Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
09.12.16
ED. 5513

Axa avança sobre seguradora da Vinci Partners

Um ano e meio após a aquisição da carteira de apólices de grandes riscos da SulAmérica, a francesa Axa estaria em negociações para a compra da seguradora Austral. A operação envolveria a transferência dos 80% pertencentes à Vinci Partners, de Gilberto Sayão – o IFC, leia-se Banco Mundial, detém o restante das ações. A Austral está avaliada em aproximadamente R$ 300 milhões – ou seja, um múltiplo de quase quatro vezes o patrimônio líquido, na casa dos R$ 80 milhões, segundo o balanço de junho.

As negociações para a venda da Austral têm sido conduzidas pelo JP Morgan. Há cerca de três meses, o grupo chinês Fosun, o mesmo que comprou a gestora de recursos Rio Bravo, de Gustavo Franco, chegou a abrir conversações com a Vinci, mas as tratativas perderam temperatura. Com foco no segmento de grandes riscos, notadamente seguro garantia, a Austral fechou 2015 com cerca de R$ 750 milhões em prêmios. Com ativos da ordem de 1,3 trilhão de euros em todo o mundo, a Axa tem se notabilizado por uma agressiva estratégia de aquisições globais: foram 20 nos últimos cinco anos, boa parte na Europa.

A investida sobre a Austral deixa claro o especial interesse dos franceses pelo mercado brasileiro de seguros de grandes riscos. O segmento de seguro garantia, que movimentou cerca de R$ 5 bilhões no ano passado, deverá ter um novo impulso com o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). O pacote de 34 concessões de infraestrutura anunciado pelo governo para 2017 é promessa de aumento da demanda pela cobertura de grandes obras de engenharia. Não custa lembrar que o projeto de lei 559/2013, que está em tramitação no Congresso, prevê o aumento dos limites para a contratação de seguro garantia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

A esquadrilha de Eduardo Cunha começou a bombardear o BNDES. Circula na internet a informação de que o banco financiou a compra de 20 aviões da Embraer pela Austral, subsidiária da Aerolíneas Argentinas, no valor de US$ 700 milhões. Segundo a denúncia, o contrato apresenta indícios de sobrepreços.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.