Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
13.04.18
ED. 5846

Risco jurídico trava privatizações na área de saneamento

O programa de privatizações no setor de saneamento é um rio que está passando na vida do BNDES, arrastando para longe um volume potencial de investimentos de mais de R$ 25 bilhões. Embora, formalmente, a área técnica do banco ainda trabalhe na modelagem de venda de nove concessionárias, as negociações com os respectivos governos estaduais estão praticamente paradas. Isso se aplica, inclusive, a empresas que já se encontravam em um estágio mais avançado, como a pernambucana Compesa e a paranaense Cosampa.

O ressecamento da operação se deve, fundamentalmente, à falta de investidores dispostos a enfrentar o risco jurisdicional do setor. Grupos internacionais, a exemplo da espanhola Aegea, da francesa Veolia e da sul-coreana GS Inima recuaram nas conversações com o BNDES e os governos estaduais. O marco regulatório da área de saneamento, que data de 2007, é visto como anacrônico e repleto de cavilosidades que aumentam a insegurança dos grandes grupos internacionais.

A base jurídica é muito frágil, notadamente no que diz respeito à legalidade e à extensão dos contratos de concessão. Um dos casos mais emblemáticos envolve a maior das nove concessionárias do programa, a Cedae. Não há qualquer garantia jurídica, por exemplo, de cumprimento do contrato de 50 anos firmado com o município do Rio de Janeiro. A rigor, de uma hora para a outra, a empresa pode perder o contrato de concessão que responde por mais de 70% das suas receitas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.11.17
ED. 5754

Liquidez

Os acionistas da Aegea – Equipav, o fundo GIC, de Cingapura, e o IFC e a GIF, ligadas ao Banco Mundial – discutem a possibilidade de um aumento de capital para financiar aquisições na área de saneamento. Miram, sobretudo, na possível privatização da Cedae e na venda de parte da holding controladora da Sabesp. A Aegea confirma a “disposição dos acionistas em suportar eventuais expansões”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.17
ED. 5593

Sobre a privatização da Copasa

A Aegea acompanha com especial interesse os preparativos do governo mineiro para a privatização da Copasa. A empresa tem trânsito livre com Fernando Pimentel.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.05.16
ED. 5377

Água e esgoto

 A Aegea Saneamento negocia a compra de ativos da OAS Soluções Ambientais. Tragada pela Lava Jato, a empresa se resume hoje a uma concessão em Guarulhos e outra em Lima, no Peru. Procurada, a Aegea confirmou o interesse na operação de Guarulhos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.12.15
ED. 5273

Fazendo-se de difícil

 A decisão da Aegea de pular fora do leilão de venda da CAB Ambiental, que ocorreu no último dia 10 de dezembro, não passou de jogo de cena. A empresa segue interessada na operação de saneamento do Grupo Galvão, mas usa o tempo a seu favor. Primeiro, aproveita-se da delicada situação financeira da Galvão para forçar uma redução do preço do ativo, fixado em R$ 600 milhões. Além disso, quer uma garantia firme dos credores do grupo de que não herdará qualquer dívida da CAB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

  A GP Investimentos enxergou um veio de água potável minando entre os destroços da Lava Jato. A gestora de recursos está em negociações para a compra da OAS Soluções Ambientais e da CAB Ambiental, do Grupo Galvão. Segundo o RR apurou, o braço de saneamento da empreiteira de Cesar Mata Pires está avaliado em aproximadamente R$ 200 milhões. No caso da CAB, os valores sobre a mesa giram em torno dos R$ 500 milhões. Uma vez cravada a dupla aquisição, o caminho das pedras está traçado: o objetivo da GP é consolidar as duas companhias e criar um dos maiores grupos privados de saneamento do país. Juntas, CAB e OAS Soluções Ambientais somam um faturamento em torno de R$ 700 milhões, 20 concessões em cinco estados e aproximadamente 10% de market share. Entre as empresas privadas, a dupla ficaria atrás somente da Águas do Brasil e da Odebrecht Ambiental .  A GP se aproveita do momento de fragilidade de um setor umbilicalmente ligado às grandes empresas de construção pesada do país e, por isso mesmo, superofertado de ativos – outra empresa à venda é a Aegea, do Grupo Equipav.. A empresa nega a informação e ainda afirma que analisa oportunidades de aquisição. CAB e OAS Soluções Ambientais são companheiras de calvário. Seus acionistas controladores foram arrastados pelo “petrolão”, entraram em recuperação judicial e precisam vender ativos o quanto antes para salvar a própria pele. Como não poderia deixar de ser, tanto de um lado quanto de outro, a fonte secou. Enquanto a venda não sai, CAB e OAS não têm outra opção se não sugar o próprio caixa para tocar os projetos em curso em suas concessões. Não obstante a realidade dos fatos, a GP aposta suas fichas no potencial de crescimento das duas empresas. Com 18 concessões, a CAB cresceu 6% no ano passado, rompendo a marca de R$ 600 milhões em receita. A OAS tem um faturamento bem menor, em torno de R$ 80 milhões. Em compensação, como boa parte dos projetos entrou recentemente em operação, a empresa ainda está no período dos longos saltos. No ano passado, sua receita subiu 500%

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.