24.11.17
ED. 5752

Arbitragem política

Os pesos-pesados da indústria sucroalcooleira que controlam o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) entendem só haver uma saída para a contenda com a BNDESPar: politizar a questão. A Raízen, de Rubens Ometto, e a São Martinho estariam tentando sensibilizar o governo para que ele entre em campo e resolva o impasse com o braço de participações do BNDES. Em 2014, a BNDESPar ingressou no capital da CTC comprometendo-se a injetar mais R$90 milhões no negócio. No meio do caminho, puxou o freio de mão, alegando que a empresa tem folga de caixa e não precisa da capitalização. A pendenga foi parar na Câmara de Arbitragem da B3. Procurada, a São Martinho diz “não confirmar a informação”. A Raízen não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.