Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
03.10.17
ED. 5717

Espanhóis deixam vários fios soltos

Depois da Abengoa, é a vez da conterrânea Isolux cair em desgraça na Aneel. Além da ameaça de suspender a empresa de novas licitações por até dois anos, a agência estuda retomar concessões dos espanhóis no país. Na mira, as licenças para a construção de uma rede de 436 quilômetros interligada à usina de Belo Monte e um linhão de mais de 300 quilômetros em Rondônia. Os dois projetos estão atrasados. A Isolux tenta uma solução meio-termo: obter a autorização para transferir o controle das concessões, o que lhe permitiria colocar algum dinheiro no bolso. Por ora, a ideia tem encontrado pouca ou nenhuma simpatia da parte do órgão regulador.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.09.17
ED. 5708

Aneel corta os fios da Abengoa

O plano de recuperação judicial da Abengoa no Brasil, apresentado há pouco mais de um mês, corre sério risco de ser eletrocutado pela Aneel. As gestões feitas pelo grupo espanhol para encerrar as pendências com o órgão regulador e manter sob o seu guarda-chuva nove licenças de transmissão ricochetearam contra uma parede de concreto. A Aneel já teria, inclusive, formalizado ao Ministério de Minas e Energia o pedido de caducidade das concessões. A partir de agora, a companhia só tem dois caminhos: brigar na Justiça, tendo contra si a Aneel e um governo ávido por revogar e relicitar tudo o que é concessão possível, ou ver escapar entre seus dedos um pacote de ativos fundamental para a quitação do seu passivo, da ordem de R$ 3,4 bilhões. A Abengoa diz já ter recebido uma oferta de R$ 1,8 bilhão do fundo Texas Pacific Group por outras sete linhas de transmissão, estas em operação. Ainda assim, a conta não fecha. Os espanhóis dependem da venda das concessões que a Aneel quer retomar. Dependem ainda da negociação de ativos menores, também uma seara na qual sobram faíscas. A companhia quer vender um hospital em Manaus ao valor de R$ 143 milhões. No entanto, o governo do Amazonas estaria se recusando a autorizar a transferência do empreendimento, construído por meio de uma PPP com o estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.08.17
ED. 5680

Aneel quer Abengoa fora da jogada ainda neste ano

No que depender da Aneel, a Abengoa não terá direito nem a respirar. A agência articula com o Ministério de Minas e Energia para que a cassação das nove linhas de transmissão da empresa espanhola seja consumada ainda neste ano. Este prazo permitiria à Aneel relicitar as concessões no primeiro leilão de transmissão de 2018, no primeiro trimestre. A punição à Abengoa é decorrência do descumprimento dos prazos do edital: dos nove projetos, apenas um saiu do papel, na Bahia – ainda assim, nem um terço da obra está concluído. São mais de seis mil km em linhas e investimentos pendentes de R$ 7 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.08.17
ED. 5674

Desmanche

E lá se vai a armada espanhola… Além da Abengoa, a Isolux também busca um comprador para todas as suas linhas de transmissão no Brasil. As dívidas falaram mais alto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.07.17
ED. 5664

Abengoa tenta desatar os nós em suas linhas

A Abengoa espera receber até o fim do mês uma oferta vinculante da chinesa State Grid por parte dos seus ativos de transmissão no Brasil. A proposta servirá como valor de referência para o leilão das concessões que os espanhóis vão realizar dentro do processo de recuperação judicial. O pacote que será vendido inclui os 3,5 mil km em linhas de transmissão já em operação no país. Se dependesse dos espanhóis, também estariam no embrulho os mais de seis mil km de rede ainda em fase de construção. Mas este é outro departamento, que passa pela Aneel, onde o grupo espanhol costuma ser tratado de “caloteiro” para baixo, segundo uma fonte da agência. O órgão regulador acusa a Abengoa de não cumprir os investimentos e prazos previstos em contrato e briga na Justiça para retomar estas concessões. No momento, aguarda decisão do Tribunal Regional Federal da 2a Região ao pedido de liminar que permitiria a continuidade do processo de caducidade das licenças.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.04.17
ED. 5608

Quem vai desatar o nó nas linhas da Abengoa?

A Aneel já contabiliza três grandes grupos interessados nas concessões de transmissão da Abengoa no Brasil – a colombiana ISA, a chinesa State Grid e a Taesa, leia-se Cemig. A agência reguladora trava uma disputa jurídica com os espanhóis para retomar e relicitar suas licenças no país. A Abengoa interrompeu as obras de construção das novas linhas por dificuldades financeiras. O enrosco já leva mais de um ano e meio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.17
ED. 5583

Aneel quer cortar de vez as linhas da Abengoa

A Aneel resolveu subir o tom no contencioso com a Abengoa. Segundo fonte da Procuradoria Federal da Agência, vinculada à Advocacia Geral da União (AGU), a entidade já recorreu à Justiça Federal com o objetivo de derrubar a decisão da juíza Maria da Penha Mauro, da 5a Vara Federal do Rio de Janeiro. A magistrada suspendeu a caducidade das obras nas linhas transmissoras do grupo espanhol no Brasil.

Na prática, a medida engessou a Aneel, impedindo a revogação e a retomada das licenças da Abengoa. A companhia tem uma sucessão de passivos junto ao órgão regulador: descumpriu prazos, não honrou investimentos previstos no edital e deixou de instalar mais de 4,3 mil quilômetros de fios no país. Procurada, a Aneel confirmou o recurso. A Abengoa não quis se pronunciar. O caso mais grave é o da linha de transmissão de Belo Monte.

O empreendimento, de R$ 1,3 bilhão, deveria ter sido entregue pela Abengoa em fevereiro do ano passado. No entanto, as obras estão paralisadas, comprometendo a distribuição da energia gerada pela usina. Se a construção não for retomada imediatamente, dificilmente o sistema de transmissão estará completamente instalado até 2019, quando Belo Monte atingirá sua plena capacidade.

De acordo com a fonte do RR, há na Aneel um profundo incômodo com o comportamento dos espanhóis. Já faz mais de um ano que o grupo entrou em recuperação judicial e segue sentado sobre projetos que demandam investimentos de quase R$ 4 bilhões. A leitura na Aneel é que a Abengoa vem se valendo de uma série de gincanas para procrastinar a questão. Na semana passada, por exemplo, solicitou à 5a Vara Empresarial o adiamento da assembleia de credores de 30 de março para 30 de maio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

Presente de Natal

A Abengoa Bioenergia deverá apresentar até o dia 20 um novo plano de renegociação de sua dívida, de R$ 1 bilhão. Impacientes, alguns credores já estariam pedindo o arresto de equipamentos e estoques de cana.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.16
ED. 5480

Fio desencapado

 State Grid e Brookfield têm um duelo marcado no Brasil. Em disputa, os sete mil quilômetros de linhas de transmissão da espanhola Abengoa, em recuperação judicial.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.10.16
ED. 5467

Contra o relógio

 A Abengoa corre para vender boa parte de seus ativos de transmissão no Brasil até dezembro. Os espanhóis tentam evitar que as concessões sejam retomadas e relicitadas pelo governo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.09.16
ED. 5446

Abengoa

„  A Abengoa elegeu o Brasil para pagar o dízimo maior na tentativa de evitar a falência na Espanha, seu país de origem. Além da devolução das linhas de transmissão da subsidiária, em recuperação judicial, vai se desfazer das três usinas sucroalcooleiras penduradas na Abengoa Bioenergia. A controlada está fora do processo judicial, mas carrega dívida líquida perto de R$ 1 bilhão. A negociação mais avançada é com a norte-americana Green Plains, ainda sem negócios no Brasil. • Procuradas pelo RR, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Abengoa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.16
ED. 5332

Three Gorges

A chinesa Three Gorges é candidata a ficar com as linhas de transmissão da Abengoa no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.03.16
ED. 5317

Abengoa deixa o bagaço para seus credores

  A crise financeira da Abengoa avança pelos dois maiores negócios dos espanhóis no Brasil. Se, no setor elétrico, o grupo cogita vender ativos e até mesmo devolver licenças de transmissão para a Aneel , na área sucroalcooleira a situação é ainda mais grave. Com uma dívida superior a R$ 800 milhões, a Abengoa Bioenergia tem atrasado o pagamento de fornecedores e, principalmente, de agricultores. Nas últimas semanas, a empresa teria feito uma série de demissões na área administrativa. O RR fez várias tentativas de contato com a Abengoa Bioenergia, por telefone e e-mail. Em uma das ligações, um funcioná- rio que não quis se identificar informou que não havia ninguém autorizado a atender à imprensa. Disse ainda que a área de comunicação tinha sido desativada e apenas o setor de RH ainda estava em funcionamento na sede da companhia.  No início do ano, a Abengoa Bionergia anunciou um plano para a repactuação de seu passivo. A medida, no entanto, não foi suficiente para acalmar seus credores, particularmente os fornecedores de cana. Segundo o RR apurou, um grupo de agricultores está se mobilizando para pedir na Justiça o arresto de parte da produção de etanol das duas usinas da Abengoa Bioenergia – localizadas em Pirassununga e São João da Boa Vista, no interior de São Paulo. No fim do ano passado, os plantadores de cana conseguiram uma liminar para tomar posse de equipamentos da companhia e bloquear recursos que seriam remetidos à matriz, na Espanha. A Abengoa Bioenergia conseguiu cassar a liminar e ganhar tempo. Ainda não se sabe exatamente para quê?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.02.16
ED. 5314

Desistências em série no leilão de transmissão

 O próximo leilão de linhas de transmissão já tem data marcada, 13 de abril. Agora só falta o principal: investidor. Alguns dos maiores grupos do setor, que tradicionalmente batem ponto nas licitações da Aneel, não deverão participar desta rodada. Segundo o RR apurou junto à alta fonte do Ministério de Minas e Energia, a colombiana ISA, dona da CTEEP, a Copel e a Cemig já sinalizaram que não entrarão no leilão, mesmo com as mudanças nas regras exigidas pelo TCU. A esta lista some-se também a Abengoa, que enfrenta graves problemas financeiros – o mais provável, inclusive, é que os espanhóis se desfaçam de alguns de seus negócios no país.  A tentativa do governo de estimular a entrada de novos investidores no setor de transmissão também tem sido um tiro n´água, vide o road show comandado pelo presidente da EPE, Maurício Tolmasquim em dezembro. De acordo com a mesma fonte, a EDF, ex-controladora da Light, e a inglesa National Grid foram procuradas e disseram não ter interesse em investir no setor. O governo tem menos de dois meses para preencher essas lacunas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.02.16
ED. 5299

Abengoa deixa o bagaço para seus credores

A crise financeira da Abengoa avança pelos dois maiores negócios dos espanhóis no Brasil. Se, no setor elétrico, o grupo cogita vender ativos e até mesmo devolver licenças de transmissão para a Aneel , na área sucroalcooleira a situação é ainda mais grave. Com uma dívida superior a R$ 800 milhões, a Abengoa Bioenergia tem atrasado o pagamento de fornecedores e, principalmente, de agricultores. Nas últimas semanas, a empresa teria feito uma série de demissões na área administrativa. O RR fez várias tentativas de contato com a Abengoa Bioenergia, por telefone e e-mail. Em uma das ligações, um funcioná- rio que não quis se identificar informou que não havia ninguém autorizado a atender à imprensa. Disse ainda que a área de comunicação tinha sido desativada e apenas o setor de RH ainda estava em funcionamento na sede da companhia. No início do ano, a Abengoa Bionergia anunciou um plano para a repactuação de seu passivo. A medida, no entanto, não foi suficiente para acalmar seus credores, particularmente os fornecedores de cana. Segundo o RR apurou, um grupo de agricultores está se mobilizando para pedir na Justiça o arresto de parte da produção de etanol das duas usinas da Abengoa Bioenergia – localizadas em Pirassununga e São João da Boa Vista, no interior de São Paulo. No fim do ano passado, os plantadores de cana conseguiram uma liminar para tomar posse de equipamentos da companhia e bloquear recursos que seriam remetidos à matriz, na Espanha. A Abengoa Bioenergia conseguiu cassar a liminar e ganhar tempo. Ainda não se sabe exatamente para quê?

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.10.15
ED. 5233

Dedini é um pote até aqui de fel

 É difícil dizer de onde vem a maior ameaça ao futuro da Dedini: se das dívidas e prejuízos que empurraram a empresa para a recuperação judicial ou do rancor que corre nas veias de seus controladores. A grave crise financeira da companhia acirrou a rixa entre os Dedini Ometto – uma família estilhaçada desde a morte de seu patriarca, Dovilio Ometto, em 2007. Filho de Dovílio e um dos herdeiros da maior fabricante de equipamentos para a indústria sucroalcooleira da América Latina, Mario Dedini Ometto estaria se movimentando para comprar participações em poder de outros familiares reunidos nas subholdings AD e Nidar – ambas detêm 49% da companhia. Seu objetivo maior seria a destituição do sobrinho Giuliano Dedini Ometto Duarte da presidência do grupo.  Mario Dedini está convicto de que nem será preciso fazer muita força: bastará uma leve balançada na árvore para que o “galho solto” caia no chão. A situação de Giuliano Dedini é tida como tão frágil quanto a própria saúde financeira da empresa que dirige. As dívidas da Dedini com bancos e fornecedores passam dos R$ 300 milhões, para um patrimô- nio negativo de R$ 160 milhões. Há ainda R$ 900 milhões em passivos fiscais que não entraram na recuperação judicial. Os prejuízos acumulados nos últimos dois anos somam R$ 640 milhões. Não faltam, portanto, motivos para que a gestão de Giuliano seja bombardeada pelo sangue do seu sangue. Adicione-se a este cenário a conturbada sucessão de Dovílio Ometto. O que está em jogo não é apenas o porvir da Dedini, mas também seu passado recente. Há um acerto de contas latente entre eleitos e preteridos.  Pouco antes de morrer, Dovílio Ometto transferiu à filha Juliana um punhado de ações da Doado, holding familiar controladora da Dedini. Foi o suficiente para que a herdeira tivesse uma participação superior à do irmão Mario e passasse a dar as cartas na companhia, indicando Giuliano, seu filho, para a presidência. Juliana faleceu um ano depois, embaralhando ainda mais as relações societárias da Dedini. Desde então, a empresa vive em permanente guerra fria. Houve algumas tentativas de costura do tecido familiar, mas Mario jamais se conformou em ser colocado para escanteio pelo pai e tenta tomar as rédeas do negócio. Só que ele próprio tem de cavalgar com cuidado. Mario também tem seu calcanhar de aquiles: na semana passada, uma corte arbitral de Nova York o condenou a pagar uma indenização de US$ 100 milhões à Abengoa, por entender que o empresário inflou as projeções de produção de três usinas de álcool e açúca

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.