Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21  resultados para Cosan Logística

Assuntos sugeridos

Notícias encontradas

06.10.17
ED. 5720

O valor da Malha Paulista

A Cosan, controladora da Rumo Logística, segurou estrategicamente o lote suplementar de 33 milhões de ações que seriam disponibilizados ao mercado na oferta encerrada nesta semana. A decisão estaria relacionada à Malha Paulista. A expectativa na companhia é que o governo autorize a renovação antecipada da concessão até o início de novembro. Com a boa nova, a Rumo vislumbra a possibilidade de oferecer as ações em mercado a um valor maior do que os R$ 400 milhões que poderia ter arrecadado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.06.17
ED. 5640

Rubens Ometto só colhe ingratidão do governo

Rubens Ometto, dono da Cosan, é um dos raros empresários que apoia publicamente o governo – vide sua presença em jantar de desagravo ao presidente Michel Temer, há cerca de duas semanas em São Paulo. No entanto, seu sentimento é que tem colhido muito pouco para o tanto que semeia. Os mais importantes projetos da Rumo Logística, uma de suas empresas, estão parados nos escaninhos do Poder à espera de respostas que não chegam. Ometto comprometeu-se a investir quase R$ 5 bilhões na expansão e modernização da malha ferroviária da companhia.

Há poucas semanas, também acenou ao governo com o interesse em participar do leilão de concessão da Ferrovia Norte-Sul no trecho que cortará São Paulo, Minas, Goiás e Tocantins – um dos empreendimentos incluídos na PPI. Estes dois movimentos, no entanto, estão condicionados à renovação antecipada, por mais 30 anos, da licença da Malha Paulista, uma das principais operações da Rumo. Ocorre que o pedido hiberna na ANTT há mais de um ano. Nem mesmo as insistentes gestões de Ometto junto aos ministros palacianos, Moreira Franco e Eliseu Padilha, têm ajudado a desatar o nó. Curiosamente, não é apenas na esfera federal que Rubens Ometto vem se deparando com a falta de carinho dos governantes que apoia.

Pulando de Brasília para São Paulo e da área de logística para o setor de energia, o empresário tem motivos de sobra para estar decepcionado com Geraldo Alckmin. Ometto não vê qualquer esforço do governo Alckmin para resolver o impasse entre a Comgás, outra de suas empresas, e a Arsesp. Desde o fim do ano passado, a distribuidora está em um embate com a agência reguladora de serviços públicos de São Paulo por conta da revisão das tarifas do gás.

É mais um enrosco que engessa os planos empresariais de Ometto. Enquanto não houver uma definição para os preços do insumo em São Paulo, a Comgás não vai se arriscar a levar adiante o plano de consolidar outras distribuidoras do setor – um dos alvos seria a participação de 49% da Cemig na Gasmig. Consta, aliás, que Ometto abordou o assunto com o governador Alckmin no próprio jantar oferecido ao presidente Temer. Saiu de lá sem a sobremesa que tanto queria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.03.17
ED. 5574

O fadeout da TPG no Brasil

A californiana Texas Pacific Group (TPG) decidiu exercer a opção de converter 12,8 milhões de ações da Rumo Logística em títulos da Cosan e da Cosan Logística – as três empresas são controladas por Rubens Ometto. Não significa, no entanto, que a gestora dos norte-americanos Jim Coulter e David Bonderman será sócia das duas companhias. Cosan e Cosan Logística acertaram com a TPG o pagamento da conversão em dinheiro, ao preço do fechamento médio dos últimos 20 dias. Nada mais conveniente para o atual momento da gestora no Brasil. Com US$ 56,7 bilhões em ativos, a TPG está em fase de desinvestimento no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.04.15
ED. 5098

O ex-MRS Julio Fontana Neto

O ex-MRS Julio Fontana Neto assumiu a presidência da Cosan Logística com a força de uma locomotiva. Com carta branca de Rubens Ometto, já trocou executivos, refez o planejamento estratégico e reviu o programa de investimentos da empresa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.01.15
ED. 5034

Noble Group enterra cada vez mais dinheiro no Brasil

O Noble Group, de Hong Kong, tornou-se uma máquina de esfarelar dinheiro no Brasil. Erros estratégicos e investimentos desastrosos, somados a  erosão dos preços das commodities agrícolas e minerais, lançaram o grupo asiático em uma espiral de prejuízos no país. As perdas acumuladas nos últimos dois anos já seriam da ordem de R$ 1,5 bilhão. Parte expressiva dessa conta vem do setor sucroalcooleiro. As quatro usinas de açúcar e etanol do Noble Group em São Paulo têm operado com seguidos resultados negativos. Na área de grãos, o principal negócio da companhia, o cenário é igualmente desolador. Entre janeiro e setembro de 2014, o volume de embarques teria recuado 30% na comparação com o mesmo período no ano anterior. O faturamento, por sua vez, girou em torno de US$ 1,5 bilhão, queda de 20%. A tendência é que estas cifras piorem em 2015. O preço da soja atingiu o menor patamar desde 2010, pressionado, sobretudo, pelo boom nos estoques mundiais – só a produção norte-americana cresceu 20% na última safra. No caso específico do Brasil, o buraco nas finanças do Noble Group vai além do inexorável impacto causado pela depreciação das commodities. Entram nesta conta as equivocadas decisões de investimento no país, que, dentro da própria companhia, são, em grande parte, atribuídas a  gestão do brasileiro Ricardo Leiman – o executivo ocupou o cargo de CEO mundial do grupo entre 2009 e 2011. Um exemplo é a compra das duas usinas de açúcar e álcool do Grupo Cerradinho em Catanduva e Potirendaba, no interior de São Paulo. Em 2010, na ânsia de montar uma base de produção de etanol no país e temeroso de perder a disputa com a BP e a Cosan, também candidatas ao negócio, o Noble Group desembolsou cerca de US$ 1 bilhão. Além de um caminhão de dívidas, herdou duas usinas com sérios problemas operacionais, que exigiram um investimento de US$ 400 milhões, dinheiro que os asiáticos não devem recuperar tão cedo. Se serve de consolo, recentemente o Noble Group vendeu para a chinesa Cofco uma participação de 51% da Noble Agri, que reúne suas operações no agronegócio, inclusive na área sucroalcooleira. Ao menos terá com quem dividir os prejuízos nos canaviais brasileiros. Outro caso que ilustra a vocação do Noble Group para torrar dinheiro no Brasil envolve a compra de 30% da Mhag, dona de jazidas de minério de ferro no Rio Grande do Norte. O valor incinerado nem foi tão grande assim: cerca de US$ 60 milhões. No entanto, os asiáticos compraram cascalho por minério. Os planos da mineradora potiguar de produzir dois milhões de toneladas por ano jamais saíram do papel. Os investimentos anunciados na área de logística, idem, Hoje, a Mhag praticamente suspendeu suas operações e, diretamente, mantém apenas oito empregados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.11.14
ED. 5011

Ometto dá outro rumo a sua operação logística

Rubens Ometto é homem de fazer revoluções dentro da revolução. A fusão entre a Rumo Logística, controlada pela Cosan, e a América Latina Logística (ALL) nem sequer foi concluída e muito menos aprovada pelo Cade e o empresário já articula os próximos movimentos da operação. Ometto pavimenta desde já a possível associação da nova companhia a um pool de cooperativas agrícolas de São Paulo. Há dois modelos sobre a mesa: a negociação poderia se dar por meio da criação de uma joint venture ou mesmo com a entrada deste grupo de cooperativas no capital da nova operadora logística, a partir da compra de uma participação minoritária. Do lado das cooperativas agrícolas, as tratativas estariam sendo conduzidas pela Coopercitrus, de Bebedouro (SP) – empresa que fatura cerca de R$ 1,7 bilhão por ano com a comercialização de insumos e equipamentos agrícolas. Oficialmente, a companhia nega qualquer negociação. Ressalte-se, no entanto, que a Coopercitrus já tem negócios com a Rumo Logística. Há quase quatro anos ambas são sócias na TB S/A, joint venture criada para operar um terminal de açúcar e grãos em Barreto, também no interior paulista. A intenção de Rubens Ometto é formar um cinturão de parcerias capaz de ampliar a estrutura, o grau de diversificação e a abrangência de atuação do novo grupo resultante da fusão entre ALL e Rumo. O empresário considera fundamental agregar sócios com armazéns e carga garantidos em São Paulo, não por coincidência onde está concentrada a maior parte dos ativos da Rumo – ao todo são sete terminais no estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.03.14
ED. 4832

Os trilhos de Rubens Ometto vão além da fusão com a ALL

Quem para a locomotiva chamada Rubens Ometto? O turbulento processo de fusão entre Cosan e ALL nem sequer percorreu os primeiros quilômetros e o empresário já se dedica a mapear os próximos movimentos no setor. Sua intenção é usar a nova companhia como ponta de lança para a aquisição de linhas férreas já em operação ou ainda por serem construídas. O principal alvo de Ometto é a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico). Conhecida como “ferrovia da soja”, a estrada ligará Lucas do Rio Verde (MT) a Uruaçu (GO) – o projeto prevê também uma conexão com a Ferrovia Norte- Sul. O leilão da Fico, que deverá abrir a nova temporada de licitações da ANTT, é um dos mais aguardados do setor. O trecho de mais de 1,5 mil quilômetros vai cortar uma das maiores regiões produtoras de grãos do país. Segundo fonte da própria agência, a Cosan já sinalizou ao governo o interesse em disputar a concessão da Fico. A companhia, aliás, integra o coro dos investidores que cobram a revisão das taxas de retorno do empreendimento. A rentabilidade foi originalmente fixada em 8,5% ao ano. Ao mesmo tempo em que desata os nós da fusão com a ALL, a Cosan busca parceiros para a licitação da ferrovia da soja. Ometto quer ter ao seu lado uma construtora e uma trading. Neste caso, um forte candidato é a Mitsubishi. A companhia japonesa já mantém um acordo com a Cosan para a comercialização de etanol no mercado asiático. Ometto, ressalte-se, já pensa e age como acionista controlador da ALL. E olha para o mapa ferroviário nacional como um enxadrista que estuda a posição de cada peça no tabuleiro. No caso da Fico, o que mais alimenta seu interesse na licitação é o potencial de sinergia com a própria ALL. A construção de um ramal de 500 quilômetros entre as cidades de Rondonópolis e Lucas do Rio Verde permitiria a integração entre as duas malhas. Ometto mira também na aquisição de ferrovias paralisadas por falta de investimentos dos respectivos concessionários. São trechos já devolvidos a  ANTT que deverão ser leiloados nos próximos dois anos. Há mais de um ano, a Cosan Logística, braço do grupo, analisa mais de uma dezena de trechos que serão reofertados ao mercado pela agência reguladora, notadamente em São Paulo e no Paraná.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.12.13
ED. 4804

ALL acaba com as folhas do talão de multas da ANTT

Afinal, o que está acontecendo com a América Latina Logística (ALL)? A maior operadora ferroviária do Brasil tornou-se um comboio desgovernado. As graves falhas operacionais e o elevado número de acidentes transformaram a empresa em campeã de punições no setor de transportes. A bola de neve não para de crescer. Segundo uma fonte da própria ANTT, a ALL está prestes a levar mais um duro e dispendioso corretivo da agência reguladora. Ainda neste trimestre a companhia deverá receber uma nova leva de multas no valor aproximado de R$ 40 milhões. Ou seja: neste caso, em apenas três meses as sanções impostas pelas autoridades do setor somariam cerca de 60% a mais do que todas as multas aplicadas a  concessionária durante 2013. De acordo com a mesma fonte, a empresa ainda sofrerá outras penalidades ao longo dos próximos meses. É o preço a ser pago pelo carry over de mais de 400 acidentes ocorridos em sua malha no ano passado. Significa dizer que a ALL respondeu por quase 60% dos sinistros registrados em todas as estradas de ferrovias brasileiras. Trata-se de um número impressionante mesmo considerando que a empresa reúne cerca de 40% das linhas férreas em operação no país. O desenfreado custo descarrilamento coincide com um dos períodos mais delicados da história da ALL. No ano passado, a empresa levou uma tunga de mais de R$ 220 milhões com a cassação de suas concessões na Argentina. Neste momento, a concessionária está no meio de um complexo processo de fusão com a Rumo Logística, controlada pelo empresário Rubens Ometto. A associação foi a maneira encontrada pela ALL para encerrar o contencioso com a Cosan e escapar de uma cobrança que poderia chegar a R$ 5 bilhões. Ometto entrou na Justiça contra a concessionária alegando quebra do contrato firmado para o transporte de açúcar. A associação com a Rumo resolveu um problema, mas traz outro a reboque: a nova empresa resultante da fusão terá de investir aproximadamente R$ 10 bilhões, boa parte destes recursos na solução de gargalos logísticos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.11.13
ED. 4788

Rubens Ometto arranca uma passagem para a ALL

Rubens Ometto promete levar a s últimas consequências o contencioso entre a Rumo Logística, sua controlada, e a ALL. O que está em jogo, neste caso, é muito mais do que um contrato para o transporte de açúcar – para todos os efeitos, a questão central dos processos cruzados de arbitragem recém- abertos pelas duas companhias. O empresário enxerga o litígio como uma gazua – alguns dirão um pé de cabra – para abrir a porta que lhe foi fechada pelos sócios da ALL e, finalmente, entrar no capital da companhia. Segundo fontes próximas a Ometto, seu objetivo é forçar a conversão em ações das diversas multas cobradas pela Rumo a  operadora ferroviária por suposto descumprimento de contrato. O valor exigido na Justiça seria da ordem de R$ 1 bilhão. Para efeito de comparação, a cifra é superior ao dote de R$ 896,5 milhões que Ometto ofereceu, no ano passado, para comprar 5,67% do capital da ALL ou – esta, sim, a conta que interessa – o correspondente a 49% das ações dentro do bloco de controle da companhia. Procurada pelo RR, a Cosan, controladora da Rumo, disse “desconhecer a informação”. No entendimento dos advogados de Rubens Ometto há brechas no contrato entre a Rumo e a ALL que possibilitariam a conversão das dívidas em participação acionária. A própria situação da operadora ferroviária jogaria a favor de Ometto. A ALL está longe de seus melhores dias. Os sócios discutem, inclusive, a necessidade de promover um aumento de capital ou buscar um novo investidor – ver RR edição nº 4.742. Ainda que o valor fosse diferido no tempo, a cobrança de uma nova multa de R$ 1 bilhão representaria mais um baque nas finanças da companhia. No contrato firmado com a Rumo Logística, a ALL comprometeu- se a movimentar por ano um volume mínimo de açúcar e derivados e a fazer sucessivos investimentos em sua malha e na compra de equipamentos, de modo a garantir o gradativo aumento da carga transportada. No entanto, a operadora ferroviária não estaria cumprindo integralmente as contrapartidas previstas no acordo. A contenda se arrasta há quase quatro anos. No mês passado, a empresa entrou com um processo de arbitragem na Câmara de Comércio Brasil-Canadá na tentativa de evitar novas cobranças. A Rumo, por sua vez, também ingressou com um pedido de arbitragem contra a ALL, alegando já ter investido mais de R$ 1,2 bilhão na operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.12.12
ED. 4543

ALL dá um bilhete só de ida para as concessões deficitárias

A carga é pesada, e os trilhos, cada vez mais sinuosos. A América Latina Logística (ALL) vive um momento de alta tensão, marcado por uma combinação de mudanças e decisões estratégicas bastante delicadas. Além das complexas articulações para a entrada da Cosan em seu capital, que se arrastam desde o início do ano, a empresa está envolvida em uma intrincada negociação com o governo, que poderá ter impacto direto sobre seus resultados e seu plano de investimentos em 2013. A companhia costura a devolução de trechos pouco rentáveis de sua malha ferroviária, que seriam relicitados no âmbito do PAC das concessões. O primeiro da lista é a linha entre Porto Alegre e São Paulo, que, além de deficitária, tornou-se sinônimo de desgaste institucional para a ALL, devido a s cobranças por aumento dos investimentos feitas recorrentemente pelas autoridades da área de transporte. Outra concessão no índex da companhia é a ligação ferroviária entre uma série de cidades na região do Alto Uruguai (RS). Alguns trechos estão paralisados. A ALL promete retomar as operações no primeiro trimestre de 2013. Segundo informações filtradas junto a  empresa, seria puro jogo de cena. Sua intenção é a devolução da concessão, vista como um ativo de difícil rentabilização. Procurada, a ALL não quis comentar o assunto. Esta é uma agenda extremamente sensível, ao mesmo tempo com contornos políticos, regulatórios, jurídicos e financeiros. A ALL está no meio de um contencioso com a ANTT. Ela questiona na Justiça a recente redução do teto tarifário das concessões ferroviárias. Na média do setor, os cortes chegaram a 25%. Mas, em alguns trechos, a ALL foi obrigada a reduzir os valores em até 47%. A empresa chegou a obter uma liminar suspendendo a redução dos preços. Apesar da vitória jurídica pontual, a empresa trabalha com o pior cenário. Sua percepção é de que dificilmente será possível reverter a nova política tarifária imposta pelo governo. A iminente perda de receita só acentua a necessidade da ALL de devolver concessões deficitárias, o que pressupõe um acordo com o governo. Para isso, a empresa usa todas as armas que tem. Já sinalizou que, se não cortar estas gorduras, dificilmente conseguirá cumprir o plano de investimentos previsto para 2013, da ordem de R$ 700 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.06.12
ED. 4415

ALL desvia seus trilhos argentinos em direção Á  Los Grobo

Revoluções por minuto na América Latina Logística (ALL). Em meio ao processo sucessório – Eduardo Pelleissone assumirá a presidência no dia 2 de julho, no lugar de Paulo Basílio -, e a s negociações com a Cosan, a empresa está acelerando o processo de venda de seus ativos na Argentina. A intenção é concluir a operação antes de 30 de agosto, justamente o dead line previsto para a eventual entrada do grupo sucroalcooleiro em seu capital. De acordo com informações filtradas junto a  própria ALL, o principal candidato a  compra é o empresário argentino Gustavo Grobocopatel. Dono do grupo Los Grobo, o investidor é um dos maiores nomes do agronegócio na Argentina. Seu conglomerado de empresas faturou no ano passado cerca de US$ 1 bilhão. Grobocopatel poderá ter a seu lado um parceiro de alto calibre financeiro. Trata-se do Vinci Partners, leia-se Gilberto Sayão. Ambos são sócios na Los Grobo Brasil. O empresário estuda, inclusive, o IPO da companhia na Bovespa – ver RR – Negócios & Finanças nº 4.353. Procurada, a ALL informou que “as negociações estão em fase inicial e até o momento não há nenhum acordo definitivo”. Segundo o RR apurou, a negociação com a Los Grobo tem um aliado decisivo: o governo argentino. Grobocopatel, conhecido em seu país como “Rey de la Soja”, faz parte do rol de empresários portenhos que são unha e carne com Cristina Kirchner. Melhor para a ALL, que não vê a hora de se livrar de suas concessões na Argentina – a América Latina Logística Mesopotámica e a América Latina Logística Central. Só no primeiro trimestre deste ano, as duas subsidiárias somaram um prejuízo de quase R$ 10 milhões. Anualizado, o número representa um revés bem superior aos registrados nos últimos dois anos. Em 2010 e 2011, ambas registraram um prejuízo médio de R$ 10,3 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.04.12
ED. 4376

Ometto cobiça o posto de “maquinista do Brasil”

Com as mesmas passadas firmes que o levaram a costurar a associação entre Cosan e Shell, Rubens Ometto está urdindo o que pode vir a ser a grande companhia logística do país. Tudo depende da consumação do desembarque da Cosan no bloco de controle da ALL, operação ainda em curso. Ometto enxerga este movimento como a primeira estação de um negócio ainda maior. A partir da sua entrada na ALL, o empresário pretende se credenciar ao posto de maquinista dos grandes projetos ferroviários nacionais. Aos seus olhos, tratase de um cargo que está vago. Não por acaso um dos empreendimentos na sua mira é a Transnordestina. Ometto é candidato a assumir a construção e a operação da linha férrea. Joga a seu favor a expressa e manifesta irritação da presidente Dilma Rousseff com Benjamin Steinbruch, responsável pelo projeto. O empresário tem sido recorrentemente cobrado pelo governo por conta dos atrasos na construção da ferrovia. Inicialmente, o governo pretendia inaugurar a ferrovia em 2010. Após sucessivos adiamentos, a data foi empurrada para 2013. No entanto, segundo dados filtrados junto ao Ministério dos Transportes, a estimativa é que apenas metade do percurso total da Transnordestina, de 1,7 mil quilômetros, esteja concluída neste prazo. Com isso, a postergação para o fim de 2014 já é dada como favas contadas. Há uma insatisfação maior com a demora no início das obras em alguns trechos específicos. É o caso da ligação de 470 quilômetros entre Aurora e Pecém, no Ceará. O governo fez um enorme esforço para acelerar as desapropriações ao longo do traçado da linha férrea, mas nem um dormente sequer teria sido instalado. É importante frisar que os atrasos da Transnordestina têm um enorme efeito colateral negativo, pois diversos outros projetos dependem da construção da ferrovia. Com o interesse de Rubens Ometto, o governo poderia forçar a saída de Benjamin Steinbruch da locomotiva da Transnordestina, usando como aríete o BNDES. Ressalte-se que o banco é campeão em deslocar empresários do lugar. Neste caso específico, a agência de fomento teria uma motivação extra. É fácil antever que o projeto desenhado por Rubens Ometto tem grandes chances de cair na graça do BNDES. A operação parece feita sob encomenda para a sua política escolher um cavalo vencedor e estimular o surgimento de grandes grupos nacionais nos mais diversos setores da economia. Ao juntar a ALL e a Transnordestina em um mesmo comboio, Rubens Ometto ficaria no controle de uma das joias da coroa da logística no Brasil. Juntas, as concessões somariam mais de 37 mil quilômetros de linhas férreas. As duas ferrovias cobririam pontos importantes de produção industrial e agrícola, o que daria a Ometto maior escala e fôlego para investir no setor. Sob a ótica do governo, haveria ainda um valor simbólico em sua escolha como o “maquinista do Brasil”. Ometto é considerado um empresário clean. Não está marcado como um caçador de subsídios públicos – seus principais negócios, incluindo a associação entre a Cosan e a Shell, foram feitos sem a tradicional torrente de recursos do governo. Além disso, é visto como um empreendedor ecologicamente correto, sustentável.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.01.12
ED. 4336

ANP demarca a construção de alcooldutos

A ANP vai tentar colocar melodia e rima no samba do crioulo doido em que se transformou a construção de alcooldutos no país. A agência pretende lançar ainda neste semestre uma série de regras para normatizar a implantação de novos projetos no setor. A principal mudança diz respeito ao modelo legal para a execução de futuros empreendimentos. Hoje, os critérios são absolutamente difusos. Os projetos de construção são, caso a caso, avaliados e aprovados ou não pela ANP. A entidade pretende instituir leilões de concessão para a implantação de novos dutos. Além disso, a ANP quer replicar o direito de passagem adotado no transporte de gás. Ou seja: os investidores serão obrigados a abrir o duto para terceiros em caso de subutilização do pipeline. A percepção da ANP é que o atual modelo de autorização caducou e não atende mais a s necessidades logísticas do país para o transporte de etanol. Com o sistema de concessão, a agência pretende estipular critérios geoeconômicos para a construção dos pipelines. O objetivo é evitar sobreposições de traçados, o que aumenta o risco de subaproveitamento dos dutos. Em tempo: ciente das intenções da ANP, a Petrobras não perdeu tempo. Tem feito lobby para que o seu projeto de construção de um alcoolduto entre Goiás e o Porto de Santos, um investimento de US$ 2 bilhões tocado em parceria com Cosan, Copersucar, Camargo Corrêa, OTP e Uniduto, seja totalmente aprovado pela agência antes da entrada em vigor das novas regras .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.11.11
ED. 4281

Petrobras vê Rubens Ometto como rival em pele de parceiro

Rubens Ometto começa a ser visto com reservas dentro da Petrobras. O motivo é o transtorno bipolar do empresário na área de logística. Ao mesmo tempo em que é sócio da estatal na Logum, Ometto está prestes a se tornar um dos principais concorrentes da companhia no armazenamento e transporte de etanol. A Raízen, leia-se Cosan e Shell, tem um projeto para alavancar os negócios de sua subsidiária Rumo Logística. Não por coincidência, a operação repete o modelo societário da Logum, montado pela Petrobras em parceria com empresas do setor sucroalcooleiro. A ideia de Ometto é atrair outras usinas para o capital da Rumo. Um candidato em potencial é a já parceira São Martinho – as duas companhias fecharam um contrato de dez anos para armazenagem, transbordo e transporte de açúcar e álcool. A associação acirraria ainda mais o conflito de interesses em um jogo de participações cruzadas, uma vez que a Petrobras Biocombustíveis é acionista minoritária da São Martinho. Outra empresa com quem a Rumo vem mantendo conversações é o Noble Group, de Hong Kong, dono de quatro usinas de álcool e açúcar em São Paulo – duas delas compradas do Grupo Cerradinho, no fim do ano passado, por quase US$ 1 bilhão. No cinturão de sócios de Rubens Ometto há espaço também para uma operadora ferroviária. Um nome forte é o da ALL, com a qual a Rumo Logística também mantém uma parceria operacional. Esta seria a maior diferenciação da empresa para a Logum e o grande argumento de Ometto para usar o seu duplo chapéu. Enquanto a controlada da estatal vai focar na construção de alcooldutos, o forte da Rumo Logística passaria a ser o transporte ferroviário. A estratégia de Ometto é que cada um dos novos sócios tenha, no máximo, 10% de participação. O empresário topa abrir mão da posição de majoritário, desde que um acordo de acionistas o mantenha a  frente do negócio. Ressalte-se que a companhia já tem dois private equities em seu capital: o Gávea Investimentos e o Texas Pacific Group, donos de 25% das ações. No modelo de negócios idealizado por Rubens Ometto, a Rumo Logística poderá ainda formar SPEs para administrar determinados empreendimentos. A empresa já tem um negócio neste formato. Criou uma associação com a Coopercitrus, uma das mais tradicionais cooperativas de São Paulo, para administrar um terminal de etanol em Barretos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.08.11
ED. 4225

Caipisaquê

Ainda não é caso para harakiri. Mas Rubens Ometto e a sua Cosan estão assistindo ao mercado asiático de etanol, especialmente o do Japão, escorrer pelos dedos. Motivo: é a logística, estúpido!

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.11
ED. 4200

Shree Renuka rivaliza com Petrobras no transporte de etanol

A Shree Renuka Sugars quer ser uma espécie de antagonista da Petrobras na logística de etanol no Brasil. Os indianos trabalham na montagem de um consórcio estrangeiro com o objetivo de criar uma estrutura própria de alcooldutos voltada a  exportação do combustível. O grupo está disposto a comprar uma briga encarniçada com a estatal. Além do transporte do etanol produzido em suas próprias usinas no país, a Shree Renuka pretende oferecer uma alternativa logística a empresas de médio e pequeno portes do setor. Desta maneira, vai competir diretamente com a Logum Logística, empresa criada recentemente pela Petrobras, que ainda leva na garupa sócios do porte da Copersucar, Cosan e Camargo Corrêa. Para bater de frente com a estatal, o grupo indiano está recrutando uma plêiade de parceiros pesos-pesados. A norte-americana Cargill e a japonesa Sumitomo são nomes quase certos na empreitada. Há conversações também com a Tereos, dona da Açúcar Guarani. A companhia, no entanto, está em uma zona de conflito. Vontade de participar do consórcio liderado pelos indianos é o que não falta. No entanto, os franceses temem se indispor com a própria Petrobras, sua sócia na Guarani. Não obstante o considerável risco da operação, notadamente no que diz respeito a  concorrência com a Petrobras, a Shree Renuka está disposta a gastar munição de grosso calibre no projeto. O investimento está orçado em quase US$ 4 bilhões. Não custa lembrar que o grupo está com o caixa recheado. No primeiro trimestre deste ano, fez uma captação de US$ 1,2 bilhão na Bolsa da andia. Além do aporte dos sócios, a empresa está fechando também contratos de financiamento com bancos indianos e com um pool de tradings asiáticas. A maior parte do etanol produzido pelo grupo no Brasil será destinada ao Oriente. O projeto prevê a implantação de um sistema integrado de logística. Além da construção de alcooldutos, os indianos vão se utilizar de navegação de cabotagem e de transporte rodoviário ? não por coincidência, um modelo similar ao da própria Logum. A Shree Renuka já investiu mais de US$ 400 milhões no Brasil. Comprou as usinas do Grupo Equipav e hoje soma uma capacidade instalada no país que permite a moagem de 13,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por safra.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.05.11
ED. 4164

ALL

A ALL está criando uma subsidiária focada exclusivamente no mercado de etanol. A nova empresa contará com uma frota própria de vagões tanques e centros de distribuição e comercialização do produto. O investimento deverá chegar a R$ 120 milhões. Trata-se de um aquecimento. A ALL pretende ganhar massa crítica para se associar a  Rumo Logística, empresa da Cosan da qual já é parceira operacional.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.03.11
ED. 4113

Louis Dreyfus

A Louis Dreyfus também é candidata a entrar na Logum Logística, empresa para o transporte de etanol criada por Petrobras, Cosan e cia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.11.10
ED. 4044

Alcoolduto da Petrobras já nasce em chamas

Incensada como um dos grandes projetos de logística do Brasil, a construção do alcoolduto entre o Centro-Oeste e o porto de Santos ainda tem arestas a serem aparadas. A recém-anunciada associação entre Petrobras, Cosan e Copersucar já nasceu sob o signo da discórdia. Há desavenças quanto ao aporte que caberá a cada acionista o projeto está avaliado em US$ 2 bilhões. Cosan e Copersucar estariam tentando jogar para cima da Petrobras uma fatia maior da fatura, não obstante o modelo inicial prever participações societárias isonômicas. Cada uma delas deverá ter algo entre 20% ou 25% do capital. O argumento é que a estatal poderá se valer do alcoolduto para transportar etanol produzido por usinas associadas a  Petrobras Biocombustíveis a empresa é acionista da Açúcar Guarani e da São Martinho. A saída da Mitsui do projeto também ajudou a embaralhar o quebra-cabeças, notadamente no que diz respeito ao funding. A trading trazia a reboque a promessa de financiamento de um pool de bancos japoneses. Como não poderia deixar de ser, o nome do BNDES já foi entoado na mesa de negociações. Ele entraria no projeto, não apenas como financiador, mas também como acionista, de forma a garantir o project finance. Entende-se também que a presença do banco, aliada a  da própria Petrobras, servirá de chamariz para a entrada de outros grupos privados. Até porque há um risco intrínseco ao projeto que nem explica a própria retração da Copersucar e da Cosan. O empreendimento, que estava engavetado há mais de dois anos, surge justamente no momento em que as exportações brasileiras de etanol evaporam. Em 2008, o país comercializou quase seis bilhões de litros do combustível no mercado internacional. Neste ano, o volume não deverá passar de 1,6 bilhão. A projeção para 2011 é semelhante.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.05.10
ED. 3924

São Martinho é o novo alvo da Petrobras Biocombustíveis

A associação com a Açúcar Guarani foi apenas a primeira colheita. A Petrobras Biocombustíveis tem como meta concentrar 30% de toda a produção sucroalcooleira do país em até três anos, com a montagem de um colar de participações no setor. Após o acordo com a francesa Tereos, dona da Guarani, um dos alvos na mira é a São Martinho. O caminho mais curto até a empresa passa pelo outro lado da Avenida Chile. A operação envolveria um acordo cruzado com o BNDES, acionista da São Martinho. O banco tem uma fatia pequena no capital, inferior a 5%, mas é um dos maiores credores da usina. Tem cerca de R$ 500 milhões em créditos contra a São Martinho, praticamente metade do endividamento líquido do grupo. A conversão da dívida em participação societária e sua posterior negociação dariam a  Petrobras uma fatia razoável no capital da usina. A expansão da Petrobras Biocombustíveis atende a  intenção do governo de colocar rédeas curtas no processo de internacionalização do mercado. Este movimento conta com o apoio das próprias usinas. Recentemente, empresários como Rubens Ometto, da Cosan, e Luiz Guilherme Zancaner, da Unialco, manifestaram ao presidente Lula sua preocupação com o avanço do capital estrangeiro no setor – ver RR – Negócios & Finanças edição nº 3.855. Paralelamente a  compra de participações em usinas, a Petrobras Biocombustível está envolvida em outra importante empreitada no setor: a montagem de uma empresa de logística voltada ao transporte e exportação do combustível. A subsidiária deverá assumir dois projetos para a construção de pipelines nas mãos da Petrobras. Os dutos vão ligar o Centro-Oeste e o interior de São Paulo a terminais portuários no estado – o traçado ainda é objeto de estudos. Cada um dos alcooldutos está orçado em US$ 1 bilhão. Grupos serão chamados a participar desta empresa de logística, incluindo usinas controladas por investidores estrangeiros. Empresas como Copersucar e Louis Dreyfus já sinalizaram a disposição de participar do projeto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.01.10
ED. 3866

Amyris adoça o capital do Grupo São Martinho

O Grupo São Martinho conseguiu um substituto a  altura para suprir a saída da Mitsubishi da usina Boa Vista, em Quirinópolis, no estado de Goiás. A americana Amyris comprou 40% do capital da usina, por aproximadamente US$ 60 milhões, incluindo os 10% que pertenciam aos japoneses. O próximo passo é a negociação para a entrada da Amyris nas outras duas usinas do grupo, São Martinho e Iracema, ambas em São Paulo. O interesse da Amyris é fortalecer a sua posição no mercado brasileiro para a produção de especialidades químicas a  base do caldo da cana-de-açúcar, principalmente o farneseno. Esse componente químico resulta da fermentação do caldo com leveduras e é usado como matéria prima para a fabricação de cosmésticos, combustíveis de aviação, diesel e lubrificantes. Apesar de não haver exclusividade no acordo, já que a Amyris acertou parcerias com Bunge, Cosan e Tereos, a negociação com o Grupo São Martinho é a única que inclui a compra de ações. Por trás do interesse declarado de ser sócia nas usinas está uma outra intenção, ainda não verbalizado pela Amyris. Trata-se do desejo de fazer parte do controle do próprio Grupo São Martinho ou até comprar a empresa. Independentemente do formato final, o que está em jogo para a companhia americana é ter uma forte base industrial para a fabricação das especialidades químicas, e o Brasil foi o escolhido por ser líder mundial na produção tanto de açúcar quanto de etanol, além de contar com incentivos governamentais para a diversificação do portfólio de produtos. Para o grupo brasileiro, o desembarque da Amyris no capital lhe garantirá tecnologia de ponta no nicho das especialidades químicas, aportes de capital, linhas de financiamento internacionais e uma estrutura logística para a venda dos produtos nos mercados asiático e europeu. O acordo para a entrada no capital das usinas São Martinho e Iracema deverá ser fechado até março, após a conclusão da due diligence. O acerto inicial com a Boa Vista promete facilitar e muito as conversações para a futura associação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.