09.02.18
ED. 5805

American Airlines deixa um rastro de insatisfação no Brasil

Há um conjunto de brasileiros, liderados por um influente ex-integrante da Prefeitura do Rio, que se organiza para realizar um movimento de protesto contra a American Airlines. O grupo pretende colocar em suspeição a qualidade das aeronaves que fazem as rotas Brasil-Nova York. Os aviões que cumprem esse percurso seriam de modelos velhos, motivo pelo qual os pilotos têm sido obrigados a fazer recorrentes paradas obrigatórias no Caribe.

No sábado passado, aeronave que voava de Nova York para o Rio teve de parar em Hamilton, nas Bermudas. Os passageiros, convidados a sair, sentiram um forte cheiro de querosene de aviação. O piloto, segundo relatos, foi obrigado a descarregar combustível no processo de aproximação do aeroporto. Os militantes da causa contra a American Airlines levantam suspeição de um princípio de incêndio em um dos motores. Ninguém da tripulação deu explicação das razões para a estranha parada fora do roteiro. O incômodo aumentou quando outra aeronave aterrissou para realocar os passageiros, e os cidadãos norte-americanos tiveram privilégio no reembarque.

Consultada, a American Airlines confirmou que “no dia 3 de fevereiro, o voo AA 973, de Nova York para o Rio, alternou para o Aeroporto Internacional de Bermudas, em razão de uma questão mecânica que, mais tarde, foi identificada como uma falha em um dos sensores.” Segundo a empresa, a aeronave pousou em segurança às 12h48 (hora local). A companhia diz que “os passageiros foram desembarcados normalmente e a equipe em Bermudas os reacomodou em voos para o Rio” e afirma que “atende todos os clientes igualmente, independente de sua nacionalidade”.

Garante ainda que a frota utilizada no Brasil é composta por “aeronaves widebody mais modernas”, como o Boeing 777-200, na rota Rio-Nova York, e Boeings 777-300 e 787, operados nos voos para São Paulo. Os revoltosos estão colecionando casos similares ao do último sábado. Já contam três. A American Airlines assegura não ter “outro registro de pousos não programados no Caribe em voos com origem e destino a Nova York nos últimos anos.” Talvez a empresa tenha se esquecido, mas, no ano passado, uma aeronave foi obrigada a descer em Porto Rico. Em 2014, houve problema em um voo no qual estava a apresentadora Luciana Gimenez, conforme, à época, ela própria relatou nas redes sociais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.