23.04.18
ED. 5852

As inusitadas “prévias” do PT

A ideia do cientista político Alberto Almeida de que o PT deveria ter vários pré-candidatos fazendo campanha começa a dar filhotes de três olhos e sete cabeças. A julgar pela relação de Almeida com Lula, o ex-presidente mandou tocar a proposta para frente. E ela já vem repercutindo animadamente nas redes sociais, tendo o cientista político como abre alas. Na versão original, Fernando Haddad, Patrus Ananias e Jaques Wagner sairiam em campo como indicados pelo grande chefe Luiz Inácio.

O processo de escolha do candidato seria democratizado. Todos, portanto, estariam endossados por Lula. Em tese, eles multiplicariam a campanha, como multi-pré-candidatos percorrendo várias regiões do país ao mesmo tempo. Em setembro, por ocasião do encerramento para homologação da candidatura pelo TSE, uma pesquisa definiria o candidato lulista definitivo em função da maior intenção de votos. Os filhotes monstrengos do modelo de Almeida são gestados pelo excesso de abertura que o sistema idealizado permite para o surgimento de pré-candidaturas imprevistas.

Por que os ungidos por Lula seriam só três e não quatro ou cinco? E se Gleisi e Lindbergh quiserem testar o seu potencial? E Lula lá da prisão vai aprovar e reprovar os principais quadros do seu partido? Finalmente, já que Lula permanece candidato, como essa trupe rodaria o país para ser o candidato do ex-presidente que continua na disputa eleitoral mesmo estando inelegível? É de quebrar a cabeça. Tanta dispersão pode levar a uma definição de candidatos por múltipla escolha se o modelo contemplar o cruzamento de diferentes pesquisas eleitorais cujos resultados sejam distintos entre si.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.