamente da Bayer há 11 anos oferecendo todo tipo de vantagem aos revendedores, inclusive ações da companhia na Bolsa de Zurique. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Syngenta .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.06.16
ED. 5383

Pote de ração

 A ChemChina está faminta para entrar no mercado brasileiro de nutrição animal. Seu cardápio passa pela compra do controle da PoliNutri, uma das líderes do setor no país. O grupo asiático é um polvo com mais de uma centena de tentáculos. É acionista de 120 empresas, entre elas a Pirelli. Procurada pelo RR, a PoliNutri não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.03.16
ED. 5318

Bicho de pé

 A crise começa a respingar no agronegócio. Segundo fontes próximas à Bayer CropScience, o grupo alemão cogita cortes na produção de sementes e defensivos no Brasil por conta da retração da oferta de crédito agrícola. Procurada, a companhia nega a medida.  Na Syngenta, a preocupação é ainda maior. A companhia está adotando uma política comercial mais agressiva, com cortes expressivos nos preços dos defensivos. O temor dos suíços é que a queda da receita da subsidiária brasileira, maior operação fora da Europa, contamine as negociações para a venda do controle do grupo à ChemChina. Procurada pelo RR, a Syngenta não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.