Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
08.06.17
ED. 5636

Petit comitê

Os franceses do Carrefour esbanjam otimismo. Dizem em petit comitê já ter demanda firme para o valor máximo do IPO da operação brasileira: R$ 10 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

abilio-rr-5631
01.06.17
ED. 5631

Estilhaços

Abilio Diniz está na iminência do que mais gosta: uma boa briga. No Carrefour, a aposta é que a frágil relação do CEO do grupo no Brasil, Charles Desmartis, com o empresário dificilmente resistirá à saída de Antonio Ramatis da vice-presidência comercial. Homem de confiança de Abilio desde o Pão de Açúcar, Ramatis teria sido afastado após desentendimentos com Desmartis, sem a anuência do empresário. Consultado, o Carrefour afirma que a saída se deu “em comum acordo”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.05.17
ED. 5626

Risco Brasil? Onde?

O Carrefour já começou a ganhar com o IPO da subsidiária brasileira. Na última terça-feira, logo após o anúncio da operação, as ações do grupo na Bolsa de Paris atingiram o maior valor desde janeiro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.03.17
ED. 5570

Suspense no Carrefour

O burburinho na imprensa europeia sobre uma possível renúncia do CEO mundial do Carrefour, George Plassat, tem causado apreensão na subsidiária brasileira. O temor é que uma eventual troca de comando cause alguma mudança de rumo no IPO do Carrefour Brasil, previsto para este ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.02.17
ED. 5565

Ouh là là

O quarteto de bancos à frente do IPO do Carrefour no Brasil já disse o que os franceses mais queriam ouvir: a precificação da empresa vai superar o valor de mercado do Pão de Açúcar, hoje de R$ 21 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.01.17
ED. 5533

Tudo a seu tempo

Após o IPO do Carrefour Brasil, previsto para o primeiro semestre deste ano, a próxima tacada dos franceses, já decidida, será a abertura de capital do Atacadão, o braço de “atacarejo” do grupo no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.16
ED. 5480

Market place

 O Carrefour quer lançar ainda neste ano uma nova plataforma de e-commerce no Brasil. Os franceses miram no IPO previsto para 2017: a expectativa é que o negócio venha a tempo de acrescentar algumas centenas de milhões de reais ao valor captado na operação. Procurado, o Carrefour confirma que venderá no site produtos de terceiros, incluindo passagens áreas e serviços de hotelaria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.10.16
ED. 5473

Carrefour

 O Carrefour planeja abrir 15 lojas da bandeira Atacadão em 2017, cinco além do número previsto para este ano. A rede de atacarejo fatura mais de R$ 27 bilhões, ou aproximadamente 60% da receita total dos franceses no Brasil. • A seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Carrefour,

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.09.16
ED. 5458

Final feliz?

 A novela do IPO do Atacadão está novamente em cartaz no Carrefour. A oferta se daria no primeiro semestre de 2017, envolvendo até 40% do capital. O braço de “atacarejo” do Carrefour faturou R$ 26 bilhões em 2015, mais de 60% da receita do grupo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.09.16
ED. 5448

Perto de casa

 O Carrefour vai lançar mão de uma nova estratégia para expandir sua rede no Brasil. A operação prevê parcerias com incorporadoras imobiliárias para a abertura de hipermercados associados a condomínios residenciais. Trata-se de um “produto” made in China. O Carrefour adotou um modelo similar para ampliar sua presença no país asiático. • As seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: Carrefour.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.08.16
ED. 5439

Conexão Paris

 A Península Participações deverá abrir um escritório em Paris. Abilio Diniz considera imprescindível ficar mais perto do Carrefour. E, mais do que isso, manter o chairman do grupo, George Plassat, ao alcance dos olhos. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Península.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.08.16
ED. 5423

E-commerce

 Além do Carrefour, que anunciou seu retorno ao comércio eletrônico, o Makro iniciou estudos para lançar um portal de vendas na Internet. Não dá mais para suportar o custo de uma estrutura 100% dependente de lojas físicas. • Procurada pelo Relatório Reservado, a seguinte empresa não se pronunciou até o fechamento desta edição: Makro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O Atacadão, o mais próspero negócio do Carrefour no Brasil, prepara-se para uma grande aquisição neste ano. O principal alvo é a Roldão Atacado, que fatura R$ 2 bilhões por ano. Controlada pela família Severini, a rede atacadista esteve perto de ser comprada pelo Casino em 2012. Depois, flertou com a GP .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.06.16
ED. 5382

Fotocópia

 Michael Klein trabalha reservadamente em um novo projeto, por ora compartilhado com raríssimos interlocutores e formalmente negado pelo empresário. A peça de resistência seria a criação de uma holding de investimentos. Klein estaria disposto a ir bem além do varejo e do setor imobiliário, suas especialidades. Curiosamente, seguiria, assim, os passos do desafeto Abilio Diniz, inspirando-se no modelo da Península Investimentos .  Por falar em Abilio Diniz, além dos três shoppings que está erguendo em São Paulo, o Carrefour já planeja um novo empreendimento em Belo Horizonte. Procurado pelo RR, o Carrefour não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.05.16
ED. 5373

Pintar e bodar

 A ação do Carrefour na Bolsa de Paris acumula queda de 20% nos últimos seis meses. É nessas horas que Abílio Diniz, que já tem 8% do grupo, costuma pintar e bordar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.04.16
ED. 5344

No atacado

 Itaú e Carrefour negociam uma associação. O banco deverá assumir a operação de private label do Atacadão, braço atacadista do grupo francês. De quebra, vai aproveitar a nova gôndola para pendurar outros produtos financeiros, como seguros e previdência privada.  As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Itaú e Carrefour.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.03.16
ED. 5326

Fazendo a caveira

 Abilio Diniz tem feito a caveira do presidente do Carrefour no Brasil, Charles Desmartis, junto ao board do grupo. Entre os pecados do executivo listados no index de Abilio, estariam sua “incapacidade” em conter o aumento dos custos operacionais, o baixo ritmo de abertura de novas lojas e a demora em retomar a operação de comércio eletrônico no país. Ressalte-se, no entanto, que a campanha do empresário contra Desmartis não encontra eco nos resultados do Carrefour no mercado brasileiro. A receita da subsidiária cresceu 12,6% no ano passado, o dobro, por exemplo, do resultado de seu maior concorrente, o Grupo Pão de Açúcar .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.12.15
ED. 5271

Atacadinho

O Carrefour não conseguiu transformar o aumento das vendas do Atacadão em rentabilidade. Apesar da receita 10% maior – nada mau para um PIB a menos 3,5% –, vai fechar o ano no zero a zero. Alguma cabeça na direção do Atacadão ainda vai acabar pagando essa conta. A seguinte empresa não retornou ou não comentou o assunto: Atacadão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.12.15
ED. 5266

Às compras

 O Carrefour vai aproveitar a depreciação dos ativos no setor para comprar redes regionais e avançar em estados onde tem uma presença diminuta. Na sua mira, o Grupo Mateus, que tem 58 lojas no Norte e no Nordeste e fatura cerca de R$ 3 bilhões por ano. Consultada, a empresa nega a venda do controle. Carrefour não retornou nem comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.10.15
ED. 5238

Carrefour embala primeira aquisição da “Era Abilio Diniz”

 Os planos de Abilio Diniz de liderar um processo de consolidação no varejo brasileiro por meio do Carrefour começam a sair do papel. O grupo negocia com a chilena Cencosud a compra dos supermercados Prezunic, do Rio de Janeiro. São 31 lojas, com faturamento anual próximo dos R$ 3,5 bilhões. A empresa estaria avaliada em aproximadamente R$ 1,2 bilhão, algo em torno de US$ 280 milhões – abaixo, portanto, dos US$ 380 milhões que os chilenos pagaram à família Cunha, fundadora da rede varejista, há quatro anos. Entre os próprios funcionários do Prezunic, a venda para o Carrefour é tratada como favas contadas. Há vários sinais de que a casa já está sendo arrumada para a chegada do novo morador. Nas últimas semanas, os chilenos teriam feito várias demissões na rede varejista. Boa parte das lojas entrou em reforma, com mudanças de layout e troca de equipamentos. Além disso, em quase todas as unidades haveria um alto índice de ruptura, leia-se falta de mercadorias – um indicativo de que a Cencosud teria interrompido a reposição de estoques, algo comum no varejo quando uma rede está prestes a ser passada à frente. Consultado pelo RR, o grupo nega a venda do Prezunic.  Em termos de receita, o Prezunic, isoladamente, pouco ajudará o Carrefour a reduzir a distância para o Pão de Açúcar – hoje na casa dos R$ 30 bilhões, se acrescido o faturamento da ViaVarejo. No entanto, o negócio tem forte valor simbólico, seja por quem compra, seja por quem vende. No caso do Carrefour, a operação confirmará o que se espera do grupo desde a chegada de Abilio Diniz, isso para não falar do fortalecimento do grupo no Rio de Janeiro. Atualmente, os franceses têm apenas 12 lojas no estado. Curiosamente, o Prezunic teria o mesmo destino de outras três redes de supermercados fundadas pela mesma família Cunha – Dallas, Continente e Rainha –, todas compradas pelo Carrefour no fim dos anos 90.  Do outro lado, a venda do Prezunic despejará ainda mais combustível nas especulações em torno do próprio futuro da Cencosud no Brasil. A negociação pode ser interpretada como uma última tentativa dos chilenos de reequilibrar sua operação no país antes de partir para a solução radical: a saída em definitivo do mercado brasileiro, este, sim, um movimento com maior potencial de impacto sobre o ranking do setor. Ao todo, o grupo chileno fatura cerca de R$ 10 bilhões no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.10.15
ED. 5236

Siga o mestre

 Abilio Diniz fez escola. Eduardo Rossi, seu braço direito e principal candidato a ocupar a cadeira de conselheiro mundial do Carrefour, também mete o malho obsessivamente no Grupo Pão de Açúcar. Quando estão juntos, então, é uma coisa horrível.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.15
ED. 5228

Katia Abreu sai em busca de mercado para o leite brasileiro

 Katia Abreu tornou-se “garota-propaganda” da indústria láctea nacional. A ministra da Agricultura iniciou uma cruzada para vender o leite e derivados made in Brazil e aumentar o peso destes produtos na pauta de exportações. Trata-se de um dos raros segmentos da cadeia do agronegócio em que o país acumula seguidos déficits comerciais. Com seu habitual estilo trator, na linha do “me dá aqui que eu faço”, Katia chamou para a si a responsabilidade de bater à porta dos grandes compradores mundiais de lácteos, leia-se as maiores empresas varejistas do mundo. Recentemente, conversou com Jorge Paulo Lemann, a quem solicitou, sem rodeios, que a rede de restaurantes Burger King aumentasse a compra de leite produzido no Brasil. É só o início. Segundo o RR apurou, a via láctea de Katia Abreu incluirá também encontros com dirigentes dos grandes conglomerados de varejo internacionais presentes no país, como Carrefour, Casino, Walmart e Cencosud, com o objetivo de sensibilizar estes grupos a elevar as importações de lácteos junto à indústria brasileira.  Há seis anos, não sobra nem um restinho de requeijão no fundo da balança comercial. Nesse período, o saldo entre as exportações e importações de lácteos acumulou um resultado negativo de quase US$ 2 bilhões. Em 2014, é bem verdade, o país registrou o menor déficit do período (US$ 101 milhões). No entanto, tudo indica que o número voltará a subir neste ano – no primeiro semestre, as importações superaram as exportações em US$ 60 milhões.  Katia Abreu está convicta de que o problema não será resolvido distribuindo caquinhos de verba do ministério para os laticínios nacionais montarem estandes em feiras no exterior. Para ela, o país terá realmente de arrancar mercado na unha, sensibilizando grandes compradores das mais variadas latitudes. Por se tratar de um mercado de escalas colossais, qualquer gota a mais no copo faz diferença. Em um exercício meramente hipotético, se cada uma das 11 mil lojas do Walmart em todo o mundo vender por dia uma caixinha a mais de leite brasileiro, ao fim do ano isso representará mais de quatro milhões de litros, ou o equivalente a quase 3% do déficit comercial do setor no ano passado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.08.15
ED. 5183

A nota técnica do Cade

A nota técnica do Cade que embasou o arquivamento do processo de concentração de mercado contra Abilio Diniz, Carrefour e BRF causou enorme estranheza no varejo. O texto diz que o empresário é apenas acionista minoritário da Península Participações – holding onde estão pendurados seus negócios. O Cade levou em consideração que a maior parte das ações da companhia, mais precisamente 57,68%, está nas mãos de outros seis indivíduos. Faltou dizer que os seis são filhos de Abilio. E faltou dizer mais ainda: que dois deles têm seis e nove anos de idade.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.15
ED. 5164

Casino diz “très bien” ao desemprego na ViaVarejo

 A economista inglesa Beatrice Webb dizia que o desemprego é um dos termômetros do caráter social do empresário. Se a medição fosse aplicada nos empresários e figadais concorrentes Abilio Diniz e Jean-Charles Naouri, com base no passado recente o ex-dono do Pão de Açúcar e atual mandachuva do Carrefour estaria ganhando com alguns corpos de vantagem. Por ora, seus respectivos conglomerados empresariais têm se portado de maneira distinta diante dos graves efeitos da crise econômica sobre o varejo. à‰ o que mostram os dados do obituário trabalhista no setor. Se, até ontem à  noite, o Carrefour continuava invicto, sem anunciar cortes no Brasil, o Grupo Pão de Açúcar dispara nessa corrida antissocial. No varejo de alimentos, leia-se super e hipermercados, não há previsão de demissões em massa nas operações do Casino no país, mas, sim, de cortes pingados em determinadas regiões, que podem atingir até 200 trabalhadores. Na ViaVarejo, no entanto, os números saltam de escala. Entre maio e junho, a holding que reúne Casas Bahia e Ponto Frio colocou na rua cerca de três mil funcionários. Essa é a má notícia; a péssima é que a conta vai aumentar. De acordo com uma fonte próxima ao Pão de Açúcar, a ViaVarejo prepara mais uma leva de demissões. Segundo o RR apurou, há uma régua sobre a mesa dos franceses que dá a medida do novo esmagamento: o grupo calcula que Casas Bahia e Ponto Frio só conseguirão reequilibrar seus custos com o fechamento de mais duas mil vagas de emprego até outubro. à‰ sintomático, portanto, que, nos últimos 12 meses, o Grupo Pão de Açúcar tenha elevado de R$ 323 milhões para R$ 540 milhões o volume de provisões para eventuais perdas com ações trabalhistas. Não cabe qualquer juízo de valor na comparação direta e – por que não? – inevitável entre Abilio Diniz e Jean-Charles Naouri. Até porque ambos são unidos pelo pragmatismo que está na essência de qualquer empresário: quando o cinto aperta, o social deixa de ser um fator prioritário. Além disso, como se sabe, a cadeia alimentar só é de todo ruim para quem está na base dela. Em Paris, deve ter muito acionista do Casino encantado com os cortes do grupo no Brasil. De qualquer forma, neste momento, o nome de Naouri está indissociavelmente vinculado a cortes e mais cortes. A se confirmar a nova fornada de demissões, em menos de seis meses o Pão de Açúcar, especialmente a Via- Varejo, terá extinguido cerca de cinco mil postos de trabalho. O número corresponderia também a um terço de todas as vagas de emprego fechadas no varejo de móveis e eletrodomésticos desde janeiro. Ressalte-se que os dois arquirrivais franceses vivem momentos distintos no mercado brasileiro, muito em função da própria natureza de suas operações. A atuação do Carrefour/ Atacadão está predominantemente concentrada no ramo de alimentos, um dos últimos a sentir o amargo paladar da crise. Não por acaso, segundo o RR apurou, a rede pretende aumentar o número de contratações. Já o Grupo Pão de Açúcar, por conta da ViaVarejo, está indexado também à  área de eletroeletrônicos, duramente afetada pela queda de 5% na renda média do trabalhador. As vendas de aparelhos de TV, por exemplo, caíram quase 30% entre janeiro e junho se comparadas ao primeiro semestre do ano passado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.06.15
ED. 5140

Carrefour prepara uma blitz em cima da Y. Yamada

O Carrefour promete dar um xeque-mate na Y. Yamada, a maior rede de supermercados da Região Norte, com 40 lojas e um faturamento anual de R$ 2,5 bilhões. Os franceses são candidatíssimos a  compra da empresa paraense. Trata- se de um antigo desejo de consumo. Segundo o RR apurou, no início da década o Carrefour chegou a fazer uma oferta pela Y. Yamada. Na ocasião, a proposta foi rechaçada pelo fundador da empresa, Junichiro Yamada, que faleceu há apenas dois meses. Desta vez, o grupo volta a  carga com uma estratégia na fronteira da belicosidade. Os franceses levam a  mão um agressivo plano de abertura de lojas no estado, com o deliberado objetivo de asfixiar a rede paraense. Para começo de conversa, o Carrefour planeja inaugurar seis pontos de venda com sua própria bandeira até 2017 – hoje, sua atuação local está restrita ao Atacadão. Pode ser uma moeda de troca. A aposta é clara: os franceses estão convictos de que a Y. Yamada, acostumada a reinar quase sozinha por aquelas plagas, não terá fôlego para suportar um cenário de efetiva concorrência. A tática do “abafa” pode ser creditada na conta de Abilio Diniz. E quem mais? Desde os tempos do Pão de Açúcar, o empresário trata a aquisição da Y. Yamada um movimento fundamental para qualquer grupo disposto a avançar no Norte do país. Que seja feita a sua vontade. O Carrefour joga com os fatos recentes. Até que ponto os herdeiros de Junichiro Yamada terão a mesma tenacidade do patriarca para resistir ao assédio da concorrência? Por ora cabe a Fernando Yamada, filho de Junichiro, acomodar sob o mesmo teto os interesses dos quase 100 integrantes da família, praticamente um quarto deles trabalhando diretamente na empresa. Tarefa árdua para o herdeiro, sobretudo quando se sabe que parte da tropa puxa a corda na direção contrária a  sua e se mostra bastante sensível a  investida do Carrefour. Formalmente, o Yamada mantém o discurso numa só direção e nega qualquer negociação para a venda do controle. No entanto, parte do clã teme perder o timing do grande negócio de suas vidas. A rede varejista é uma joia que tende a valer cada vez menos a  medida que os grandes grupos do setor avançarem na região. Os graúdos estão chegando. Além do Carrefour, o Casino pretende abrir dois hipermercados Extra em Belém.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.15
ED. 5133

Mais Abilio

Abilio Diniz, dono de 10% do Carrefour Brasil, já comunicou aos franceses que vai exercer a opção de compra de mais 2% da companhia, que vence no fim de junho. Será que alguém esperava o contrário?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.04.15
ED. 5106

Esteves, BNDES e as tetas da traição

 O banqueiro André Esteves está sendo chamado de assador de porcos entre os técnicos do BNDES – uma alusão a uma fábula de origem espanhola que ficou célebre após ser citada na publicação argentina “Juicio a la escuela”, de 1976. Os funcionários do banco nunca simpatizaram com o estilo predador do dono do BTG. Mas agora ele teria passado dos limites. Esteves detonou a agência de fomento, chamando a instituição de “um monstrengo que beira o disfuncional”. Disse que o “uso dos recursos deve ser represado” e que estaria “menos preocupado com a qualidade técnica e até com casos de corrupção do que com o tamanho do BNDES”. No banco, o mínimo que se diz é que o banqueiro é um bufão – não confundir com porcão. A dinheirama que ele queria tirar para si não vale para os outros. Quem não se lembra da tentativa de Esteves de juntar o Pão de Açúcar com o Carrefour com o dinheiro – de quem? – do BNDES. E da rocambolesca operação de fusão da EBX com a Vale, igualmente envolvendo o capital do banco.  Esteves é o personagem certo para a fábula do porco assado. Certa vez, aconteceu um incêndio num bosque onde havia alguns porcos, que foram assados pelo fogo. Os donos dos animais, acostumados a comê-los crus, experimentaram e acharam a carne assada deliciosa. A partir daí, toda a vez que queriam comer porco assado incendiavam um bosque. O BTG, como se sabe, bem que tentou assar alguns projetos emporcalhados no BNDES, mas o banco, que obedece a critérios técnicos, não deixou Esteves queimar o bosque. Até surgir a oportunidade de torrar um novo suíno, o banqueiro vai mandar a ripa no lombo do BNDES.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.02.15
ED. 5053

Carrefour

 No que depender de Abílio Diniz, o Carrefour vai abandonar sua histórica timidez em algumas regiões do país. É o caso do Rio Grande do Sul, onde Abílio olha com especial interesse para o Grupo Unidasul, dono das bandeiras Rissul e Macromix. São 49 lojas, contra apenas seis do Carrefour no estado. Consultada, a Unidasul negou garantiu que não está a  venda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.01.15
ED. 5044

Carrefour

 No Carrefour, já se dá como certo que Roberto Mussnich deixará a presidência do Atacadão no máximo até junho para dar lugar a um executivo ungido por Abílio Diniz. Não custa lembrar que Claudio Galleazzi, integrante da “guarda suíça” de Abílio, está livre, leve e solto desde o fim de dezembro, quando deixou o comando da BRF.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.10.14
ED. 4976

Carrefour

 O Carrefour descobriu a Amazônia. Além da inauguração de uma loja do Atacadão em Belém, o grupo prepara a abertura de um hipermercado também na capital paraense. Os franceses já negociam a compra de um terreno na Rodovia Augusto Montenegro, uma das principais da cidade. Será a primeira unidade com bandeira Carrefour em todo o estado. Se der certo, outras virão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.09.14
ED. 4957

Makro surge como uma ponte entre Abílio e o Carrefour

 O caminho mais curto entre São Paulo e Paris passa por Amsterdã. Ao menos nas linhas imaginárias que demarcam os pensamentos de Abílio Diniz. Por ora, o Carrefour, o mais cobiçado dos destinos, pode esperar. Neste momento, o Boeing Abílio embica na direção do Makro, uma das últimas redes de atacado puro-sangue em operação no Brasil. O empresário enxerga a operação da rede holandesa no país como porta entreaberta para a sua reentrada no setor. Difícil encontrar no mercado um espécime, ao mesmo tempo, tão corpulento e fragilizado. Com quase 80 lojas e faturamento anual próximo dos R$ 8 bilhões, o Makro é a maior rede atacadista do Brasil. Em compensação, sofre com resultados pífios e uma operação que não ata nem desata. Há muito que o Makro se tornou uma ilha no país. Faltam-lhe foco, um melhor planejamento estratégico e sinergias, na mesma proporção que sobram a Abílio conhecimento, expertise gerencial e, sobretudo, uma enorme gana de voltar a circular entre as prateleiras do setor. No roteiro idealizado por Abílio Diniz, o Makro pode ser uma escala para a França, esta sim a viagem dos sonhos do empresário. A aquisição dos ativos da rede holandesa no Brasil permitiria a Abílio reabrir as conversações com o Carrefour numa nova perspectiva. Em vez de aparecer como um mero predador, o empresário colocaria sobre a mesa uma possibilidade concreta de associação em condições razoavelmente equânimes. Um caminho mais do que natural seria juntar na mesma prateleira as operações do Makro e do Atacadão. Abílio e o grupo francês passariam a controlar um negócio de R$ 23 bilhões por ano e quase 140 pontos de venda. Não custa lembrar que há tempos o Carrefour estuda formas para capitalizar o Atacadão, do IPO a  venda de uma participação no capital. Talvez os franceses engavetem todos esses planos e encontrem em Abílio Diniz um inesperado, mas conveniente companheiro de viagem.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.08.13
ED. 4719

Esteves avança na direção do Carrefour

 Nem o ego atrofiado o impede de confessar: André Esteves, maior acionista do BTG, sonha acordar no corpo de Jorge Paulo Lemann quando se tornar adulto. A maturidade de Esteves, digamos assim, chama- se Carrefour. Não a operação brasileira, mas, sim, a rede varejista global. Não custa lembrar que o banqueiro esteve com um pé dentro do supermercado aqui no Brasil, quando foi adviser da tentativa de aquisição do Carrefour pelo Pão de Açúcar. Era ele também que traria o funding complementar ao merger. aguas passadas.  O tempo curou feridas e permitiu que Esteves fosse montando o chamado quebra-cabeça Carrefour. Trata-se da maior aquisição internacional já realizada por brasileiros. Isso, é claro, se a engenharia der certo. O banqueiro já teria conversado com o ministro Guido Mantega, de quem é próximo. Um argumento que vai além do negócio é a importância da renacionalização do setor supermercadista, que arranha a conta- corrente do país com unhas cada vez mais longas. Hoje, falar no grande varejo do país, significa citar três nomes: Casino, Walmart e o suprarreferido Carrefour. A missão exige diplomacia no nível do assunto de Estado, até porque o governo francês costuma encrencar quando se trata da venda dos seus ícones empresariais. Basta recordar a indignada reação gaulesa quando, há alguns anos, surgiram especulações de que o Walmart faria uma oferta pelo controle global do Carrefour – se bem que, talvez, um brasileiro com ares de investidor do mundo cause menos afronta ao orgulho francês do que uma família saída da América profunda. De qualquer forma, trata-se de uma missão para um empresário do porte de Jorge Paulo. Esteves pretende juntar várias pontas de um novelo complexo para dar cabo da empreitada: fundos de pensão, investidores estrangeiros, governo e um trunfo guardado a sete chaves. É nessa tacada não visível e nada convencional que o empresário aposta suas fichas. O modelo de negócio tem um irmão gêmeo mais velho: o banqueiro e seus partners ficariam com uma participação majoritária, ao menos no início, mas a gestão seria entregue a grupo brasileiro. Bem parecido com a InBev, não? Esteves adoraria essa comparação. Aliás, por falar em comparação, dependendo de onde se olhe, o Carrefour é uma espécie maior do que a própria InBev. É verdade que existe uma galáxia de distância entre os valores de mercado dos dois grupos: aproximadamente US$ 118 bilhões no caso da cervejeira, e pouco mais de US$ 20 bilhões para a rede varejista. No entanto, em termos de faturamento, o placar vira. No ano passado, o Carrefour teve uma receita de US$ 100 bilhões, contra US$ 40 bilhões da InBev. No caso de uma operação bem-sucedida, Esteves laçaria uma hidra com quase 10 mil lojas (metade delas na França) e 365 mil empregados em 33 países. É um trabalho de Hércules, atenda ele pelo nome de Jorge ou de André? Ou André e Jorge

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.