Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
06.07.17
ED. 5655

Jules et Jim

O megaprojeto de fusão da Aliansce com a BR Malls tem espaço para um terceiro elemento. A norte-americana General Shopping, que administra 15 shopping centers no Brasil, é candidata a fechar o triângulo. A tríplice aliança criaria uma companhia com valor de mercado superior a Jules et JimR$ 15 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

shopping-rr-25
27.06.17
ED. 5648

Sonae Sierra busca vaga no Shopping Leblon

O grupo português Sonae Sierra entrou na dança das cadeiras que embala, neste momento, o setor de shopping centers no Brasil. Os lusos têm interesse na compra de uma participação no Shopping Leblon, no Rio, controlado pela Aliansce. Segundo o RR apurou, a subsidiária do grupo, a Sonae Sierra Brasil, fará uma emissão de debêntures de R$ 250 milhões para financiar aquisições no país, onde já administra dez shoppings.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.06.17
ED. 5644

Costura societária

O fundo norte-americano Jaguar Real Estate Partners, sócio da Aliansce, está disposto a colocar algumas centenas de milhões de dólares sobre a mesa para viabilizar a fusão da empresa com a BR Malls. A operação daria origem à maior companhia do setor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.06.17
ED. 5638

Praça de alimentação

Além da possível fusão com a BR Malls, a Aliansce negocia a compra do Madureira Shopping, pertencente à Brookfield. Em tempo: os canadenses também colocaram à venda o West Plaza, em São Paulo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

shopping-rr-25
18.04.17
ED. 5601

É tempo de “liquidação” na Aliansce

A Aliansce pretende reduzir sua participação em alguns de seus empreendimentos, a começar pelo Shopping Leblon. A empresa precisa fazer caixa para recomprar a torre de escritórios Boulevard Corporate, em Belo Horizonte. Em 2014, quando fechou a aquisição do edifício, o CTBH Fundo de Investimento – administrado pela Kinea, leia-se Itaú garantiu uma opção de venda para a própria Aliansce por R$ 270 milhões três anos depois, caso nenhum outro investidor oferecesse esse valor pelo ativo. O prazo expira no fim do mês e, no mercado, todos dão como certo que a Kinea vai exercer a opção e jogar o Boulevard Corporate de novo no colo da Aliansce.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

shoppingleblon-rr-10
10.01.17
ED. 5535

Jaguar acha uma fresta no bloco de controle da Aliansce

A Jaguar Real Estate Partners já preparou o mapa para o ingresso no bloco de controle da Aliansce. A gestora norte-americana identificou na BNY Mellon ARX Investimentos o primeiro passo para dar cabo na empreitada. Já está de olho nessa oportunidade faz tempo. Mas, a estratégia de vai e vem da ARX, como é chamada no mercado, acabou postergando o plano. Explica-se o ziguezague: a companhia de investimentos detinha 5% das ações da Aliansce em 2012; em 2013, iniciou um aumento da sua participação via compra das ações em mercado chegando a 8%; desde então, a ordem na ARX foi reduzir a posição descendo para os atuais 6,82%.

A Jaguar pretende somar seu lote acionário de 5,43% ao quinhão da ARX. Com a transação, dobrará para 12% a participação no capital da Aliansce. O percentual é semelhante ao que a Jaguar tentou comprar em agosto do ano passado da norte-americana GGP, uma das maiores administradoras de shoppings do mundo. Mas as ações foram adquiridas pelo Canada Pension Plan Investment Board, braço de investimentos do Canada Pension Plan, fundo de pensão dos empregados públicos e privados do Canadá.

Segundo a fonte do RR, que acompanha a transação, a Jaguar acertou com o Canada Pension Plan e o empresário Renato Rique, ambos integrantes do bloco de controle, um acordo prévio. Por ele, os dois investidores abrem mão da sua prerrogativa de compra das ações e deixam o caminho livre para a gestora norte-americana adquirir a parte da ARX. Nas conversas prévias do trio, está um novo aumento de capital. No ano passado, foi concretizada uma operação de capitalização semelhante para comprar uma fatia minoritária do Shopping Leblon, o que permitiu a entrada da Jaguar na Aliansce. Com os recursos obtidos em mercado, a gestora espera ampliar para 30 o número de shoppings próprios – hoje são 19.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.07.15
ED. 5162

Aliansce e Gazit-Globe têm um encontro marcado no shopping

No momento em que o consumo despenca e o varejo faz demissões em série, está em gestação o que pode vir a ser uma das maiores operações de M&A já realizadas no mercado brasileiro de shopping centers. De um lado, a israelense Gazit-Globe, um gigante global com 524 shoppings em 20 países e um total de ativos da ordem de US$ 21 bilhões; do outro, a Aliansce, uma das maiores empresas do setor no Brasil, com 30 centros comerciais em dez estados. Das conversas que vêm sendo mantidas no maior sigilo entre as duas companhias poderá surgir um grupo com quase 50 shoppings no país e uma receita anual superior a R$ 800 milhões. Estima-se que as operações dos dois grupos estejam avaliadas em mais de R$ 5 bilhões. Para efeito de comparação, desde 2007, quando algumas das maiores administradoras do país abriram o capital na Bolsa, a maior movimentação de ativos no setor se deu no ano passado, em um total de R$ 500 milhões. Procurada pelo RR, a Gazit-Globe negou as conversas com a Aliansce. Estranho seria o contrário. Por sua vez, a empresa carioca não quis se pronunciar sobre o assunto. O cupido deste enredo atende pelo nome de Canada Pension Plan Investment Board (CPPIB), maior acionista individual da Aliansce, com 29%. Principal responsável pela aproximação com os israelenses, o CPPIB teria uma participação expressiva na nova companhia. O mesmo se aplicaria ao empresário Renato Rique, fundador e presidente da Aliansce, da qual ainda detém 23%. Uma vez confirmada, a operação com a Gazit- Globe será, portanto, uma demonstração do poder do CPPIB na Aliansce. Desde que desembarcou no negócio, em 2013, com a compra da participação da norte-americana General Growth Properties (GGP), o fundo de pensão canadense jamais escondeu o desejo de ver a companhia associada a outro grande grupo do setor. O encontro entre os dois grupos se dá em um período de contrastes. A Gazit- Globe avança a largas passadas no Brasil: foram oito aquisições nos últimos sete anos. Já a Aliansce está, digamos assim, fechada para balanço. Pressionada por um endividamento de R$ 1,5 bilhão (equivalente a 4,2 vezes o Ebitda) e pela queda das vendas no varejo, a empresa carioca, dona do Shopping Leblon, se viu forçada a reduzir seus investimentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.