fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
58  resultados para Pfizer

Assuntos sugeridos

Notícias encontradas

10.09.21

Há vacina para a lentidão do Ministério da Saúde?

Um exemplo dos graves lapsos cometidos pelo governo na distribuição de vacinas contra a Covid-19. Segundo o RR apurou, a Prefeitura do Rio alertou ao Ministério da Saúde, com três dias de antecedência, sobre o iminente fim dos estoques de imunizantes na rede municipal e a necessidade de envio de novas remessas. Não teve qualquer resposta por 72 horas.

O resultado foi a suspensão da aplicação da primeira dose para adolescentes durante a semana passada. Com a paralisação, a Prefeitura teve de reescalonar todo o calendário já divulgado para o mês de setembro. Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio informou que “vem insistentemente reforçando a necessidade de que, diante da urgência imposta pela pandemia de covid-19, o Ministério da Saúde faça a distribuição das vacinas recebidas dos laboratórios produtores o mais célere possível, em até 48 horas após a liberação dos insumos pelos órgãos de controle”.

A Secretaria confirmou ainda que a paralisação da semana passada se deveu à falta de imunizantes da Pfizer em seus estoques. Também procurado pelo RR, o Ministério da Saúde não se pronunciou especificamente sobre o pedido da Prefeitura do Rio e a falta de imunizantes na cidade na semana passada. A Pasta limitou-se a informar que “iniciará o envio de vacinas aos estados para imunização de adolescentes, de 12 a 17 anos, a partir da segunda quinzena de setembro.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.09.21

Plano B

Após cancelar o IPO do Teuto, a família Mello busca um sócio para o laboratório farmacêutico. Ocorre que o clã não é uma companhia das mais fáceis. Que o diga a Pfizer, que já esteve por lá.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.06.21

A pandemia em três “cepas”

Tudo o que negou desde o início da pandemia, Jair Bolsonaro deverá usar em seu favor ao término da vacinação dos adultos prevista, no máximo, até o primeiro trimestre do ano que vem. Todos os assuntos vão desaguar na campanha eleitoral guiados por uma lógica bolsonarista. O staff presidencial prepara uma série de filmetes nos quais Bolsonaro dirá que concluiu a vacinação em um ritmo superior à esmagadora maioria dos países do mundo; que se expôs pessoalmente ao vírus indo ao encontro do povo para confortá-lo; e que o hábito de não usar máscaras foi um artifício psicológico para evitar que o medo e histeria tomassem conta da população. Sim, Bolsonaro teria agido como um ator performático. O presidente dirá ainda que a tentativa de acrescentar um reforço precoce – leia-se cloroquina – ao tratamento universal pela vacinação foi politizada, visando a campanha eleitoral. Todo esse discurso vai se contrapor à inevitável reprodução de declarações contrárias do próprio Bolsonaro, que certamente invadirá a campanha eleitoral em 2022. Esse duelo de “verdades” antagônicas será despejado nas redes com toda a fúria. O mito já tem a versão pronta para mostrar o que não foi e o que não disse.

Segundo um senador informou ao RR, a CPI da Covid estuda convocar dirigentes da Apsen, Cristália, EMS, Germed, Sanofi e Vitamedicl, laboratórios que produzem cloroquina e ivermectina. De acordo com a mesma fonte, o primeiro da fila seria Ogari Pacheco, dono do Cristália. Consultado, o laboratório afirma que o empresário não recebeu qualquer convocação. Talvez seja só questão de tempo. Do ponto de vista político, Pacheco é um alvo importante para a oposição: ele é suplente de Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo Bolsonaro no Senado.

Quanto mais o Centrão pressiona pela saída do general Luiz Eduardo Ramos da Casa Civil, mais Jair Bolsonaro amplia o raio de ação do ministro. Ramos passou a ter uma participação ativa nas negociações para a compra de mais vacinas, ao lado do ministro Marcelo Queiroga. Neste momento, por exemplo, conduz tratativas com a Pfizer.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.06.21

CPI on demand

Um dos senadores mais “cloroquínicos” da CPI, Eduardo Girão foi escalado pelo Palácio do Planalto para uma missão especial: produzir um relatório paralelo ao de Renan Calheiros. Segundo o RR apurou, uma das ideias é contestar a Pfizer, sob a alegação de que a empresa não deu prioridade na venda de vacinas ao Brasil, mesmo após realizar os testes da fase 3 do seu imunizante no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.21

Conexão Washington

A CPI da Covid deverá convocar o embaixador do Brasil em Washington, Nestor Forster Jr. Os senadores querem ouvi-lo sobre três assuntos: Pfizer, Pifzer e Pfizer.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.05.21

Pfizer quer distância de Pazuello

Segundo o RR apurou, a Pfizer teria encaminhado à CPI da Covid uma nova leva de documentos detalhando os contatos com o governo brasileiro para a oferta de vacinas. Com isso, o laboratório tenta evitar uma constrangedora acareação entre Carlos Murillo – ex-presidente da subsidiária brasileira e atual no 1 do grupo na América Latina – e o general Eduardo Pazuello.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.05.21

Ponto final

Os seguintes citados não retornaram ou não comentaram o assunto: Pfizer e Previ.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.05.21

Uns querem distância da CPI…

Correu ontem, no Senado, a informação de que o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, estaria tentando obter um habeas corpus para não depor na CPI da Covid. O senador Randolfe Rodrigues já anunciou que pretende convocá-lo O foco principal seria uma reunião realizada em agosto de 2020 entre Costa e executivos da Pfizer, entre eles o então presidente da empresa no Brasil, Carlos Murillo. Na ocasião, o governo brasileiro recusou uma oferta do laboratório para a compra de 70 milhões de doses de vacina.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.21

“Diplomacia da vacina” vira álibi de Jair Bolsonaro

O Palácio do Planalto começou a montar o quebra-cabeças para a defesa do presidente Jair Bolsonaro na CPI da Covid. Há uma preocupação específica em justificar a demora para a aquisição de vacinas, nem que para isso seja necessário descortinar informações delicadas, que, em circunstâncias normais, não deveriam vir à tona. Um dos argumentos centrais levantados por assessores de Bolsonaro é o fato de que a dinâmica de compra e venda de imunizantes não vem sendo guiada apenas por critérios de ordem sanitária. Há obstáculos invisíveis a olho nu. No meio do caminho, surgiram interesses geoeconômicos e comerciais que têm exercido razoável influência sobre negociações. Jair Bolsonaro errou muito, mas ninguém é bonzinho nesse script.

Com todas as sutilezas que costumam pautar discussões diplomáticas, há um jogo tácito de barganhas no mercado multilateral da vacina. Essas tratativas estão imbricadas com interesses comerciais. Uma peça central dessa engrenagem é o leilão de 5G. Há, neste momento, uma incrível interseção geoeconômica entre telefonia e vacina. A China, um dos principais fornecedores de imunizantes para o Brasil, tenta derrubar as barreiras – sobretudo ideológicas – para assegurar a participação da Huawei na licitação do 5G. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Mas, provavelmente, não vai ser satanizando a Huawei que o governo brasileiro conseguirá reduzir o atraso no envio dos insumos chineses para a produção da CoronaVac.

A diplomacia é a arte da troca. Que o diga a Suécia. A vacina, neste caso, é uma ampola cercada por interesses cruzados, que vão além da saúde e chegam às telecomunicações e à defesa. Um nome, por sinal, enfeixa esses três setores: Investor AB, maior e mais influente companhia de investimentos dos países nórdicos. Controlado pela família Wallenberg, o grupo é um importante acionista da AstraZeneca, fabricante de uma das duas únicas vacinas, ao lado da CoronaVac, autorizadas pela Anvisa para uso no Brasil. A mesma Investor AB tem participação acionária na Ericsson, que duela pela primazia de fornecer a tecnologia 5G no país. Em disputa, um pacote de investimentos da ordem de R$ 10 bilhões até 2025. Os tentáculos do polvo escandinavo alcançam também a área de Defesa. A holding dos Wallenberg é acionista relevantes da Saab, fornecedora dos novos caças da Força Aérea Brasileira, um contrato de aproximadamente US$ 5,4 bilhões.

Um personagem ainda mais poderoso neste tabuleiro de interesses inoculados no mercado mundial de vacinas são os Estados Unidos. Lá estão a Pfizer e a Moderna, com as quais o governo brasileiro já fechou contratos para a compra, respectivamente, de 100 milhões e de 13 milhões de doses. É bem verdade que a gestão Bolsonaro tem muita culpa no cartório. Em meados do ano passado, recusou uma oferta de 70 milhões de doses da própria Pfizer. Esta será uma das maiores fragilidades do presidente na CPI da Covid. Mas, talvez, o governo tenha de explicitar na CPI que há um jogo a ser jogado com Washington. Os Estados Unidos são a nação que mais pressiona o Brasil neste momento por um plano estruturado contra o desmatamento da Amazônia e a emissão de dióxido de carbono. Os norte-americanos são também fortes interessados em deslocar a Huawei do leilão de 5G no Brasil.

Um fato em especial reforça a argumentação a favor do presidente Bolsonaro: a dificuldade de estados e municípios em fechar a compra de vacinas. O mesmo se aplica a iniciativas do setor privado. Na linha de raciocínio construída pelos auxiliares de Bolsonaro, governos centrais só querem vender vacina para governos centrais. É a gestão federal que decide as grandes pautas dos interesses multilaterais. E o acordo entre o governador João Doria e a China? Esta teria sido a exceção que confirma a regra, um contrato fechado na época em que o presidente Bolsonaro desdenhava da vacina chinesa e que serviu para garantir a entrada do produto no mercado brasileiro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.04.21

Pfizer esquenta CPI logo na partida

Em conversa com o RR, um dos senadores integrantes da CPI da Pandemia informou que o colegiado pretende convocar, até o início de maio, dirigentes da Pfizer. A ideia é ouvir a presidente da empresa no Brasil, Marta Díez, e executivos da matriz, que participariam da sessão por videoconferência. Os senadores querem apurar as razões pelas quais o governo Bolsonaro não fechou a compra de 70 milhões de doses oferecidas pela Pfizer em agosto do ano passado.

Uma notícia preocupante para o Palácio do Planalto: Omar Aziz e Renan Calheiros, respectivamente presidente e relator da CPI da Pandemia, estão cada vez mais afinados, a começar pela lista de convocações. Mau presságio para o governo, que vê – ou via – em Aziz um contraponto ao oposicionista Renan.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.